Preço médio do metro quadrado sobe 0,91% no Pará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
A alta de preços observada no Estado, mês passado, foi a sétima mais expressiva do País e a segunda maior da região Norte
O preço médio do metro quadrado (m²) paraense subiu 0,91% em julho, segundo a avaliação do Sistema Nacional de Pesquisa de Custos e Índices da Construção Civil (Sinapi), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e da Caixa.
O percentual de evolução do valor médio encontrado no Pará contrasta com os resultados negativos de maio (-0,07%) e abril (-0,26%), mas acompanha os demais apresentados em junho (0,51%), março (0,10%), fevereiro (0,32%), janeiro (0,65%) e dezembro de 2014 (0,64%). A alta de preços observada no Pará, mês passado, foi a sétima mais expressiva do País e a segunda maior da região Norte. No ano, a soma cobrada por cada m² já aumentou 2,17% e no decorrer de 12 meses, subiu 5,56%. Os resultados do sétimo mês de 2015 foram apresentados ontem. A valorização do m² no Pará seguiu o comportamento dos preços em todo o País.
No Brasil, os custos aumentaram, em média, 0,69%. As unidades federadas com as maiores alterações no valor do m² foram Ceará (3,26%), Distrito Federal (3,17%), Tocantins (2,39%), Rio Grande do Sul (2,24%), Santa Catarina (1,52%) e Espírito Santo (1,09%). O preço médio do m² no Pará chegou a R$ 913,29 considerando a desoneração da folha de pagamento de empresas do setor da construção civil. Esse foi o menor valor registrado na região Norte e o 11º preço mais barato do Brasil. O valor médio do m² no País é R$ 948,47.
O Estado do Norte com o maior valor do m², depois dos reajustes de junho, é o Acre (R$ 1.060,41), seguido de Rondônia (R$ 1.022,19), Roraima (R$ 1.001,77), Tocantins (R$ 993,28), Amazonas (R$ 944,65), Amapá (R$ 937,07) e Pará. Em todo o País, os preços médios mais caros estão nos Estados nortistas, no Rio de Janeiro (R$ 1.091,10), Santa Catarina (R$ 1.042,29), São Paulo (R$ 1.040,97), Distrito Federal (R$ 998,53), Paraná (R$ 950,70), Mato Grosso do Sul (R$ 953,11) e Mato Grosso (R$ 941,25). Os valores também consideram a desoneração da folha. No percentual obtido com o acúmulo das variações dos últimos doze meses, os resultados que mais chamaram a atenção estão em Santa Catarina (10,08%), Alagoas (7,71%), Sergipe (6,98%), Amazonas (6,55%), Piauí (6,33%), Rio Grande do Sul (6,16%) e Espírito Santo (6,06%).
Em relação aos percentuais acumulados em 2015 os destaques vão para o comportamento dos indicadores de Sergipe (6,96%) e de Santa Catarina (7,86%). Na avaliação das variações de preço apresentadas pelas regiões o IBGE evidenciou, em ordem, o Sul (1,24%), o Centro-Oeste (1,08%), o Norte (0,75%), o Nordeste (0,65%) e o Sudeste (0,43%). No entanto, o valor médio mais caro do m², com a desoneração, é o do Sudeste (R$ 998,96), seguido dos preços alcançados no Sul (R$ 968,31), Norte (R$ 950,03), Centro-Oeste (R$ 950,34) e Nordeste (R$ 878,54).



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas