Professores alertam para danos na grade curricular com a retirada do ensino do Espanhol

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

A retirada da Língua Espanhola da grade curricular das escolas públicas gera polêmica entre professores e estudantes. Apesar da Lei de Diretrizes e Bases da Educação não estabelecer exclusividade do ensino de inglês e defender o plurilinguismo (ensino de duas línguas estrangeiras no ensino médio); e da Lei 11.161, que tornava obrigatório o ensino de espanhol nas escolas da rede pública, a Reforma da Educação, anunciada em 2016, foi efetivada com uma Medida Provisória do Governo Federal, que prevê o fim da obrigatoriedade da língua espanhola. Somente o inglês continua obrigatório.

Como consequência, no Pará, o último concurso público realizado pela Secretaria de Educação, em 2015, já ofertava vagas para professores apenas de inglês.

Nesta segunda-feira (12.08), o deputado Dirceu Ten Caten trouxe o tema para discussão em uma Sessão Especial sobre a obrigatoriedade do ensino da língua espanhola nas escolas paraenses, e revelou a preocupação de educadores da língua. Os principais pontos são a redução dos postos de trabalho e a dificuldade do ensino para alunos que irão prestar vestibular e ENEM. “Essa questão é importante por trazer problemas para a educação em nosso Estado, principalmente por não levar em consideração o interesse da sociedade, não houve debate para sustentar essa decisão”, destacou o deputado Dirceu Ten Caten.

  Posto mais barato da região de Carajás vende gasolina a R$7,18

“Temos uma grande maioria de estudantes que optam pelo espanhol nas provas, por termos mais familiaridade com essa língua”, avalia o parlamentar.

Para os professores, os danos para a educação são inúmeros e chegam a afetar diretamente toda a cadeia de ensino do Espanhol.

Ao todo, no Pará, há mais de mil profissionais formados e capacitados para o ensino da língua espanhola, número suficiente para atender toda a rede de ensino no Estado, na capital e no interior. “Em que momento se definiu que aprender espanhol não é importante? É a segunda língua com maior número de falantes nativos no mundo, falada em 20 países. O Brasil é cercado por países que falam espanhol”, destacou a professora Ana Paula Nascimento, do curso de Letras da UFPA em Abaetetuba.

“Continuamos na luta para defender não apenas a manutenção da língua no ensino médio, já que essa decisão intervém ainda em nível acadêmico e que se estende para níveis superiores”, garante a professora.

Estatística – Segundo levantamentos do Instituto Nacional de Estudo e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mais de 40% dos estudantes optam por fazer prova de espanhol, uma taxa que os educadores afirmam que não pode ser simplesmente ignorada. O número é considerado alto para um país onde sete em cada dez escolas não oferecem aula de língua espanhola.

  Brigada de Incêndio do ICMBio Carajás participa de treinamento para manejar o fogo em áreas de conservação

A escolha do espanhol pode ser um sinal de que o inglês ensinado nas escolas não é suficiente para deixar os alunos seguros na hora de fazer uma prova. E por isso, parte dos alunos acaba optando por uma língua mais parecida com o português.

Mas essa proximidade pode criar uma ilusão de facilidade prejudicial aos estudantes. De acordo com dados da inFlux English School, cerca de 60% dos candidatos do Enem escolhem o espanhol como a segunda língua a ser avaliada pela proximidade da língua portuguesa com a espanhola, o que faz com que muitos acreditem, erroneamente, que será mais fácil acertar questões de espanhol do que de inglês. Entretanto, no resultado, a média de acerto é de apenas de 34%, inferior à porcentagem daqueles que escolhem o inglês (45%).



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas