Onça-pintada: Parque Zoobotânico Vale tem novo residente

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Davi, filhote órfão de onça-pintada, foi encaminhado para o Zoobotânico no final do ano passado | Créditos: Nereston de Camargo

Após período de adaptação, um filhote macho órfão de onça-pintada, que chegou ao Parque Zoobotânico Vale (PZV) no final do ano passado,  já está agrupado no recinto com outras onças do parque. O novo morador já pode ser conhecido pelo público que visitar o Parque.

Davi ficou órfão em Ourilândia do Norte e foi encaminhado para o Parque por meio de órgão ambiental. “A onça-pintada é a espécie símbolo da fauna brasileira e está ameaçada de extinção. Infelizmente, esse animal não poderá ser devolvido à natureza pela interrupção do vínculo com a mãe. Mas ele ganhou uma segunda chance aqui no Zoobotânico. E o Davi poderá contribuir com a conservação da espécie”, explica o biólogo Tarcísio Rodrigues.

De acordo com o supervisor do Zoobotânico, Cesar Neto, o encaminhamento feito pelos órgãos competentes, como IBAMA e ICMBio, é uma das três formas de chegada de novos animais ao zoológico. “As outras formas são o nascimento de animais no próprio parque e a permuta com outras instituições, que integram os programas de conservação de espécies ameaçadas de extinção”, explica. Outras duas onças-pintadas chegaram ao PZV encaminhadas pelos órgãos ambientais. As fêmeas Roma e Malva integram o plantel do parque desde dezembro de 2020.

  Em Canaã, Ciclista é executado na Rua da Torre

Conservação

 O PZV integra programa da Associação de Zoológicos e Aquários do Brasil (AZAB) voltado para a conservação ex situ (fora da natureza) da onça-pintada. O trabalho de manejo e reprodução sob cuidados humanos é de extrema importância para promover a conservação.

Nos últimos 10 anos o parque registra ainda o terceiro nascimento de filhotes de onça-pintada. Os irmãos Thor (pintado) e Pandora (melânica) nasceram em maio de 2014; as irmãs melânicas Sheila e Leila, em março de 2016, e dois filhotes (um macho e uma fêmea), nasceram em fevereiro desse ano. Os dois estão sob os cuidados da mãe, Marília, no setor técnico do parque e ainda não estão aptas para exposição.

Há registro também de nascimento de outras espécies no Zoobotânico, como filhotes de ararajuba, urubu-rei e harpia. Além de contribuir com a preservação das espécies, o parque atua também como estoque genético e espaço de formação de profissionais especializados para trabalhar em benefício da preservação da fauna e flora brasileiras, dentro do Programa de Manejo Reprodutivo para Conservação de Espécies Ameaçadas de Extinção e Relevância Biológica.



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas