MP oferece denúncia contra a distribuição irregular de medicamentos em Parauapeba

Distribuição ocorreu sem nenhum controle das autoridades competentes como Vigilância Sanitária e Conselho de Farmácia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Parauapebas Foto: Seny Lima

A Promotoria de Justiça de Parauapebas apresentou denúncia à Vara Criminal de Parauapebas em desfavor do delegado de Polícia Civil Gabriel Henriques Alves Costa e do empresário Fábio Sales.

No dia 17 de maio a promotora de justiça Francys Galhardo do Vale recebeu a informação de que o delegado de Polícia Civil, Gabriel Henriques Alves Costa, e o empresário Fábio Sales estariam distribuindo irregularmente à população os medicamentos controlados cloroquina e azitromicina, usados no protocolo de tratamento de infecções causadas pelo novo coronavírus. A distribuição faria parte de uma ação social denominada “Amigos contra a covid-19” e chegou a ser divulgada em vários blogs e sites de notícia da cidade.

Na denúncia a Promotoria destaca que, a distribuição dos medicamentos, assim como outros medicamentos sujeitos a controle especial, é prevista somente em estabelecimentos devidamente registrados e com a presença de farmacêutico (Resolução – RDC n° 20, de 05 de maio de 2011 e RDC n° 351, de 20 de março de 2020).

O próprio Conselho Regional de Farmácia do Pará, na condição de autarquia federal de regulamentação e fiscalização da profissão farmacêutica no Estado, considerou a distribuição irregular chegando a notificar um dos representantes do grupo ao ser informada sobre a ação social, porém, não obteve resposta.

  MP aponta superfaturamento em shows do aniversário de Parauapebas

Após receber a informação a Promotoria solicitou ao delegado Gabriel Henrique Alves Costa informações sobre a ação social, assim como as notas fiscais de compra dos medicamentos, cópias das receitas retidas e a listagem de pacientes que receberam os remédios, tendo em vista a covid-19 tratar-se de doença infectocontagiosa de notificação compulsória.

O delegado se justificou dizendo que resolveu juntar os amigos para doar os medicamentos depois de constatar a dificuldade de tratamento na rede pública. Disse que a esposa, a médica Marina Bucar, e vários amigos diagnosticados com o novo coronavírus foram tratados com essas medicações, devidamente orientados pela médica Marina.

Gabriel Henriques Alves relatou que ele e o grupo de amigos efetuaram doações em dinheiro para comprar a medicação, realizada através da Empresa Médica – Felipe Borges Serviços Médicos – EIRELI, CNPJ, de propriedade do médico cardiologista Felipe Augusto. Porém, o delegado não apresentou notas fiscais de compra, cópias das receitas retidas durante a ação social e nem a lista de pacientes que receberam o medicamento.

Para a Promotoria está claro que a distribuição dos medicamentos controlados cloroquina e azitromicina aos moradores de Parauapebas ocorreu sem autorização da Vigilância Sanitária competente e sem a presença de profissional farmacêutico, ou seja, sem nenhum controle, infringindo o artigo 273, §1º-B, I e VI, do Código Penal, Penal – o qual prevê reclusão, de 10 a 15 anos, e multa.

  Homem é executado enquanto comemorava o Dia dos Pais em Parauapebas



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Ofertas