Mais de 40% dos alunos do 3º ano do Pará não sabem ler frases, diz MEC

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Pesquisa do MEC com dados do Pará foi divulgada nesta quinta-feira (17). Dados apontam problemas com aprendizado de português e matemática.
A maioria dos estudantes do Pará que cursam o 3º ano do ensino fundamental – quando termina o ciclo de alfabetização nas escolas – só consegue localizar informações “explícitas” em textos curtos, e tem dificuldade em fazer tarefas de matemática mais complexas do que contar até 20. A conclusão é do Ministério da Educação (MEC), que realiza desde 2013 a Avaliação Nacional da Alfabetização (ANA) para medir o conhecimento dos alunos em leitura, escrita e matemática.

De acordo com o ministro da educação, Renato Janine Ribeiro, na escala de leitura, é considerado inadequado apenas o nível 1, onde estão 42,45% das crianças pesquisadas no estado. Em escrita, do nível 1 ao 3 os estudantes demonstram que não aprenderam o esperado. É o caso de 77,4%  das crianças. Já em matemática, são considerados níveis insuficientes de aprendizado o 1 e o 2, onde estão 81,43% dos alunos avaliados no estado.

Leitura
No caso da leitura, os níveis vão de 1 a 4, e só 3,18% dos estudantes atingiram o nível mais alto (o 4). 42,45% dos estudantes não passaram do nível 1, onde, segundo o Inep, as crianças são capazes apenas de ler palavras com sílabas canônicas (compostas de uma vogal e uma consoante) e não canônicas.

Outros 36,35% ficaram no nível 2, que corresponde a conseguirconhseguer, por exemplo, achar informações explícitas apenas em textos curtos, ou se elas estiverem na primeira linha de um texto mais comprido. O MEC considera como exemplos de textos curtos piadas, poemas e quadrinhos, entre outros. Segundo a avaliação, textos mais extensos podem ser trechos de literatura, lendas, cantigas folclóricas ou poemas.

No nível 2, as crianças sabem reconhecer a finalidade de diferentes tipos de texto, como convite, receita, anúncio ou um bilhete, e entendem o sentido de piadas ou de histórias em quadrinhos que misturam a linguagem verbal e a não verbal.

No nível 3 estão 18,02% das crianças, diz a ANA. Nesse nível, o estudante é capaz de localizar informações explícitas no meio ou ao final de textos mais extensos, identificar onde está o pronome pessoal do caso reto em alguns textos, e fazer a relação entre causa e consequência de textos verbais ou de textos que usam linguagem verbal e não verbal.

Já no nível 4, o mais alto, onde está a menor porcentagem das crianças avaliadas (3,18%), o estudante já deve ser capaz de reconhecer a relação de tempo em texto verbal e os participantes de um diálogo em uma entrevista ficcional, identificam outras estruturas sintáticas em textos curtos, como o pronome possessivo, o advérbio de lugar e o pronome demonstrativo, entendem o sentido de trechos de contos e o sentido de palavras em meio a texto mais compridos.

Matemática
O pior índice obtido pelo pará foi na escala de de alfabetização em matemática, onde 44,72% das crianças atingiram o nível 1, e 36,71% delas ficaram no nível 2. Ambos os níveis são considerados inadequados pelo ministro Janine Ribeiro.

Segundo o presidente do Inep, Chico Soares, há uma explicação mais complexa por trás dos resultados da prova de matemática. O desempenho dos estudantes, de acordo com ele, é impactado pelo nível de conhecimento do português, “porque os estudantes precisam interpretar aquele problema para transformá-lo em um cálculo, em um resultado”.

No primeiro nível, espera-se que as crianças saibam contar até 20, ler as horas e minutos em relógio digital e comparem objetos pelo seu comprimento, entre outras habilidades. No segundo, elas também reconhecem o valor monetário de cédulos e de grupos de cédulas e moedas, identificam o registro do tempo em um calendário, completam sequências numéricas crescentes e escrevem números de dois algarismos na ordem, além de somar até três algarismos e subtrair até dois algarismos.

Já no nível 3, onde o aluno provavelmente é capaz de resolver problemas com números maiores de 20 e calcular divisões entre partes iguais, com apoio de imagem, foi atingido apenas por 1 em cada 10 (10,70%) estudantes.

No nível 4, o mais alto da escala de matemática, estão 7,87% dos estudantes paraenses que concluíram o ciclo de alfabetização em 2014, segundo o Inep. Neste nível, eles devem ser capazes de ler as horas e minutos em relógios analógicos, sabem ler alguns elementos de gráficos de barra, fazem operação de subtração com até três algaritmos e divisão em partes iguais ou em proporcionalidade sem auxílio de imagens.

Redação do Portal Canaã, com informações do G1



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas