Vacinação contra febre aftosa no Pará é prorrogada

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

A Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) conseguiu, junto ao Ministério da Agricultura, prorrogar a etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Estado. Agora o produtor rural tem até o dia 15 de dezembro para vacinar seu rebanho e até o dia 20 de dezembro para notificar o escritório da agência.

“A seca deste ano em algumas regiões do Pará foi a maior dos últimos 40 anos, o que dificulta sobremaneira o trabalho em todo Estado, já que muitos lugares são acessíveis apenas por meio fluvial. Em um Estado com as dimensões que tem o Pará, é um desafio a mais a ser transposto pelos servidores que estão na ponta, desenvolvendo esse trabalho com muito afinco”, diz o gerente geral da Adepará, Luciano Guedes.

“Fomos ao Ministério da Agricultura fazer esta solicitação, no intuito de garantir que os produtores rurais possam vacinar o rebanho contra a febre aftosa, protegendo assim o Estado da doença, com o objetivo de manter o Pará com o status de livre da febre aftosa com vacinação, alcançado junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) no ano de 2014”, completa.

A etapa de vacinação, que começou em 1º de novembro, tinha como prazo final anterior o dia 30 de novembro, abrangendo todo o território paraense, com exceção do arquipélago do Marajó e dos municípios de Faro e Terra Santa. O objetivo é a manutenção do Estado como área livre da febre aftosa, para que a produção paraense alcance mais mercados nacionais e internacionais.

A estimativa é que a etapa de vacinação abranja, no mínimo, 108.102 propriedades cadastradas pela Adepará em 126 municípios paraenses. “A vacina é a única forma de evitar a febre aftosa e também de manter o Estado livre da doença”, explica o gerente do Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa da Adepará, George Santos.

O produtor rural é o responsável pela vacinação do rebanho, devendo adquirir a vacina, dentro do novo prazo da etapa, em uma revenda cadastrada pela Adepará. O objetivo é manter o Estado apto a negociar com outros Estados, dentro e fora do país. “A vacinação e a comprovação dela é uma exigência não só dos Estados compradores como de outros países. O Pará tem que se manter dessa forma, em especial, porque o setor agropecuário está em expansão aqui e em todo o Brasil”, diz Luciano Guedes.

 

Fonte: Agência Pará

 



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas