S11D E SALOBO: Canaã e Marabá são as estrelas de lucro magistral da Vale


A Vale divulgou nesta terça-feira (27) que o preço médio da tonelada de finos de minério de ferro praticado foi de 64,20 dólares em 2017, valor 18% acima dos 54,40 dólares de 2016. Contribuíram para o crescimento do preço maiores preços de referência, prêmios mais elevados e ganhos comerciais.

As operações de minerais ferrosos da empresa tiveram resultado de R$ 42,1 bilhões, ficando 18% acima dos R$ 35,8 bilhões registrados em 2016. Já as operações de metais básicos registraram R$ 6,8 bilhões, 8% acima dos R$ 6,3 bilhões de 2016.

Em ambos os grupos de commodities, o Pará está na dianteira dos lucros da Vale com dois importantes projetos nominalmente citados em destaque no relatório de 68 páginas da Vale.

O ramp-up do projeto de ferro S11D, em Canaã dos Carajás, e o ramp-up do projeto de cobre Salobo, em Marabá, garantiram bons resultados, sendo que Salobo sozinho alcançou R$ 3 bilhões em 2017, o que representa 20% acima dos R$ 2,5 bilhões em 2016, graças ao ramp-up bem-sucedido da operação. Salobo, aliás, já representa quase metade do lucro da Vale no segmento de metais básicos. (Assopem)

COMENTE VIA FACEBOOK

Sem opiniões

Escreva:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *