Pará expõe estratégias na Conferência Brasileira de Mudança do Clima

Foto: Ascom/SEMAS

“O clima é um dos principais pontos da agenda ambiental do Pará. Estamos trabalhando com o objetivo de alinhar iniciativas que garantam o crescimento das nossas atividades econômicas vocacionais, como a agropecuária, mas com a responsabilidade de buscar que a floresta seja mantida de pé”

s mudanças climáticas e as ações que podem ser desenvolvidas para enfrentar suas consequências são os principais assuntos apresentados pelo Estado do Pará na Conferência Brasileira de Mudança do Clima, aberta nesta quarta-feira (06), com programação até sexta (8), na cidade de Recife (PE). A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) representa o Pará no evento.

“O clima é um dos principais pontos da agenda ambiental do Pará. Estamos trabalhando com o objetivo de alinhar iniciativas que garantam o crescimento das nossas atividades econômicas vocacionais, como a agropecuária, mas com a responsabilidade de buscar que a floresta seja mantida de pé”, afirmou o titular da Semas, Mauro O’de Almeida.

Nos três dias de evento, os representantes dos estados brasileiros presentes ao encontro vão trocar experiências sobre o que está sendo realizado em cada território. O Pará vai dialogar com as outras unidades da Federação sobre as propostas desenvolvidas para assegurar o desenvolvimento sustentável da economia e da população paraense. A redução de emissão de gases relacionados ao efeito estufa, como CO2, também será abordada na conferência.

Ações concretas – “A Política Estadual de Mudanças Climáticas foi enviada à Assembleia Legislativa, e o Estado cria uma estratégia de financiamento através do Fundo da Amazônia Oriental, para captação de recursos internacionais e nacionais para ações de mitigação dos gases de efeito estufa, basicamente o desmatamento. O Estado também criou o Programa Territórios Sustentáveis, voltado às cadeias produtivas, incentivando boas práticas ambientais para melhorar a relação do produtor com a terra e evitando que ele desmate para produzir. Isso gera, ao mesmo tempo, desenvolvimento econômico e proteção ao meio ambiente”, ressaltou Raul Protásio, secretário adjunto de Recursos Hídricos e Clima da Semas.

O Governo do Pará busca a participação da sociedade na elaboração de políticas públicas voltadas ao clima. Na terça-feira (5) foi realizada a primeira reunião do Fórum Paraense de Mudanças e Adaptação Climáticas (FPMAC), em Belém. O evento indicou a preocupação do Estado com um diálogo interinstitucional e com a sociedade, representada por 39 entidades governamentais e ONGs, que compõem a plenária (24 participantes) e o Comitê Deliberativo do Fórum (15 participantes).

Temas ambientais – O governador Helder Barbalho é o presidente do Fórum, criado pelo Decreto n° 254, de 8 de agosto de 2019, com o objetivo de ampliar o debate sobre redução de gases de efeito estufa, desenvolvimento sustentável, medidas de adaptação climática e ecossistemas florestais que exercem papel fundamental na regulação climática, em nível local e regional.

A conferência visa fomentar o diálogo, a elaboração e a formulação da política pública nacional sobre mudanças climáticas. A conferência anual reúne representantes de movimentos sociais, organizações não governamentais, governos, comunidade científica e setores privado e público.

Segundo Rodolpho Zahluth Bastos, secretário adjunto de Gestão e Regularidade Ambiental da Semas, “a Conferência revela-se um importante espaço de reflexão sobre esses acontecimentos, e sobre o papel do Brasil, dos estados e municípios no planejamento e implementação de políticas públicas capazes de proporcionar um ambiente mais seguro e sustentável para as próximas gerações”.

COMENTE VIA FACEBOOK

Deixe uma resposta