Catadores de Canaã dos Carajás multiplicam resultados com apoio da Vale

Do antigo lixão de Canaã dos Carajás à liderança da Coolettar – primeira e única cooperativa de catadores do município – a vida de Valéria Pereira da Silva passou por profunda mudança nos últimos quatro anos. Ela e mais dez catadores deixaram para trás a dura realidade de quem trabalha de sol a sol separando os resíduos numa situação precária, para trabalhar de maneira organizada, segura e sustentável. A Coolettar é uma das  iniciativas apoiadas pelo programa Agir, da Fundação Vale, projeto que promove a formação empreendedora e confere assessoria nos processos produtivos, de gestão, governança e comercialização. Além de capacitação,  a cooperativa também foi beneficiada com recurso direto para compra de equipamentos e de tecnologia.

Entre outras melhorias, os cooperados conseguiram comprar uma prensa própria dotada com tecnologia de ponta, o caminhão particular para a coleta dos resíduos no município e um galpão mais espaçoso. Além disso, também equiparam um escritório com computador, impressora, mesas e cadeiras. “Antes eu me sentia diferente das outras pessoas, me sentia inferior, envergonhada. As pessoas vinham falar comigo e eu não queria falar, não gostava de falar o que eu fazia. Hoje eu tenho prazer de falar do meu trabalho. Vejo como uma empresa normal, que eu amo. E não é pelo dinheiro. Eu trabalho com isso porque eu amo, porque faz bem para a cidade, para a sociedade”, afirma.

Veja também:  Podemos realiza encontro municipal neste sábado (7) em Canaã dos Carajás

As melhorias refletem nos resultados. A Coolettar multiplicou o faturamento. Depois do programa, a cooperativa registrou o aumento de 209% na quantidade de material comercializado, e também o crescimento de 83% no número de cooperados.  O resultado disso é o  aumento expressivo de 400% na renda e no faturamento do negócio.

A casa própria de Valéria está garantida, e o sítio também, onde passa os fins de semana. Tudo graças ao trabalho sustentável, à união dos profissionais por meio do cooperativismo, à autonomia do grupo e ao senso de empreendedorismo que ela traz consigo desde os tempos do lixão.

Acesse vale.com/ladoalado para conhecer mais esta história.

COMENTE VIA FACEBOOK

Deixe uma resposta