Em agosto, a Silver Wheaton e a mineradora Vale entraram em seu terceiro acordo sobre o projeto de cobre Salobo, em Marabá. A Vale assinou com a Silver Wheaton acordo adicional de 25% do fluxo de ouro na mina de Salobo. A companhia informou que fechou com a canadense aditivo ao contrato original, que é de 2013, para vender essa fatia adicional do prêmio dos fluxos de ouro pagável contido no concentrado de cobre produzido na mina do Pará durante sua vida útil, alcançando 75%.

Segundo a empresa, as vendas de ouro do projeto Salobo, de fato, levaram a Silver Wheaton a registrar um recorde de produção de ouro trimestral no mês passado e um aumento de 20% no dividendo.

A canadense Silver Wheaton produziu mais de 130.000 onças de ouro no primeiro semestre de 2016, substancialmente mais do que o primeiro semestre de 2015 em 103.700 onças e quase o dobro da primeira metade de 2014 produção de 66.600 onças. Além disso, as vendas de ouro estavam em um segundo nível consecutivo recorde no trimestre em mais de 70.000 onças, impulsionado por vendas de ouro recorde em Salobo.

A canadense afirma que o Salobo foi mais uma vez o maior ativo no trimestre, gerando vendas de ouro recorde para a empresa. Dado o seu desempenho contínuo desde que adquirido o primeiro fluxo em 2013, não deve ser surpresa que a Silver Wheaton aproveitou a oportunidade para comprar mais 25% do fluxo de ouro da mina de Salobo.

A canadense deve dialogar com a Vale sobre outra expansão em Salobo III, segundo a Silver Wheaton, espera ver planos firmes implementados nos próximos dois anos.