Parauapebas recebe ação contra o zika vírus

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Ação contou com a presença do ministro dos Portos, Helder Barbalho 

O ministro da Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP), Helder Barbalho, participou nesta sexta-feira (19), em Parauapebas, do Dia Nacional de Mobilização da Educação contra o Zika, deslanchado pelo Ministério da Educação (MEC) em 115 cidades consideradas prioritárias no combate ao mosquito Aedes Aegypti.

O ministro conclamou a comunidade a se empenhar no combate ao mosquito, fazendo apelo em especial aos estudantes, lideranças políticas e comunitárias a fortalecer essa corrente no que ele disse ser uma guerra contra o mosquito, que transmite doenças como a dengue, Zika vírus e febre Chykungunia.

A iniciativa do Governo Federal, que tem o slogan “Um mosquito não é mais forte que um País inteiro”, tem como meta alertar professores, alunos e funcionários das escolas para a necessidade de combater ao Aedes. Além da presidente Dilma Roussef, 27 ministros percorreram o País fazendo o lançamento da campanha.

Helder Barbalho chegou a Parauapebas por volta das 14 horas, em um jato da Força Aérea Brasileira, e foi recebido no Aeroporto de Carajás por diversas lideranças políticas, entre elas o deputado estadual, João Chamon, e o prefeito de Curionópolis, Wenderson Chamon, o Chamonzinho, ambos do PMDB. Do aeroporto ele seguiu direto para o campus da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), onde fez o lançamento da campanha.

A diretora do Campus Ufra em Parauapebas, Kaliandra Souza Alves, falou das ações que estão sendo desenvolvidas junto à classe acadêmica. O pró-reitor de Extensão da universidade, Djacy Ribeiro, apresentou o projeto da instituição de ensino, que é baseado no do Governo Federal, a ser desencadeado, provavelmente no próximo dia 26, com informações alertando sobre os perigos das doenças transmitidas pelo Aedes, como a Zika, e envolver a comunidade no combate ao inseto, que tem boa parte dos focos dentro das próprias residências.

A secretária de Educação de Parauapebas, Leila Lobato, também falou que o município vai engajar os professores em campanhas educativas junto aos estudantes no combate ao mosquito, com o Dia D acontecendo no próximo dia 26.  Ela reforçou ainda que já neste sábado (20), durante reunião de pais nas escolas, o assunto já vai ser abordado.

Representando a presidente Dilma Roussef, Helder Barbalho, disse que hoje o País está em guerra contra o Ades Aegypti. E nessa batalha, a educação é uma das estratégias mais eficientes para tentar derrotar esse inimigo, que está fazendo vítimas em diversos países.

“A educação é a única rede que pode chegar em todas as cidades do País. Nós esperamos que a somatória de professores e alunos nessa guerra seja fundamental para que possamos reduzir a infestação do mosquito e, consequentemente, frear o avanço veloz do Zika vírus, que hoje é uma preocupação mundial, por causar microcefalias em bebês”, frisou o ministro.

Helder observou que essa é uma situação tão grave que fez o papa Francisco, líder da Igreja Católica, se posicionar favorável ao método anticonceptivo nesse momento de pandemia de Zika. “Para se ter uma ideia da dimensão do problema, é tão grave que fez a Igreja Católica, contrária a métodos de contracepção, abrir um precedente nesse momento que o Zika faz vítimas em todo mundo. Essa é uma luta de todo o país. É uma responsabilidade do ente público, mas também de cada cidadão”, afirmou.

Vacina

Helder lembrou que o governo brasileiro em parceria com os Estados Unidos está desenvolvendo no Instituto Evandro Chagas, no Pará, uma vacina contra a dengue. “Mas isso ainda demora pelo menos um ano”, frisou. “Por isso a mobilização de todos no combate ao mosquito é importante. É por isso estamos aqui, em Parauapebas, fazendo esse apelo para todos, sem distinção, ser soldado nessa batalha”.

Segundo o ministro, todos, além de manter limpos seu quintal e casa, também deve estar vigilante com vizinhos e o próprio poder público, denunciando se houver nas ruas, quintais ou terrenos baldios objetos que possam servir de criatório para o mosquito. Ele afirmou que dois terços dos criadouros do Aedes aegypti são registrados nas residências e, por isso, é importante que as famílias se engajem na eliminação nos focos do mosquito. Ele observou também que pneus, garrafas e vasos de planta são criatórios em potencial do mosquito.

Mutirão

Desde o início desta semana, militares das Forças Armadas e agentes de saúde vêm fazendo um mutirão para eliminar focos do mosquito em 270 municípios do País. A meta do Governo Federal é visitar cerca de 190 mil escolas pelo País para conscientizar os estudantes sobre como combater o mosquito transmissor do vírus da Zika.

Só este ano, até o dia 23 de janeiro, foram notificados 73.872 casos de dengue no Brasil. No mesmo período no ano passado, foram 49.857 casos, aumento de 48%. A situação é ainda mais preocupante quando se leva em conta que 2015 já foi recordista em casos de dengue: 1,6 milhão de casos no ano todo, maior número desde que começaram os registros, em 1990.

O vírus da Zika, que passou a ter transmissão local no Brasil em abril de 2015, já existe em 22 unidades da federação. A preocupação maior, no caso desse vírus, é a associação com o aumento de casos de microcefalia no País. Segundo boletim divulgado sexta (19) pelo Ministério da Saúde, já existem 5.079 notificações de suspeita de microcefalia no Brasil.

Pará precisa se mobilizar no combate ao mosquito

Foi o que declarou o deputado estadual João Chamon (PMDB). Segundo ele, as ações do Governo Federal precisam também encontrar eco nos Estados para ser mais eficientes. Para Chamon, o Governo do Pará ainda age de forma tímida em face ao crescimento acentuado dos casos de dengue, Zika e Chikungunya. “O Governo do Estado costuma ter um discurso que o Pará está as mil maravilhas. A realidade, no entanto, é diferente. Temos índices preocupantes na saúde e também na educação”, enfatizou.

Ainda de acordo com o deputado, hoje todos estão vulneráveis ao mosquito e é preciso ações sérias como está fazendo o Governo Federal, para dar combate ao inseto. “Nós, da Assembleia Legislativa, estamos tomando as nossas providências, debatendo o assunto e cobrando do governo que se engaje a campanha nacional, para que o Pará possa se prevenir contra as doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti, como é caso do Zika Vírus, que preocupa a todos nós”, ressaltou.

O deputado alerta que existem municípios onde a presença do Estado na área de saúde é praticamente nenhuma. “Essas populações estão ainda mais vulneráveis e é preciso que hoje haja uma força tarefa para enfrentar essa situação”, destacou João Chamon, elogiando o empenho do ministro Helder Barbalho nessa campanha.

“Ele é hoje a maior liderança que o Pará tem e muito nos orgulha que esteja neste momento representando a presidente Dilma nessa campanha contra o Zika, que é um vírus que preocupa a todos nós”.

f_Mesa

(Tina Santos CT – Online)



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas