Jatene continuará aprofundando as diferenças regionais no Pará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Coluna do Branco

O discurso da integração regional propagado pelo governador Simão Jatene não durou nem um mês após o processo eleitoral que o reelegeu, tornando-o o primeiro governador eleito por três vezes ao Palácio dos Despachos. Na campanha eleitoral, Jatene prometeu descentralizar a máquina estadual, através da ida de instituições de governo e aumento dos investimentos nas regiões paraenses mais afastadas da capital. O governador disse que construirá dois centros administrativos, um em Marabá e outro em Santarém, contemplando as regiões sul/sudeste e oeste paraense respectivamente.

Uma semana após ser reeleito, Jatene concedeu entrevista ao jornal O Liberal, deixando claro na ocasião que a sua prioridade seria diminuir das diferenças regionais existente no Pará. O discurso falacioso durou pouco. Menos de um mês. A máscara do governador caiu quando a Lei Orçamentária do executivo para 2015 foi enviado à Alepa. O montante orçamentário chega a R$ 16,3 bilhões.

Em comparação a peça orçamentária enviada ao Legislativo em 2014, o governo tucano duplicou os investimentos para a RMB (Região Metropolitana de Belém) e diminuiu consideravelmente os repasses para as regiões sul, sudeste e oeste paraense. Ou seja, na prática, indo de encontro com o discurso e promessa feitos na campanha eleitoral.

Em 2014, por exemplo, a título comparativo, teve R$ 5,9 bilhões em recursos do tesouro estadual e passará a ter em 2015 R$ 11,7 bilhões. Aumento de 96% em 12 meses. Pouco mais de 70% de todo o orçamento estadual será investido na capital Belém e seus outros cinco municípios que formam a RMB. Já para a região de Carajás (centro econômico do Pará) teve o orçamento reduzido em mais da metade em comparação com o ano passado. Carajás tinha orçamento na ordem de R$ 1 bilhão e vai passar a ter apenas R$ 438,2 milhões. A região que mantém porcentagem considerável na balança comercial paraense, teve corte de mais de 50% nos investimentos. Ou seja, menos presença do Estado, mais desigualdade regional.

Já o oeste paraense, a região do Tapajós, teve orçamento reduzido também. Contava em porcentagem com 1,42% em 2014 e teve redução para 0,66% em 2015. Novamente menos Estado. Coincidentemente os locais ou regiões em que o governador reeleito perdeu nas urnas, houve diminuição de investimentos. A RMB que, eleitoralmente, garantiu a reeleição, o terceiro mandato, o segundo consecutivo, teve orçamento dobrado. Seria uma resposta de Jatene ao processo eleitoral?

As regiões que tiveram cortes em seu orçamento, reúnem pouca força política na Alepa para tentar mudar a peça orçamentária enviada pelo executivo. Sendo assim, o discurso de descentralização administrativa e aumento de investimentos em outras regiões paraense não passou de pura balela. Mais um teatro armado pelo governador Jatene.

Como escrevi recentemente, em 2018 o PSDB completará 20 anos no Palácio dos Despachos, 16 consecutivos. Nessas duas décadas as assimetrias regionais no Pará não foram diminuídas. O plebiscito em 2011 aprofundou essas diferenças. Mostrou um Pará dividido, a capital cada vez mais distante dos novos centros econômicos que surgiram e hoje ditam o ritmo da economia paraense. Jatene tinha em suas mãos a possibilidade de mudar, ou pelo menos, amenizar as diferenças regionais, começando com a reestruturação do orçamento do Estado, aumentando os recursos para algumas regiões e mantendo os índices do ano anterior para outras. Teria a possibilidade de atacar um dos maiores problemas do estado do Pará: a centralização administrativa. Fez justamente o contrário.

Os seus “possíveis” futuros centros de governos, se saírem do papel, terão orçamentos pífios para administrar. Ou seja, já morreram antes mesmo de nascerem. O sudeste, sul e oeste paraense foram penalizados por discordarem da forma como o governador Jatene administra o Pará. No fim, estavam certos. A RMB continuará a ser um castelo rodeado de muros, cada vez mais distante dos novos centros econômicos desse continental estado chamado Pará.

 12006182_1468572010139284_2965935745697830044_nProf. Henrique BRANCO – Licenciado em geografia com pós-graduação a nível de especialização em Geografia da Amazônia – Sociedade e gestão de recursos naturais. Professor que atua nas redes de ensino público e particular de Parauapebas. Assina diariamente o “Blog do Branco”www.henriquembranco.blogspot.com além de jornal e sites da referida cidade.

As opiniões expressadas em Colunas e Artigos não refletem necessariamente a opinião do Portal Canaã. Todo conteúdo é de inteira responsabilidade de seus autores.

 

 

 



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas