Pedral do Loureço: Um longo caminho a ser percorrido

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Assinatura da ordem de serviço 16 junho 2016
Pedral do Lourenço: 16 fevereiro 2016
Abertura da propostas do edital de licitação lançado em outubro do ano passado pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. O valor global é de R$ 560.650.363,14, e houve variação de pouco mais de R$ 40 milhões entre a maior e a menor proposta.

A obra será tocada pela DTA engenharia com o valor de R$ 520 milhões, com 7% de desconto em relação ao valor orçado do projeto .

Pará aguarda há muito tempo, o cumprimento da promessa do governo federal de eliminar um dos obstáculos a serem vencidos a fim de que as eclusas de Tucuruí, inauguradas há mais de cinco anos, a um custo de R$1,6 bilhão, permitam a navegação, pelo menos nesse estirão da hidrovia Tocantins/Araguaia, que atravessa cinco Estados e tem caráter de integração nacional.

Durante mais de três décadas, o Pará lutou para que o Sistema de Transposição de Tucuruí – com duas eclusas, ligadas por um canal intermediário com 5,5 Km de extensão – restabelecesse a navegabilidade no rio Tocantins, interrompida pela construção da usina hidrelétrica, que criou um desnível de 74 metros no rio.

A obra finalmente foi inaugurada, no final de 2010. Um ano depois, a outorga de uso das águas para o funcionamento das eclusas – as maiores do Brasil – foi feita pela ANA (Agência Nacional de Águas), mas até hoje não é possível o tráfego regular de comboios, isto porque o projeto de derrocamento do Pedral do Lourenço (eliminação do conjunto de pedras para aumentar o calado), já com licença ambiental expedida, recursos garantidos no Orçamento Geral da União e em fase de licitação, na época foi retirado do PAC, o dinheiro destinado a outra finalidade e até o processo licitatório suspenso, com grande apreensão quanto ao risco de falências de empreendimentos e o consequente desemprego dos trabalhadores paraenses.

Diante da situação, a siderúrgica da Cervital Vale projetada em Marabá, e o polo metalomecânico permanecem em fase de assinatura de protocolos , grupos de trabalhos e estudos, alimentando sonho e reivindicação do setor produtivo principalmente da ACIM incansável está luta .

O rio Tocantins apresenta leito rochoso com inúmeros afloramentos, o Pedral do Lourenço é um desses maiores entraves à navegação. Em trechos críticos, em decorrência da velocidade da água, das rochas e bancos de areias, há a redução da profundidade e da largura, restringindo drasticamente o tráfego de barcos e balsas em épocas de vazante.

Em uma extensão de 43 Km, no período seco – de agosto a janeiro – só pequenas embarcações podem navegar no local, entre a Ilha do Bogéa, no Km 350, e a Vila de Santa Terezinha do Taurí, no Km 393 do rio Tocantins.

A execução de derrocamento garantirá o tráfego contínuo de comboios durante todo o ano, mesmo com a ocorrência de grandes variações de níveis de água.

Desde 2010 o projeto de derrocamento do Pedral do Lourenço estava pronto, licenciado, licitado e com orçamento garantido no PAC.

De repente, o dinheiro foi realocado, a licitação denunciada, a licença caiu e o projeto sofreu readequação. Seis anos depois, esgotados todos os pretextos, nenhum avanço.

E depois de ter marcado e remarcado várias vezes a licitação da obra, inclusive assegurado que seria feita licitação em regime diferenciado, a fim de agilizar o processo, o governo federal lançou o edital do EVTEA de toda a hidrovia Tocantins-Araguaia, porque descobriu a pólvora: é preciso obter a licença ambiental.

A construção da hidrovia, que compreende derrocamento, balizamento, sinalização e dragagem do rio Tocantins, vai ampliar as condições logísticas da região, permitir o uso múltiplo das águas, gerar pequenos negócios ao longo de todo o seu traçado e com isso emprego e distribuição de renda, contribuindo para melhorar a cadeia produtiva e induzir o desenvolvimento do Estado.

Mais importante, ainda, a Tocantins/Araguaia vai impactar todo o País pela solução no barateamento do frete, tornando competitivos os produtos nacionais no mercado internacional.

Após o fiasco de 2010, o governo federal assumiu o compromisso de executar a obra e de licitá-la em 2013, revalidando a licença ambiental anteriormente concedida, e marcou até a data para o lançamento do edital de licitação, o dia 20 de dezembro de 2013, depois adiado para o dia 20 de janeiro de 2014, novamente descumprido. Entretanto, para perplexidade geral, foi lançada no dia 27 de novembro a Concorrência nº 003/2013, não para execução da obra, mas de consultoria para estudos de viabilidade técnico-econômica e ambiental – EVTEA e elaboração dos projetos básico e executivo de engenharia de sinalização de margem, balizamento, dragagem e derrocamento da hidrovia Tocantins-Araguaia.

Para ferir ainda mais os brios paraenses, a licitação foi lançada pela Codomar – Companhia Docas do Maranhão, e não pela CDP- Companhia Docas do Pará, mesmo sendo o objeto localizado inteiramente em território paraense.

Desfazer a histórica distorção da matriz de transportes brasileira que privilegia o rodoviarismo em detrimento do aproveitamento do imenso potencial hidroviário, principalmente em plena bacia amazônica, é outro desafio que se impõe.

A aassinatura da ordem de serviço, hoje, só significa o início de um longo caminho. Deverão, além dos estudos de impactos ambientais, ser realizadas audiências públicas, tantas quantas consideradas necessárias para esclarecimento da população interessada e aprovação do projeto executivo da obra que pelo andar a carruagem ainda vai dar mito pano para manga devido âmbito escolhas do consórcio vencedor e os questionamentos de competência técnicoo – financeiros de seus atores.

E o governo federal, evidentemente, não pode ignora esses percalços.

Ao contrário, talvez justamente conte com eles para ter um pretexto a mais a explicar outro futuro atraso e mais uma promessa descumprida.

A obra, de importância fundamental para o desenvolvimento socioeconômico do Pará, vem sendo postergada há anos, e a decisão é eminentemente política.

A demora já causou perdas incalculáveis para a sociedade paraense principalmente da região sul e sudeste .

WJN

Deixe uma resposta

+ Sobre