Empresa de São Paulo vence licitação para derrocamento do Pedral do Lourenço

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn

DNIT analisa documentação da empresa que fez a melhor entre as 5 propostas com expectativa de assinar contrato até o final de março

A Coordenação Geral de Cadastro e Licitação do DNIT concluiu nesta terça-feira (16) a primeira fase da concorrência pública para o derrocamento do Pedral do Lourenço na Hidrovia do Tocantins no estado do Pará.  O edital 449/2015 é um pregão eletrônico na modalidade RDCi (Regime Diferenciado de contratação Integrada). A contratação integrada prevê, neste caso, a elaboração dos projetos básico e executivo, de todas as ações ambientais e a execução das obras em um prazo total de 58 meses.

Cinco empresas se cadastraram e apresentaram suas propostas, com base no investimento estimando pelo DNIT que era da ordem de R$ 560,6 milhões. Esta fase terminou com a empresa DTA Engenharia LTDA, em primeiro lugar, com a proposta de R$ 520.6 milhões. A oferta significa uma economia de R$ 40 milhões para o Governo Federal, reduzindo em 7,15% a previsão para execução da obra.  A segunda colocada fez a proposta de R$ 548 milhões. Na próxima fase a equipe de licitação fará análise detalhada das propostas e de toda a documentação da empresa vencedora. Confirmado o resultado, o edital prevê prazo de 15 dias para possíveis recursos.O Portal Canaã tentou contato com a DTA, mas não foi atendido.

O Ministro Helder Barbalho da Secretaria de Portos e o senador Paulo Rocha acompanharam a sessão do pregão eletrônico juntamente com o Diretor Geral do DNIT Valter Casimiro. Segundo o Diretor, a expectativa da Autarquia é possibilitar a assinatura do contrato até o final do próximo mês.

O Pedral tem 43 quilômetros de extensão e está localizado entre a Ilha do Bogéa e o município de Santa Terezinha do Tauri, no Pará. A obra vai viabilizar o tráfego contínuo de embarcações e comboios em um trecho de 500 quilômetros, desde Marabá até Vila do Conde.  A intervenção consiste em desgastar os pedrais que impedem a navegação de comboios de carga durante os meses de setembro a novembro, período em que o rio fica mais raso.  O derrocamento consiste em abrir um canal navegável de cerca de 140 metros de largura naquele trecho.

Aumentar a navegabilidade da hidrovia do Tocantins vai facilitar o escoamento da produção agrícola, pecuária e mineral do Pará, do Maranhão, do Tocantins, de Goiás e de Mato Grosso, que tem o Porto de Vila do Conde/PA e a região do baixo Amazonas como destino. O porto tem posição privilegiada em relação ao mercado europeu e norte-americano, e a rota tem uma capacidade operacional estimada em 20 milhões de toneladas para o ano de 2025.

O empreendimento representa mais um passo em direção à mudança na matriz de transportes brasileira. Um comboio de 150m de comprimento, com capacidade de 6 mil toneladas, equivale a 172 carretas de 35t de capacidade, mas hoje apenas 5% da carga no país é transportada por hidrovias. O transporte aquaviário é mais econômico e sustentável, porque reduz custos e diminui a emissão de poluentes ao retirar as carretas das rodovias. Isso aumenta a competitividade do produto brasileiro no exterior.

2f98ba6518515f5f1dcdb64fea7fc79c
Fonte:DNIT

 

Equipe de Redação do Portal Canaã

Deixe uma resposta

+ Sobre