Projeto de construção de ferrovia no Pará é aprovado

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O projeto de construção da Ferrovia Paraense (Fepasa) foi aprovado em 7 de junho pelo secretário-executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Presidência da República, Wellington Moreira Franco. A ferrovia terá capacidade para transportar 100 milhões de toneladas de minério e 20 milhões de toneladas de grão por ano. O projeto conta com a Pavan Engenharia e a Engenharia Projeto Consultoria (EPC).

Com 1.536 quilômetros, a ferrovia ligará áreas de extração de minerais e de produção agrícola a um porto a ser construído no município de Colares, ao norte de Belém, passando pelo porto de Vila do Conde, em Barcarena (PA).

Franco, que manifestou o apoio integral ao projeto, afirmou que também vai reunir investidores, eliminando a última barreira e risco do projeto, que impedia a tomada de decisão dos interessados e dependentes para a criação da ferrovia, que está sendo comparada a uma nova Estrada de Ferro de Carajás.

“Vamos terminar o PMI [Procedimento de Manifestação de Interesse] que está sendo executado pela Pavan Engenharia e Participações com o auxílio da empresa EPC [Engenharia Projeto Consultoria], para ser entregue em 60 dias, bem como preparar imediatamente uma apresentação aos investidores”, disse o engenheiro e presidente da empresa, Renato Casali Pavan.

Segundo Pavan, a Fepasa é um dos poucos projetos de infraestrutura viáveis de execução a curto prazo no Brasil. Ela será a mais moderna ferrovia do Brasil e do mundo.

De acordo com Eliezer Batista, parceiro da Pavan no projeto, a ferrovia é “uma nova Carajás”. O próximo passo, segundo ele, é a licitação, cujo edital deverá ser publicado em setembro.

Para garantir a exportação e importação, a Pavan conta com um parceiro paraense, que está desenvolvendo o Porto de Brasil Norte, instalado ao lado de um condomínio industrial portuário, em Colares, no Estado, com 36 metros de profundidade e uma área de 20 milhões de metros quadrados.

“Será um porto privativo constante de dois berços para operar navios capesize de 175.000 toneladas de carga líquida, cujo custo do frete para a Ásia é de US$ 15/ton, enquanto um navio Panamax custa US$ 30/ton”, disse Pavan.

O executivo afirmou que o porto terá ainda 10 terminais com 10 berços de atracação, para contêiner, grãos, fertilizante, carne frigorificada, coque, minério de ferro, bauxita, manganês, carga geral. Todos Terminais são de Uso Privativo (TUP). Esse Complexo Logístico está situado no município de Abaetetuba (PA).

A Pavan participará do painel “Transporte ferroviário de carga no Brasil”, na 22ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, que será realizada pela Associação dos Engenheiros e Arquitetos de Metrô (AEAMESP), de 13 a 16 de setembro de 2016, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo (SP). Ele abordará os estudos que estão sendo feitos para a implantação da Fepasa. Com informações da assessoria de imprensa do evento.(NMB)

Deixe uma resposta

Leia mais