O Analfabeto Político

Luta pelo poder ! Uma guerra sem fim ..
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Desde os tempos de estudante na UFMG aluno da escola de engenharia ( 1977 – 1982 ) lá na Rua Guaicurus com Espirito Santo no centro de Belo Horizonte participei e acompanho as manifesta de esquerda e de direita na politica contemporânea brasileira .

Participei ativamente dos movimentos de luta pela democracia e dos movimentos estudantis da época onde onde destacava as frentes de batalha centelha , liberdade e luta cultivei várias amizades que preservo até hoje .

Uns seguiram para esquerda e outros foram beber na fonte da direita.

E ambas tendências passaram a conviver com meu pensamento político.

Esquerda e direita !

Representam duas posições relativas que são os dois lados do observador a partir do centro. Esquerda é o lado oposto à direita e, por exclusão, a direita é o lado oposto à esquerda. Serve, portanto, de orientação, e é determinado a partir da parte frontal do observador. …

O par de opostos Direita e Esquerda suscitou e ainda suscita os principais debates ideológicos e políticos contemporâneos de minha vida .

A polaridade ideológica entre “direita” e “esquerda” remonto ao contexto da Revolução Francesa e ainda hoje costuma dividir o debate político.

Desde o turbulento evento denominado Revolução Francesa (1789-1815), o qual, de acordo com alguns historiadores, inaugurou aIdade Contemporânea, os conceitos dedireita e esquerda fazem-se presentes nos debates políticos e ideológicos, sobretudo no mundo ocidental.

Neste texto, procuraremos explicitar a relação desses conceitos com a ambiência revolucionária da França, bem como a identificação que um e outro passaram a ter, a posteriori, com as posições políticas conservadoras e/ou liberais (direita) e progressistas e/ou revolucionárias.

Durante o processo revolucionário começado em 1789, na França, os Girondinos, considerados mais moderados e conciliadores, ocupavam o lado direito da Assembleia, enquanto os Jacobinos, mais radicias e exaltados, ocupavam o lado esquerdo. Essa é a origem da nomenclatura política que categoriza os posicionamentos políticos no interior dos sistemas políticos contemporâneos.

Contudo, essa polarização tem suscitado inúmeros problemas e demasiadas polêmicas, sobretudo porque, a partir do século XIX, houve uma radicalização ideológica tanto de um lado quanto do outro. O desenvolvimento das ideias de autores considerados de direita, como Donoso Cortez e Charles Maurras, bem como o daqueles considerados de esquerda,como Karl Marx e Bakunin, entre outros, estimulou gerações de intelectuais, movimentos políticos e ativistas que levaram às últimas consequências a crença em sua ideologia.

Em geral, ambos os seguimentos ideológicos, seja de direita ou de esquerda, quando chegam à sua forma extrema, desenvolvem perspectivas idealizadoras com vistas à “transformação do mundo”.

Essa perspectiva utópica tem seus fundamentos, tanto na direita quanto na esquerda, na secularização das expectativas apocalípticas cristãs, que, no sentido original, tinham por meta aguardar a segunda vinda de Cristo e o juízo final.

Com o advento do mundo moderno, tais expectativas transferiram-se para o domínio terreno e, grosso modo, para a ação política e seu principal agente de transformação, o Estado.

Os ideólogos de esquerda pretendem aperfeiçoar o mundo por meio de políticas que instaurem a justiça social, ou o igualitarismo, ou a socialização dos meios de produção econômica, ou qualquer outra ação que remeta à ideia de igualdade. Já os ideólogos de direita pretendem perfectibilizar o mundo a partir de uma perspectiva idealizada do passado e da tradição, de valores nacionais ou religiosos. Cada qual dos lados, em diversos momentos da história (sobretudo no século XX), empenhou-se até a barbárie para fazer valer sua visão ideológica de mundo.

Contudo, essa divisão pode limitar a compreensão de perspectivas mais complexas sobre a política. Geralmente, a alcunha “direitista” é aplicada sem muita acuidade crítica ao pensamento conservador.Do mesmo modo, a alcunha de “esquerdista” é aplicada às reflexões e propostasprogressistas. E ambos, conservadores e progressistas, não raro, associam-se comliberais.

É o caso, por exemplo, de quem defende ideias progressistas, como o aborto, políticas de cotas etc., mas defende a liberdade econômica, isto é, livre mercado, livre concorrência etc.; ou, ao contrário, quem defende política antiaborto, política contra as cotas e contra programas sociais fomentados pelo Estado, mas também se ajusta, igualmente, à prática do liberalismo econômico. Do ponto de vista político e ideológico, progressistas e conservadores divergem, mas concordam, por vezes, quanto à economia. Vê-se, então, que o problema é mais complexo do que se imagina.

As raízes do pensamento conservador e progressista remontam ao século XVIII, especificamente às figuras de Edmund Burkee Jean-Jacques Rousseau, respectivamente.

O primeiro é uma das principais fontes do pensamento conservador contemporâneo, e o segundo, do pensamento progressista, que se bifurca em liberais moderados, reformistas e revolucionários.

As décadas de 70 , 80 e 90

Era tempos de luta por um país mais justo e igualitário que passava por momentos difíceis em sua economia e tínhamos acabado de ir ao FMI no início da década de 80 para honrar nossos compromisso com os credores externos chegamos no fundo do poço e pagamos caro por isto , o milagre da era militar chegava ao fim .

O país estava em uma letargia socioeconomica vivíamos em uma ditadura e o crescimento da década anterior já tinha se esvairido o desemprego era grande as grandes obras não mais existiam ou tinha parado por falta de credito cito a ferrovia do aço uma obra de 1000 dias que só foi terminada 12 anos depois .
Tínhamos duas opções pós formados ir para Iraque pela Mendes Júnior ou esperar a implantação de carajas em início de sua operação.

Anos difíceis no cenário econômico mas de grande efervescência política.
Início da abertura política
Retorno dos exilado
Emenda Dante de Oliveira
Governadores eleitos pelo voto popular
Episódio da Araguaia
Redemocratização do pais .

E avaliando de la para cá a divisão dos pensamentos ideológicos em lados opostos marcando os regimes comunista e fascista como de extrema esquerda e de extrema direita e colocando a democracia no centro das discussões vejo que nada mudou e continuamos do mesmo jeito .

Tudo continua como antes no quarte de Abrantes.

O que faz com que os extremos se tornem parecidos nassua altitude e comportanto ?

Na extrema esquerda , no comunismo o Estado está no centro de tudo.

No fascismo a extrema direita há veneração ao Estado.

No comunismo há um líder abençoado. No fascismo o líder é o pai da nação.

Não há democracia em ambos os regimes. As liberdades são limitadas, quando existem e sempte em estsdo relattivo.

No campo econômico, inicialmente, os comunistas admitiam tudo sob o controle do Estado, mas passaram a considerar a economia mista.

Os fascistas adotavam a economia mista.

O que torna então comunistas e fascistas diferentes?

Hoje em dia absolutamente nada. São iguais, igualmente cegos às verdadeiras necessidades do povo; são iguais, igualmente sedentos de Poder para si com o objetivo de governar a vida dos outros desrespeitando o livre arbítrio, as liberdades individuais e alegando que tudo se faz em nome do bem coletivo.
Mantem este discurso com pano de fundo .

O PT, Lula e Dilma teoricamente de esquerda agem como fascistas, mencionou outro dia um amigo.

Há desrespeito ao povo.
Menosprezam a inteligência do povo .

Tratar a sociedade como um grupo de idiotas repetindo palavras de ordem tentando fazer com que suas mentiras se tornem verdades pela repetição é uma ofensa ao cérebro humano.

É uma ofensa a todos os brasileiros .

O brasileiro está desejoso de Liberdade. Saimos de um governo totalitário militar, passamos por uma fase embrionária de democracia e agora vivemos a farsa petista.

O brasileiro quer ser respeitado.

Quer que seu dinheiro, hoje sugado em forma de inúmeros tributos pelo Estado, seja bem utilizado e lhe retorne em forma de serviços de qualidade serviços publicos de qualidade , como educação , saúde e saneamento basico que ajude os menos necessitados a se tornarem cidadãos de respeito, permitindo-lhes emprego honesto e capacidade de ascender socialmente por seu esforço, por seu mérito.

Ao mesmo tempo quer ser menos explorado e pagar menos impostos, quer testemunhar o Poder Judiciário isento e verdadeiramente justo, que saber que a polícia não é corrupta, quer ver as cidades com serviços de excelência nos transportes eficiente.

O brasileiro quer ter o direito de ganhar o seu dinheiro e de fazer dele o que desejar.

De poupar, de gastar com estudos, viagens, paseio na praia. O brasileiro quer ter o direito de ascender socialmente por seu esforço.

O brasileiro quer que programas sociais sejam implementados sempre e quando ajudem as pessoas a se libertarem de condições degradantes e miseria , que lhes permitam seguir adiante com suas próprias pernas.

O brasileiro quer que a Liberdade, a livre iniciativa e as ações dos empreendedores sejam valorisados.

O brasileiro quer a vida em equilíbrio.

O brasileiro quer seguir em frente sem ir para esquerda ou direita avancarem nos seus projetos de vida e tranqüilidade para criar seus filhos e realizarem seus sonhos .

Vamos devolver o Poder ao Povo brasileiro .

Chega de coxinha x petralhas são todos farinha de mesmos saco .

WJN

Deixe uma resposta

+ Sobre