Unifesspa oferta simultaneamente curso básico e intermediário de Libras

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) oferta a quarta turma do curso básico, com 30 alunos e a segunda do curso de nível intermediário sobre a Língua Brasileira de Sinais (Libras), com 26 alunos. Os dois cursos (básico e intermediário) possuem uma carga horária de 60h respectivamente e tem previsão de término em dezembro de 2019.

O curso básico é ministrado pela intérprete de Libras Andreza Reuter que é formada em Letras – Libras e Língua Portuguesa para surdos. As aulas acontecem sempre às quartas-feiras, pela manhã, na Unidade II, na Folha 17. Já o curso de nível intermediário é ministrado pela intérprete de Libras Misserlani Moreira que é formada em Pedagogia com especialização em Tradução e Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (Libras). É pós-graduada em Psicopedagogia. O curso é realizado nas tardes de terças e quintas-feiras, na Unidade I, na Folha 31.

“O edital previa 15 vagas para comunidade externa e este é um dos nossos públicos-alvo, pois saber Libras contribui muito na hora de receber alunos surdos em sala de aula. O curso abarca ainda alunos de licenciatura e bacharelado, além de técnicos da universidade que também estudam conosco”, salientou Andreza Reuter.

“Não é minha primeira turma de nível básico, porém é sempre muito prazeroso ver o quanto a Libras e a cultura surda é um mundo novo para quem chega no curso e eles vão aos poucos descobrindo mais e mais sobre esse universo. Gosto muito de ver alunos que chegam no primeiro dia sem saber nada de Libras e ao longo das demais aulas têm um desenvolvimento esplêndido”, completou a intérprete que ministra aula no curso básico.

Para a intérprete de Libras Misserlani Moreira a inclusão só vai acontecer de fato, quando as pessoas começarem a aprender Libras, pois é um direto do surdo essa interação com as outras pessoas nos mais diferentes espaços – no trabalho, na escola, no lazer, na igreja e nos demais círculos sociais.

“O curso de nível intermediário não vai fazer ninguém um intérprete de Libras, tendo em vista que há uma formação especifica para isso, mas vai permitir que os(as) alunos(as) tenham um diálogo melhor com os surdos, com mais segurança. Com o curso, eles já estão entendendo que é um direito do surdo ter essa comunicação garantida com outras pessoas, já que é a segunda língua oficial do nosso país”, disse.

“Para mim é uma satisfação muito grande ministrar esse curso, pois em todas temos um aprendizado diferente. Penso que, de fato, a inclusão está acontecendo em Marabá; ainda mais que temos alunos que fizeram o curso básico com a equipe de intérpretes do Naia da Unifesspa e, esses mesmos alunos, retornam para dar continuidade no aprendizado da Libras; mostrando com isso, a importância que estes cursos têm na vida e no dia a dia de cada um deles”, concluiu Misserlani Moreira.

COMENTE VIA FACEBOOK

Deixe uma resposta