TURISMO: Rota Indígena promove imersão na cultura dos índios em Parauapebas

Foto: Divulgação

Se você gosta de turismo de experiência, precisa visitar a Rota Indígena. Então aproveite esta última matéria da série sobre as rotas turísticas de Parauapebas, produzida pela Assessoria de Comunicação (Ascom) da prefeitura, e conheça os atrativos da rota e como acessá-la.

Parauapebas conta com quatro aldeias indígenas em seu território: Ôôdjá, Djudjêkô, Kateté e a Pokrô, recém-criada. Nesta rota o visitante tem a chance de fazer uma verdadeira imersão na cultura dos índios da etnia Xikrins.

A visita ocorre na aldeia Djudjêkô. Além de conhecer os costumes dos índios, o visitante também tem acesso às pinturas corporais, artesanato, bijuterias, mergulho e passeio de canoa pelo rio Cateté, que banha a terra dos Xikrins.

O passeio tem duração de dois dias, devido à distância até a aldeia, sendo necessário pernoite. O acesso é feito partindo de Parauapebas seguindo pelos municípios vizinhos, Canaã dos Carajás e Água Azul do Norte. O percurso é feito por uma estrada acessível, a distância é cerca de 360 km do centro de Parauapebas.

III JOGOS TRADICIONAIS INDÍGENAS

Quer sentir um gostinho do que é a Rota Indígena? Neste sábado, 20, às 15h, ocorrerá a abertura da terceira edição dos Jogos Tradicionais Indígenas Xikrin, que será realizado até o dia 26 desse mês, na aldeia Oôdjá, distante cerca de 230 km de Parauapebas. A entrada na aldeia é gratuita. Os visitantes devem levar sua própria alimentação e barracas, para quem deseja pernoitar no local. Já o banho será no rio Itacaiúnas.

Veja também:  Indígenas são contratados para realizarem serviços de limpeza nas aldeias em Parauapebas

Cerca de 500 atletas das aldeias Kateté, Ôôdjá, Djudjêkô e Pokrô, entre homens e mulheres, abrilhantarão a festa durante toda a semana. Os visitantes vão prestigiar jogos nas modalidades de futebol de campo, cabo de guerra, corrida de 100 e 5 mil metros, arco e flexa, arremesso de lança e outros. A programação conta também com concursos de beleza e de dança. Os munícipes e turistas podem adquirir o pacote para a Rota Indígena com as agências de viagem do município.

Texto: Dácio Souza, Rayssa Pajeú e Sara Dias | Fotos: Ascom | Assessoria de Comunicação – Ascom/PMP

COMENTE VIA FACEBOOK

Deixe uma resposta