Parauapebas: Terra de Muro Baixo II

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Dois fatos que parecem não ter ligação direta serão o destaque da semana.

Nesta segunda feira será um dia marcante terá jogo do Brasil e a pátria de chuteira bem cedo estará concentrada para este fenômeno.

E logo na terça-feira iniciaremos nosso compromisso na elaboração do seminário democratização , transparência e gestão participativa dos recursos oriundo da CFEM gestão do município de Parauapebas, e nosso programa de trabalho focado no desenvolvimento sustentável do município, findo de compensação pela exaustão mineral , obras de infraestrutura e educação.

‘ Aplicação da CFEM de forma democrática, justa e sustentável ” .

O seminário tera seu foco na criação do conselho e governança do recursos da CFEM com participação da sociedade organizada e instituições onde iremos debater a utilização e emprego destes recurso com legado para futuras gerações.

Esta discussão começará com uma agenda e planejamento, grupo de trabalho, : o propósito do seminário é democratizar e dar transparência a aplicação dos recursos da CFEM, afastando os três grandes males: o desperdios, afastando de nós a inercia e inchados da maquina pública, evitar aplicação do recurso no custeio e gastos correntes da maquina pública , o vício e a necessidade de aumento de despesas .
Desenvolver mecanismo de controle.
Direcionar os recursos para projetos , programas e processos que garantem a sustentabilidade econômica do municipio.e melhora a qualidade dr vida da população.

Fato!
Evitar que estes recursos seja usados de forma eleitoreira e desviada de seus propósitos.

Contextualização

Como contestar o filosofo Voltaire?

Mas… pensando bem, no meio do caminho tinha o ser humano, tinha o ser humano no meio do caminho.

Carlos Drummond enxergou as pedras nós contamos com as pessoas e seu potencial de trabalho. Voltaire, claro, pensou que com o trabalho driblaríamos o tédio, a inercia, péssimo conselheiro que pode nos levar a ações desnecessárias, inclusive, ao vício ou desperdício para nos livrarmos do tédio.

Quanta gente, entediada, se entrega ao vício da vaidade ou coisa pior, envolvendo-se em maus lençóis e criando necessidades distorcidas que nem o esforço vindo do trabalho pode eliminar usando e abusando do que não é seu .

E quanta gente, entediada e contrariada se entrega, a um dos vícios mais praticados no país desperdiçar aquilo que vem facil que nao teve suor e lágrimas para conquistar : resmungar e reclamar? Isso acontece, muitas vezes, quando o indivíduo escolhe uma estratégia pouco transparente e, como consequência, um proposito equivocado, do qual não justifica seus fatos . Mas mudar dá trabalho. Seguir orientação dá trabalho, seguir compromissos assumidos dá trabalho, estudar alternativas e pensar no futuro dá trabalho, se reciclar dá trabalho, pesquisar, analisar, escolher o melhor caminho então, nem se fala.

  Vale entrega drones para atuação da Polícia em  Parauapebas e Marabá

É, ser feliz ajudando e buscando o desenvolvimento do município de forma sustentável, deixar interesses pessoais de lado dá um trabalho danado não ouvir as orientações de nosso povo , sensibilizar com suas mazelas , quer agir por conta própria.

Então, pra muita gente, o melhor mesmo é ir levando aquela situação que não satisfaz mas que é o pássaro na mão, enquanto os compromissos e os projetos assumidos no plano de governo, esse sim, voam para bem longe….

Além disso, é melhor pingar do que faltar. E a corrente do mal está formada.

Esse trabalho sem transparência e objetivo claro enterra seu potencial, seus sonhos e, evidentemente, não presta um bom serviço.

Sofrem o chefe, os colegas, o consumidor desse ofício que a população . Sofre o próprio mentor deste trabalho que passa messes entregue a essa insatisfação e ao tédio de uma escolha mal feita.

Dessa forma, mesmo tendo supridas suas necessidades materiais mais imediatas, a necessidade maior – da alma, está longe de ser satisfeita.

O DESENVOLVIMENTO PASSA PELA DEMOCRATIZAÇÃO E GOVERNANÇA DOS RECURSOS DA CFEM DA PARTICIPAÇÃO E EDUCAÇÃO DAS PESSOAS!

Já viu aquele formador de opinião , no bar , na fila de onbus , no blog , na padaria que não fala, rosna? Aquele frentista que sempre deixa o combustível derramar mas reclama que a cidade esta suja , sem agua e esgoto correndo a ceu aberto ? Aquele carpinteiro, mecânico ou bombeiro que esta sem trabalho ?

E o gerente de banco que não enxerga você, só os dígitos na sua conta?

O médico que está por aqui de problemas e não tem paciência com a descrição dos sintomas de sua doença? E o advogado que salva o bolso e devolve a conta para você pagar e limpar seu nome ?

O jornalista que, de tão cansado de tanta notícia ruim fica calado , divulga uma ou outra sem a devida apuração dos fatos e apenas o que lhe interessa ?

E, o caso mais grave, o profissional da educação, que formam essa gente toda e não tem nenhum compromisso com a educação que forma pessoas, transformando a sala de aula e a escola numa fábrica de diplomas e incompetências com tutela sindical e greves sistêmicas todo ano?

  Vale entrega drones para atuação da Polícia em  Parauapebas e Marabá

TODOS AJUDAM NO DESENVOLVIMENTO!
Todas as profissões, toda mesmo tem seu papel de destaque no desenvolvimento do município, possuem profissionais competente aquele que devia estar dando sua contribuição e exercendo seu direito de cidadania.

Participação na governança dos Royalties.
Ajudando a construir um município mais justo e solidário.

Mas vamos mudar o comportamento com muita atitude , muito trabalho, vamos vencer a inercia e inercia da transparência da participação coletiva , chega de declamar , vamos ajudar , vencer a inércia de ofício, dá um trabalho danado… E esses profissionais vão empurrando as tarefas com a barriga, de olho no fim do dia, da semana, do mês, do ano, sonhando com férias ou a proxima eleições temos que mudar agora .

Dizem que quando não percebemos a solução para um grande problema é porque a solução é bem simples.

Deve ser mesmo.

Democratização
Governança
Participação

Uma constatação: de maneira geral há pouca gente querendo ter trabalho. E muita gente pedindo que o mar pegue fogo para comer peixe frito ou que o mundo acabe em barranco para morrer encostado.

SER PARTICIPATIVO E EDUCAR

Falar, não esbravejar não dá trabalho. Ficar reclamando de tudo e de todos pelas costas, não se envolver, dizer que não é problema seu, nada disso dá trabalho.

Deixar de patrulhar as pessoas respeitar opiniões da trabalho.

FAZER SEMINÁRIO , DEBATER E PARTICIPAR DÁ TRABALHO .

Já, apontar as falhas rvitar desperdios, pensar na futuras gerações , fazer certo, ser transparente, ser leal, respeitar as pessoas , discutir as malezas , propor soluções dá trabalho, ser honesto dá trabalho, ser gentil dá trabalho, agir em vez de reclamar dá muito trabalho.

Por isso, o discurso político é tão fácil quanto fugaz e, pasmem, o do cidadão eleitor também que banca uma de esperto mas na real so paga o pato..

Quantos de nós falamos, criticamos, reclamamos dos nossos políticos, mas não agimos em favor de uma verdadeira mudança de atitude e comportamento?

Parauapebas tem futuro.
Seminário governança do royalties.
Uma aplicação da CFEM de forma democrática, justa e sustentável.

Deixe uma resposta

Leia mais