Pará supera a marca de 93 mil recuperados da Covid-19

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Foto: Alex Ribeiro - Ag. Pará

Mais de 93 mil pacientes diagnosticados com a Covid-19 se recuperaram no Pará, e governo do Estado reforça as ações de combate à doença. Na casa da Lucélia Guedes, não só ela, mas a filha de 15 anos, Maíra, e quase toda a família passaram pelo desafio de lutar contra a doença. Com a ajuda do atendimento da Policlínica Metropolitana, que restringiu a assistência somente a casos suspeitos do novo coronavírus nos últimos dois meses, eles fizeram o tratamento em casa e venceram.

O primeiro a contrair foi o sogro de Lucélia. Como o marido dela tinha tido contato físico com eles poucos dias antes do diagnóstico, no dia 25 de abril, o alerta vermelho acendeu para todos os familiares. Maíra, mesmo isolada em casa, já teve os sintomas no dia seguinte, e quatro dias depois, foi a vez da mãe. “Até meu pai acabou tendo também, e nele os sintomas foram um pouco mais fortes, incluindo falta de ar”, conta.

No dia 4 de maio, Lucélia, a mãe e Maíra buscaram atendimento na Poli Metropolitana. “Tivemos um excelente acolhimento, com triagem, redirecionamento, até chegarmos ao consultório. Minha mãe, que também teve sintomas, gostou do atendimento. Todo mundo muito atencioso, explicando por que deveríamos continuar em isolamento, com máscara, em repouso total, e bebendo muito líquido”, lembra. Dias depois todos estavam recuperados.

“Por sermos asmáticas, ficamos mais cansadas. A gente falava um pouco mais e cansava. Nas simples atividades domésticas, como varrer casa e lavar louça, perdíamos o fôlego e  ficávamos com medo, porque os planos não estavam atendendo”, continua Lucélia. Em todo o Pará, são 93.120 mil pessoas recuperadas da Covid-19 desde que foi registrado o primeiro caso, em 18 de março, até a divulgação do último boletim da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), às 18h desta quarta-feira (1º).

Estratégia – Desde o início da pandemia, o foco se voltou aos investimentos em equipamentos para hospitais, bem como às mudanças de perfil de unidades hospitalares para dar conta da demanda – a Policlínica Metropolitana é um desses exemplos. Para chegar mais rápido à população do interior, foi criada a Policlínica Itinerante, que também passou a ir a bairros da Região Metropolitana de Belém (RMB). A versão móvel levou aos demais municípios onde a doença avançava equipes multiprofissionais que fazem triagem, consulta médica e exames e entregam medicações, quando prescritas.

Só nas Policlínicas Metropolitana e Itinerante, o Governo do Pará contabilizou 80 mil atendimentos oferecidos a casos suspeitos do novo coronavírus Além de ser uma estratégia de combate à pandemia, a ação representa oferta de serviços de atenção básica à população. A Poli Metropolitana volta a atender a população com outras doenças a partir desta quinta-feira (2), mas deixa uma unidade exclusiva para Covid-19 no Hangar.

O Hospital Regional Abelardo Santos, em Icoaraci, que segue como porta aberta de urgência e emergência para pacientes com sintomas respiratórios, já atendeu mais de 35,5 mil pacientes desde que se tornou referência para tratamento da doença na Região Metropolitana de Belém.

Iniciativas – O Pará conta com 2.225 leitos exclusivos para pacientes com Covid-19. São 1.523 leitos clínicos, mais 702 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adultos. Além desse total, o Estado também tem 27 leitos de UTI pediátricos e 24 leitos de UTI neonatal. Em março deste ano, no início da pandemia, eram três UTIs exclusivas para o tratamento de pacientes com o novo coronavírus. O Hospital de Campanha que funciona no Hangar tem 420 leitos, 310 clínicos e 110 de UTI. Existem, também, 50 leitos exclusivos para pacientes indígenas.

Entre as outras ações do Estado no enfrentamento da pandemia, estão a instalação de Hospitais de Campanha em Santarém, Marabá e Breves; distribuição de medicamentos em todos os hospitais do Estado, inclusive os particulares; distribuição de mais de 200 mil máscaras para a população, por meio do programa Máscara para todos; campanhas para incentivo do uso de máscaras, isolamento e distanciamento social e limpeza das mãos, e desinfecção de Feiras e Mercados da RMB.

Deixe uma resposta

Leia mais