18/02/2021 04/03/2021

Semana do Trânsito termina com blitz educativa em Marabá

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Uma blitz educativa ocorrida na manhã desta terça-feira (25), na entrada da Marabá Pioneira, encerrou as ações da Campanha Nacional de Trânsito em Marabá. A ação contou com a participação de diversos órgãos de segurança como o DMTU, Polícia Rodoviária Federal, Guarda Municipal e também o SAMU.

Para Jair Guimarães, secretário de segurança institucional, a campanha foi positiva, pois tudo saiu conforme havia sido programado. De acordo com ele, houve a integração dos órgãos de segurança, possibilitando maior alcance das ações em escolas, empresas, praças e também em grandes eventos como a Expoama. “Pudemos fazer panfletagem e levar a conscientização para o trânsito a muito mais pessoas. Adultos você conscientiza, crianças você educa, se queremos um trânsito seguro, que nós possamos respeitar a vida, ela é muito mais importante que bens materiais”, acrescentou ele.

De acordo com o Departamento Municipal de Trânsito e Transporte Urbano (DMTU), os dados apontam que os acidentes diminuíram do ano passado pra este ano. Em 2016, 87% dos leitos em hospitais públicos de Marabá eram ocupados por vítimas de trânsito, principalmente motocicletas, neste ano os números apontam que apenas 34% estão sendo ocupados pelas vítimas de trânsito. Para Jair Guimarães os números são resultados de campanhas e fiscalizações, “nós temos que continuar trabalhando e fazendo blitz integrada para reduzir ainda mais os leitos que estão hoje sendo ocupados por vítimas de trânsito”.

Para o coordenador do DMTU, Jocenilson Silva, a tendência no município de Marabá é conscientizar o condutor ainda mais. “Hoje estamos encerrando a campanha, mas a educação vai continuar durante todo o ano. Trabalhamos o tripé do trânsito que é educação, fiscalização e engenharia. Agradecemos a todos os órgãos que apoiaram e participaram da campanha, uma mobilização muito maior que a do ano passado, isso mostra resultados porque o número de vítimas deste ano é bem inferior que as do ano passado”, finalizou.

Deixe uma resposta

Leia mais