Em Marabá, Vereadores temem pelo futuro da Unifesspa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Unifesspa Marabá
Unifesspa Marabá

Parte dos vereadores se posicionou essa semana, na tribuna da Câmara, sobre a situação da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) e os cortes de recursos do Governo Federal que, de acordo com o reitor Maurilio Monteiro, inviabilizam o funcionamento da universidade, com a interrupção de serviços básicos como limpeza, vigilância e energia, entre outros, a partir do dia 1º de outubro.

O vereador Miguel Gomes Filho foi o primeiro a tocar no tema. Miguelito, como é conhecido o vereador, lamentou que estejam fechando a Unifesspa e considerou que ela é um patrimônio do povo da região. “Estão fechando a universidade em que os filhos de pobres estudam. Iremos chamar senadores e deputados para lutar por essa causa: temos campi nas cidades de Marabá, Rondon do Pará, Santana do Araguaia, São Félix do Xingu e Xinguara. São 45 cursos de formação, mais de 5 mil alunos matriculados e mais de 2 mil alunos formados. Não podemos deixar essa instituição morrer”, vociferou o vereador.

Ilker Moraes, vice-presidente da Câmara, expressou estar muito preocupado com o possível fechamento da universidade, que considera importante para a formação econômica e social da região. Ilker disse que chegou a procurar a direção da universidade para a convocação de uma audiência pública, para levar o problema ao conhecimento da população. “Temos de articular recursos para isso não acontecer. Não podemos aceitar que a nossa universidade seja fechada depois de tanta luta para que ela fosse instalada aqui. Não podemos aceitar que o Governo Federal venha dizer que a Unifesspa não é prioridade”.

O vereador Gilson Dias reconheceu que situação da Unifesspa é grave. “Temos que unir forças para que isso não aconteça. Se for possível, vamos até o Ministério de Educação para ver como fica a situação das universidades. Está havendo cortes de bolsas de estudos, o que é preocupante”.

Na visão do vereador Marcelo Alves, não dá para entender o debate e a atitude do Governo Federal. “Essa obrigação é da União. É a mesma coisa que a Prefeitura abandonar as escolas municipais. Eu acho que a Câmara deveria provocar o governo de qualquer jeito, até com uma ação na justiça. Alguma coisa tem que ser feita porque os representantes do Pará, que deveriam tomar alguma iniciativa em levar o reitor e os vereadores de Marabá para conversar com o ministro de Educação, para tentar liberar algum recurso para Unifesspa, não tomam posição”.

Deixe uma resposta

+ Sobre