Centaurus vai começar sondagem em projeto de ouro Serra Misteriosa, em Marabá

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn

A Centaurus Metals disse que iniciou a exploração no projeto de ouro Serra Misteriosa, em Marabá, por meio de estudos de Polarização Induzida (IP). Segundo a mineradora, o local contém um anomalia de ouro no solo com extensão de 2,4 quilômetros, sendo que a anomalia geoquímica se estende por cinco quilômetros e tem 500 metros de largura. As primeiras sondagens vão começar em março ou abril deste ano, quando terminar a estação das chuvas na região.

Segundo o relatório de atividades divulgado hoje (25), o estudo de IP vai cobrir toda essa área de anomalias de ouro, que está associada a dioritos altamente alterados, “isso mostra as características geológicas são notavelmente similares ao do projeto Volta Grande, de 5 Moz [milhões de onças], da Belo Sun Mining”, diz o documento.

O projeto Serra Misteriosa é formado por dois processos junto ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) que somam 18.228 hectares nos municípios paraenses de Marabá, Novo Repartimento, Anapu e São Félix do Xingu. Os direitos minerários estão em nome da brasileira Terrativa Minerais, empresa com a qual a Centaurus fez acordos.

Dentro do pacote de projetos, chamado de Pará Exploration Package (Pará EP), Serra Misteriosa é o mais avançado e, de acordo com a mineradora australiana, um estudo amplo de IP na área, iniciado neste trimestre, vai definir os principais alvos de sondagem no próximo trimestre, que se inicia em março. Em nota, a Centaurus diz que os resultados iniciais do estudo são aguardados para fevereiro de 2017.

A campanha de exploração será financiada pela captação de 2,25 milhões de dólares australianos, cerca de R$ 5,4 milhões ao câmbio de hoje, feita no último trimestre de 2016. Além de Serra Misteriosa, considerado pela Centauros como seu principal projeto, a mineradora tem também os projetos de minério de ferro Mombuca, Conquista, Jambreiro e Candonga, todos em Minas Gerais; e os projetos de cobre Aurora e Panambu, no Ceará.

2 respostas

  1. Eu acredito na administração atual de Canaã mesmo não sendo da qui. Porém acredito que durante o período que moro aqui vi muitas mudanças.
    Pois aqui temos poucas opções de lazer seja para os munícipes e para os forasteiros como eu por isso acho favorável ao carnaval.

Deixe uma resposta para Francisco luiz da silva Cancelar resposta

+ Sobre