Celpa faz ações de combate ao furto de energia


Neste mês, a Celpa realizou ações de combate ao furto de energia elétrica em três municípios localizados no nordeste do Pará: Marapanim, Tomé Açu e Nova Timboteua. A atuação da concessionária em parceria com a Delegacia de Operações Especiais, resultou no flagrante de nove ocorrências de fraudes, consideradas de grande porte pelos técnicos da empresa.

De acordo com o técnico em eletrotécnica da Celpa que acompanhou a ação, Devancir Pinto, para realizar as irregularidades os clientes provavelmente tiveram que contratar eletricista. “Não foram furtos comuns. Isso deve ter custado cerca de R$ 10 mil. Com as fraudes sabemos que todos nós perdemos, pois há interrupções no fornecimento, oscilações dos níveis de tensão, sonegação de impostos e acidentes com a rede. E além disso, quem pratica pode pagar multa e até ser preso”, disse Devancir.

Desde 2013, quando passou a atuar sob nova gestão, a Celpa iniciou um incisivo plano de combate às perdas energéticas. Para isso mobilizou equipes exclusivas para este tipo de ação, que fazem fiscalização em todo o estado. Além disso, o trabalho também é realizado com base em denúncias da população.

No ano passado, a Celpa mapeou mais de 200 mil contas contratos (antigas unidades consumidoras) em situação de irregularidade no Pará. Na Região Metropolitana de Belém, esse número foi em torno de 100 mil. O desvio de energia é um procedimento irregular que gera prejuízos a toda a sociedade, como interrupções no fornecimento e oscilações no nível de tensão. A ação é criminosa e quem a pratica pode ser enquadrado em dois artigos do Código Penal Brasileiro: o 155 (furto), parágrafo 3º, que tem como pena prevista 1 a 4 anos de reclusão e multa; e o 265, que trata de atentado contra a segurança de serviço de utilidade pública e prevê pena de reclusão de 1 a 5 anos, além de multa.

COMENTAR COM FACEBOOK