Cresce o número de ocupação no mercado de trabalho em Belém

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Foto: Arquivo ComusPrevious
Foto: Arquivo ComusPrevious

O número de ocupados no mercado de trabalho aumentou no terceiro trimestre (julho a setembro) deste ano, alcançando 666 mil pessoas na capital paraense, que atuam tanto na formalidade quanto na informalidade. É o que revelou o estudo divulgado nesta quinta-feira, 5, pela Secretaria Municipal de Economia (Secon) e pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

A análise tem como base as informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que mostram um aumento de 1,06% de ocupação no trabalho em comparativo com o segundo trimestre (abril a junho) de 2019. Também nos dados observados houve recuo de 5,35% no número de pessoas desocupadas na capital, correspondente a 106 mil pessoas.

Quanto à atuação de homens e mulheres no terceiro semestre, o estudo da Secon e do Dieese apontou que das 666 mil pessoas ocupadas com algum tipo de atividade em Belém, cerca de 367 mil pessoas eram homens (equivalente a 55,1% do total de ocupados) e o restante, cerca de 299 mil pessoas, eram mulheres (44,9% desse mesmo total).

Informalidade – Sobre o mercado informal em Belém, o estudo indicou que os chamados trabalhadores por conta própria somavam no terceiro trimestre cerca de 213 mil pessoas, 10,12% a menos que o verificado no trimestre anterior (abril a junho), quando o total de trabalhadores que estavam nesta mesma condição somavam aproximadamente 237 mil pessoas.

Veja também:  Vai chover no Réveillon 2020? Confira a previsão do tempo em Belém

Já no balanço trimestral atual das capitais da região norte do país, Belém possuiu o segundo maior percentual da população ocupada no trabalho informal. “Das 666 mil pessoas ocupadas, cerca de 213 mil pessoas (32,0%) estavam na informalidade. O primeiro lugar ficou com Macapá, capital do Amapá, onde das 206 mil pessoas ocupadas cerca de 73 mil pessoas (35,4%) atuavam por conta própria, sem vínculo”, observou o supervisor técnico do Dieese no Pará, Roberto Sena.

Para o secretário da Secon, Rosivaldo Batista, “ambos os setores, formal e informal, contribuem para o aquecimento da economia local. Por isso, uma série de cursos de qualificação profissional e serviços de orientações aos empreendedores são ofertados pelo órgão municipal aos trabalhadores de Belém. A expectativa é ofertar ainda mais ações aos empreendedores da capital em 2020”.

Com informações: Ascom/PMB

Deixe uma resposta

+ Sobre