Eleições 2022: Nem mesmo os ‘Lulistas’ acreditam mais nas pesquisas

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - Daniel Pinheiro/Agência Brasil

Assim como em 2017, 2021 antecede umas das eleições mais importante que o Brasil já viveu e viverá. Em meio a Polarização de Esquerda versos Direita e Lulistas versos Bolsonaristas, os institutos de pesquisas tentam nortear o debate público, mas sem sucesso.

A principal razão de tudo isso é, que, até meados das eleições de 2018, todos os institutos negavam a derrota Ptista e, consequentemente de toda a ala de esquerda que a cercava. Esse fator é usado até hoje, quando as pesquisas imitam – não se sabe se proposital – a mesma narrativa de outrora e mostram sua preferência no quadro de pretensos candidatos.

Bolsonaro, que certeiramente será candidato à reeleição, perdeu a preferência – sempre subjugada – deste que o STF tornou o ex-presidente, Lula, elegível. O Ptista, hoje, é preferência da maioria dos brasileiros, segundo as pesquisas. Lula é, também, o Líder mais forte, desde de 2018, da esquerda no Brasil.

Parte da oposição ao governo, que não é Bolsonarista e nem Lulista, e às vezes, Ciristas, é a que mais sofre, pois não tem alternativa, salvo o último grupo, que apoiam Ciro como terceira via.

O real cenário é difícil medir, e os especialistas que se propõem a medi-la, cravando verdades, através das pesquisas, correm o risco de cair em descrédito, como em 2018. Mas, a missão não é impossível.

  Eleições 2022: Vote nos melhores nomes da região

O fato é. O cenário de agora repete o de 2017. As pesquisas cravam vitórias e suposições, que não se concretizaram em 2018. Você pode indagar: mas agora é Lula. Sim, mas nem mesmo os Lulista acreditam nas pesquisas. Simplesmente por que elas são momentâneas e os fatos mostram que elas mentem.

A credibilidade vêm da assertividade. E, quem só erra, acaba perdendo-a.

Até a próxima!

7 respostas em “Eleições 2022: Nem mesmo os ‘Lulistas’ acreditam mais nas pesquisas”

Deixe uma resposta

Leia mais