Ciclo de vida de projeto e conhecimento tácito adquirido

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Recentemente, fui entrevistado pelos alunos do curso de pós graduação MBA Economia Mineral e durante a abordagem fizemos um debate e nossa discussão girou em torno do meu arco de carreira e dos tipos de projetos nos quais trabalhei ao longo dos anos.

Eles também me abordaram sobre minha filosofia de trabalho e liderança e de quais experiências ela vem e como se moldou ao contexto atual.

Eu comecei como líder depois de um momento de profunda frustração, onde um gerente me disse que eu precisava parar de questionar certos conceitos parar de reclamar e assumir o comando das minhas atividade dr forma integrada e efetiva .

Eu sempre olho para trás e penso em como isso aconteceu.

Uma maneira de ver a situação difícil é que eu estava trabalhando em uma equipe cujo trabalho era sustentar um conjunto de tecnologias antigas e obsoletas mas, porque fomos moldados com uma cultura de encarar a empreitada e mostrar resultados , acreditamos ser srmpre protagonistas e pioneiros em novas áreas.

Na época, eu era muito inexperiente para entender isso, tendo trabalhado em um só lugar e sem uma cultura definida e marcante .

Ninguém nunca me disse claramente que cada projeto e cada equipe de trabalho têm propósitos e expectativas diferentes, dependendo de onde se encontra no “Ciclo de Vida do Projeto” e que lutar contra essas expectativas sempre será uma batalha difícil e com muitos obstáculos , soluções prontas , vícios e resistência a mudanças.

Com o passar dos anos a curva de maturidade acontece e agora vejo as coisas com maior percepção e inteligência .

Eu trabalhei, herdei, comecei ou experimentei equipes em todas as partes do ciclo de vida do projeto e do processo de transformação de minha evolução profissional .

Para pessoas que não estão familiarizadas com o conceito de Ciclo de Vida de projeto, gostaria de explicar como isso afeta as pessoas e os projetos em que você trabalha ou participa .

Talvez isso ajude a entender se está indo no caminho certo para atingir seus objetivos, suas metas , maximizando o impacto de seus esforços e realização.

O que é o ciclo de vida de um projeto?

O ciclo de vida do projeto descreve o período de tempo durante o qual um projeto é desenvolvido , com início , meio e fim executado suas etapas e fsses das operações.

O ciclo é dividido em etapas:

introdução, crescimento , consolidação, maturidade, declínio e finalização .

Introdução – projetos e desenvolvimento e prototipagem de suas operações escala de produção recém-introduzidos que estão tentando alcançar o ajuste do mercado consumidor.

Ganhar asas para decolar e voar

Crescimento – projetos que encontraram aderência , audiência e mercado , crescendo rapidamente, com aumento de vendas , lucratividade , sustentabilidade.

As asa se fortalecendo para decolar e alcançar a velocidade de cruzeiro.

Maduro – projetos bem estabelecidos cujos fluxos de receita ou ecossistemas são frequentemente aproveitados para encontrar novos mercados.

Voo de brigadeiro céu aberto e velocidade de cruzeiro.

Declínio – projetos com ciclo finito e declínios irrecuperáveis ​​nas receitas ou no uso.

Desaceleração e pouso .

Todos os projetos – e as equipes que suportam esses produtos – existem em algum lugar desse espectro.

O mais interessante é que, como as empresas geralmente oferecem suporte a vários projetos (um portfólio), elas precisam reconhecer que diferentes partes da organização funcionarão melhor com diferentes tipos de pessoas, processos e expectativas.

Dito de outra forma: as empresas inteligentes pensam na cultura organizacional certa para cada uma das equipes de seus projetos e os empregados inteligentes farão o mesmo.

Uma história para cada fase do ciclo de vida do projeto

As equipes da fase de introdução são onde você encontrará os pioneiros e os tomadores de risco.

Haverá pouco processo estabelecido, um alto senso de urgência e um entendimento de que descobrir como obter patrocinadores é fundamental para a sobrevivência.

Embora eu tenha trabalhado em varios projetos e com várias tecnologias no início da minha carreira, a primeira equipe de startups em que trabalhei foi na usina de Carajás ha 33 anos atrás.

A coisa que mais me lembro sobre isso foi que todos pensavam que iríamos falhar e que ficaríamos dependendo sempre do pessoal de Itabira , achavam que, mesmo que conseguíssemos de alguma forma, seríamos, na melhor das hipóteses, uma distração e ativamente evitaríamos nos ajudar a não sermos associados a um projeto com cultura diferente e inovadora apesar de pertencer a mesma empresa isto é meio “maluco” mas era assim que nosso maestro Mozart tocava a banda .

Estávamos constantemente sob ameaça de sermos desmantelados, mas o calor e a pressão nos ligavam.

Nós trabalhamos como loucos para ajustar a usina e ajudar o projeto a sobreviver.

Por isso, foi surpreendente que, quando avançamos e lançamos o projeto para um sucesso modesto no primeiro momento pudéssemos ver quantos “apoiadores” tínhamos o tempo todo.

As pessoas que anteriormente não respondiam a uma solicitação , de repente, chamavam a si mesmas co-fundadores da equipe e responsáveis pelo start up da planta .

Uma fase memorável que me foi dada por um colega da época:

“o fracasso é órfão, mas o sucesso tem mil pais”.

As equipes da fase de crescimento estão cheias dos tipos de pessoas que trazem estradas pavimentadas para os rincões mais longínquos deste país.

Eles chegam com processo, métricas, especialização e otimização.

Os operadores mantenedores foram a equipe de fase de crescimento mais bem-sucedida que já operei.

Eu aprendi que as coisas mudam depois que você ganha tração e conhecimento .

Os céticos se tornam apoiadores, você receberá solicitações de recursos dos resultados obtidos .

As equipes da fase de crescimento estavam cheias dos tipos de pessoas que trazem resultados para o resto da vida.

Eles chegam com processo, métricas, especialização e otimização.

A mudança de cultura com a implantação do projeto operador mantenedor foi a fase de crescimento mais bem-sucedida que já participei.

Eu aprendi que as coisas mudam e geralmente haverá mais tolerância para educação. Otimizar. Otimizar. Otimizar!

O crescimento é, sem dúvida, a fase mais divertida do desenvolvimento de um projeto , uma vez que cada decisão pode ter um impacto maciço nos negócios e nos resultados dos processos

O lado negativo é o crescente número de partes interessadas que terão opiniões para sintetizar e diminuir os seus esforços e resultados.

Esse último ponto é o que eu me lembro sobre os operadores mantenedores .

Eu tive que cortar recursos do projeto devido a estruturação da área.

Para financiando solicitações mundanas de clientes internos .

Equipes maduras são onde você encontra pessoas que estão acostumadas a um processo bem estabelecido, não acostumadas a ter seus processos questionados porque se provaram bem-sucedidas e que geralmente preferem previsibilidade.

A maneira mais simples de pensar em processos maduros e sua previsibilidade é que eles pagam por projetos em todas as outras fases do ciclo de vida (suponho que também paguem aos investidores :-)). Eles são o ganso de ouro, a vaca de dinheiro, o cofre, o alicerce sobre o qual a empresa descansa.

Você não quer risco em seus projetos maduros. Se sua empresa tiver um negócio maduro, você deve saber que todas as decisões sobre novos projetos serão avaliadas em relação a como elas afetam esse negócio principal.

Em alguns casos, isso pode ser um grande benefício.

Por exemplo, você pode alavancar negócios pré-existentes para aumentar rapidamente a base de clientes ou criar uma vantagem de ecossistema contra os concorrentes.

Mas também pode ser um prejuízo para a implantação – por que uma empresa deveria gastar tempo investindo em novas áreas que colocam o core business em risco quando ele poderia pegar esses mesmos recursos e simplesmente tornar o core business mais eficiente?

Bem-vindo ao dilema dos pioneiros em desbravar fronteiras.

Uma lembrança vívida nesse sentido vem de uma conversa que tive com um membro da “velha guarda” da empresa . Acabamos de anunciar que após apenas um ano e os membros da equipe de liderança pediram para se encontrar e discutir futuro. idéias de integração.

Depois do encontro muito produtivo, um dos líderes , um cavalheiro com cerca de 25 anos na empresa, me puxou de lado, sorriu e disse:

“você conhece Mozart , eu vi pessoas e equipes como você entrar e sair ao longo dos anos.

O homem está impossível agora, mas sempre haverá uma equipe entrando e saindo do projeto ”

Ele não quis dizer isso como um insulto, ele quis dizer literalmente que ele tinha visto várias equipes tentando interromper o projeto operador mantenedor ao longo de sua longa carreira e nenhuma delas funcionava.

Claro, ele não tinha me visto;

Projeto em declínio existem porque estão sendo substituídos por novas alternativas , tecnologias modernas ou abordagem, eles são uma fonte de receita significativa em uma indústria em crescimento, custaria mais desligar o projeto.

Eu tenho menos experiência com projetos em declínio.

Como você pode imaginar, esses projetos não são apenas da minha natureza, mas conheci pessoas que procuram e prosperam nesse ambiente.

Meu exemplo favorito disso é estranho.

Você sabia que a usina de carajas foi a primeira usina de tratamento de minerio de ferro certificado no mundo com a norma ISO foi uma das primeiras empresas a produzir concentrados de minerio de ferro de alto teor certificado conectado à meio ambiente ?

Em 1994, a empresa criou um produto prime no mercado “Spot” que chamava sinter feed Carajás.

La na aquela época ja estava à frente de seu tempo, no entanto, e aprimoramento em 2008.

Mas foi vários anos depois, em 2012, quando a equipe de produtos que mantinha os serviços de back-end para estes concentrados foi finalmente desfeita com a nova versão de contratos spot ou preço a visita cotação do dia..

Eles estavam mantendo as luzes acesas o tempo todo.

Enquanto eu estava buscando engenheiros para minha nova equipe na implantação de projeto em outros sites tive a chance de me encontrar com alguém do antigo grupo.

. Eu não podia acreditar que as pessoas ainda estavam mantendo a tecnologia que se tornou folclore e história no nível dos pioneiros de Carajás.

Lembro-me que o engenheiro me disse: “ Wander, muitas pessoas me perguntam por que eu me dediquei a esse time no passado .

Eu me apaixonei pelo desafio . Admirei a ideia e ela fez escola eu os defendi o máximo que pude e queria ver a história até o fim. ”

Não tenho certeza do que aconteceu com esse engenheiro (ele não tinha nenhum interesse em minha nova equipe ele tinha virado apenas um contador de história e estava meio desiludido com a mudança do DNA da companhia ), mas gosto de imaginar que o ciclo de vida do projeto deu certo e que ele de alguma forma encontrou o seu o caminho para começar o sonho de um novo ciclo .

Deus no comando !

Bom dia .

WJN

Deixe uma resposta

Leia mais