A capital do minério e o restante dos municípios brasileiros

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Uma diferença relevante entre Parauapebas e outros municípios brasileiros é que a renda per capta de Parauapebas é cinco vezes maior que a dos outros municípios da região Norte e a grande maioria dos municípios brasileiros que vivem com o pires do fundo de participação dos municípios – FPM – nas mãos para sobreviverem.

Mas por aqui esta geração de riqueza fica só nas estatísticas do IBGE não reflete em qualidade de vida da população , não é transformada em serviços públicos de qualidade e apresentam precários serviços na área de infraestrutura urbana , iluminação deficiente , saneamento básico e segurança pública precária .

A primeira razão da precaridade destes desafios, e mais importante, é que a receita do município está direcionada para o custeio da máquina pública com baixo investimento em relação às receitas correntes líquidas e está sendo utilizada para cobrir as despesas correntes com folha de pagamento e mesmo assim não é suficiente para honrar com os compromissos de curto prazo , estão muito próximo de estourar os limites prudencial e quando comparados com outros municípios com as mesmas características demográficas e receitas correntes verificamos que a eficiência administrativa e produtividade dos recursos arrecadados dos outros municípios são muito maiores e as transferência em qualidade de vida principalmente pelos mais necessitados e muito maior em realização investimentos públicos em benefício direto da população é cinco vezes maior que a de Parauapebas.

  Em Parauapebas, Sine divulga diversas vagas para esta Terça-Feira(29/09)

Aqui por exemplo a saúde publica local funciona na modalidade de TFD – tratamento fora de domicílio.
A atenção básica deixa a desejar e o hospital geral não cumpre seu objetivo .

Porque aqui a máquina pública tem outras prioridades sempre atua no improviso com palheativo .

A segunda área mais empregadora do município é a maquina publica só perdendo para VALE.

Tem uma estrutura funcional clientelista e dominada pelos acordos políticos .

Profissionais subempregados e com desempenho de função fora da sua área de formação talvez seja a disfunção mais alta dos municípios brasileiros — menor utilização no desempenho de sua funções máquina pública .

Eles contam com uma série de carências e disfunções , e não contamos com o quadro regular de profissionais para administrar com competência os projetos de infraestrutura atuais e futuros .

Não temos quadros suficientes de técnicos especializados para gerenciar e manter os ativos físicos do município, o desperdício , o retralho e falta de manutenção está ficando muito caro aos cofres públicos , como mais tecnologia, mais aparelhos e mais soluções e equipamentos atualizados os custos de manutenção são reduzidos e aumentam a produtividade reduzindo o custeio da prefeitura .

A falta de gestão e manutenção agrava a situação .

Eles também não perdem tempo com a falta de planejamento, que é algo que atrapalha muito a produtividade no município na prestação de serviços de qualidade .

  Em Parauapebas, Sine divulga diversas vagas para esta Terça-Feira(29/09)

Ainda há uma questão de mentalidade: o viés técnico é sobreposto pelo viés político , as pessoas trabalham menos tempo, mas muito mais como cabides de emprego e apadrinhados políticos .

QUEM PAGA A CONTA É A POPULAÇÃO.

WJN

Deixe uma resposta

Leia mais