O Dia do Índio nas escolas e a hipocrisia dos governos anteriores – Portal Canaã

O Dia do Índio nas escolas e a hipocrisia dos governos anteriores

Graças a Deus e ao bom senso da maioria da população, o sentimento atual é a vontade de mudança e melhorias.

Caro leitor, desejo hoje trazer para todos uma proposta, para que seja iniciada uma discussão sobre como é comemorado nas escolas o dia do índio.

Continuamos a enganar as crianças mostrando que está tudo bem?

Ou em vez de fazer dancinhas, vamos tentar entender por que não tem escolas como a Sementinha Feliz, Dom Bosco, Universo, em todas as comunidades índias?

Deixamos de comemorar o dia do índio para que finalmente não se separe o ser humano por causa da cor da pele, pela raça e pela cultura?

Ou continuamos a considerar o índio como um ser diferente? Quem somos nós para considerar que alguém é um ser humano diferente?

Continuamos a falar que está tudo bem por que o índio vende artesanato ou discutimos por que a maioria não consegue sobreviver sem ajuda governamental?

Na Bolívia o presidente da república é um índio, no Paraguai todo o mundo aprende guarani como segunda língua.

Nos Estados Unidos são donos de cassinos, grandes fazendeiros, empresários de petróleo e extração de minério, donos de grandes empresas, etc.

No Brasil temos reservas indígenas e fome e infanticídio e morte por doenças já erradicadas em quase todo o mundo.

Fazemos festinhas na escola para que todos pensem que o índio quer viver nas reservas, enganamos as crianças, enquanto o índio morre de fome, pratica infanticídio, clama por energia elétrica e internet, clama por hospitais e estradas, saneamento básico e habitação de qualidade.

Alguém consegue entender como as ONGs que recebiam milhões do estado brasileiro conseguiram manipular, enganar, e manter muitos índios na miséria? Alguém finalmente vai entender, que para uma ONG ter argumentos para existir, necessita que a pobreza e a miséria não acabem?

Alguém vai entender que no dia em que as comunidades índias finalmente tiverem o direito de se sustentar as ONGs não vão mais ser necessárias?

Alguém lembra do ridículo que aconteceu na Raposa Serra do Sol?

Alguém me explica como uma comunidade índia pede energia elétrica e vai fazer manifestações para que não passem linhas de transmissão de energia em suas terras?

Alguém entende o maléficio das políticas indígenas das ultimas décadas, que chegaram ao ponto de criar a contradição que escrevi no parágrafo anterior?

Alguém nesse dia comemorativo vai falar que em 2017 a taxa de suicídio entre jovens indígenas de 14 a 24 anos aumentou 20% em relação a 2016, devido exatamente a serem praticamente obrigados a viver onde o estado quer que eles vivam?

Alguém vai lembrar que a maioria dos índios não está feliz por conseguir apenas vender artesanato? Mas que simplesmente quer ter as condições e a liberdade de viver como quiser e fazer o que quiser.

Alguém explica que a maioria é colocado como um bicho dentro de uma reserva e não pode sequer extrair o ouro e vender, sem ser ilegalmente, e não pode derrubar arvores para fazer uma plantação por que o Ibama não permite?

Algum dia vão entender que em uma comunidade de 800 mil índios, um ou outro terminar uma faculdade não é uma “vitória” para nós como sociedade, enquanto fora de reserva, a maioria da população tem acesso a boas escolas e universidades?

Alguém explica que apenas uma pequena minoria aparece como “feliz” para fazer programas de televisão e serem mostrados como “peças” aos visitantes e turistas?

Alguém notou que a maioria dos índios que venceu profissionalmente e economicamente, foi depois de ter abandonado a reserva e ter começado a viver e se integrar na nossa sociedade, sem que por isso tenha perdido a sua cultura e seus costumes?

Depois de décadas de políticas indígenas e comemorações do dia do índio ainda acreditam que eles estão bem?

Todos sabemos que não estão bem, então por que continuar a fazer tudo igual?

Segundo o estudo publicado no Estadão em 2010:

“Pesquisadores do 1.º Inquérito Nacional de Saúde e Nutrição dos Povos Indígenas, que realizaram o maior levantamento sobre a situação dos índios no País, ao qual o Estado teve acesso, identificaram que benefícios sociais representam fonte de renda em 63,9% domicílios.”

“O Estado é a grande aldeia dos índios brasileiros. A subsistência da população indígena está diretamente ligada ao governo. Benefícios sociais constituem a principal fonte de renda do grupo. Mais de 60% dos domicílios indígenas são atendidos por programas assistenciais. Além de provedor de recursos, o Estado é também o principal empregador.”

https://www.estadao.com.br/noticias/geral,beneficios-sociais-sao-principal-fonte-de-renda-de-indios,542360

Hoje abril de 2019 algo mudou?

Em 2013 publicado no Blog Índio Educa:

“No Brasil atual, não se encontra motivos para se comemorar o dia do Índio, pois o que temos em nossas mãos, são lágrimas de dor e de desespero, e como se isso não bastasse somos pressionados a deixar de lutar pelas nossas Terras, pelos nossos direitos e por tudo que nos pertence.

Caro Leitores, no dia 19 de abril, não queremos o seu elogio, ou Felicitações, ou Parabéns, a única coisa que queremos de vocês é o respeito pelo Povo Indígena!”

http://www.indioeduca.org/?p=1918

Alguém nas dancinhas da escola vai mostrar aos alunos a realidade das políticas indígenas adotadas até agora?

No ínicio de 2017, Reinaldo Azevedo lembrou a todos o desastre de Raposa Serra do Sol

 “Raposa Serra do Sol – Os miseráveis que o STF criou com a antropologia poética de Ayres Britto. Não foi falta de aviso!

Caros, o fato de a gente antever um desastre e ter a certeza de que ele vai acontecer não nos impede de ficar um tanto surpresos quando ele realmente acontece. É assim com a reserva Raposa Serra do Sol. Lembram-se dela? A mesma quase unanimidade estúpida que se vê na imprensa agora contra o relatório […] “

 https://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/raposa-serra-do-sol-os-miseraveis-que-o-stf-criou-com-a-antropologia-poetica-de-ayres-britto-nao-foi-falta-de-aviso/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.