Serabi tem redução de 7% na produção de ouro em Itaituba


A Serabi Gold produziu 9.188 onças de ouro no primeiro trimestre deste ano, um volume 7,32% abaixo das 9.861 onças extraídas de janeiro a março de 2017 das minas Palito e São Chico, em Itaituba (PA). Mesmo assim, devido ao preço mais alto do ouro, reverteu o prejuízo registrado em 2017 e obteve um pequeno lucro.

“A produção de ouro esteve alinhada à orientação [de meta] e nossos planos internos e, depois de permitir despesas de capital e custos de desenvolvimento de minas, as operações de produção de ouro geraram aproximadamente US$ 1,7 milhão depois do fluxo de caixa que foi usado para financiar os programas de exploração e necessidades de capital de giro do recém-adquirido projeto Coringa”, disse Mike Hodgson, CEO da Serabi, em nota.

A planta da Serabi processou 43.145 toneladas de minérios com teor médio de 7,04 gramas de ouro por tonelada de janeiro a março. A meta da empresa para este ano é produzir cerca de 40.000 onças de ouro, acima das 37.004 onças produzidas no ano passado. O lucro da mineradora, depois de impostos, foi de US$ 10.786, que pode ser comparado ao prejuízo líquido de US$ 114 mil no primeiro trimestre de 2017.

“Os resultados financeiros do trimestre são muito gratificantes, e até mesmo antes do dinheiro a ser recebido com a emissão de ações, o dinheiro em caixa tinha crescido de US$ 4,1 milhões no final de 2017 para US$ 6,7 milhões no fim do primeiro trimestre, enquanto que a margem bruta das operações aumentou de US$ 1,26 milhão, no mesmo trimestre de 2017, para US$ 2,34 milhões no primeiro trimestre de 2018”, afirmou Hodgson, em comunicado divulgado hoje (15).

No primeiro trimestre deste ano, o custo operacional de produção foi de US$ 907 por onça, enquanto que no primeiro trimestre de 2017 foi de US$ 800 por onça. Já o custo total, conhecido como AISC, foi de US$ 1.166 a onça, frente a US$ 1.043 na comparação anual.

100.000 onças por ano

“O resto do ano promete ser muito interessante e esperamos gerar notícias positivas constantes de uma exploração bem-sucedida de Palito e São Chico, bem como do progresso em Coringa […] onde o objetivo inicial é completar os primeiros estágios de licenciamento. Demos os primeiros passos para concretizar a nossa ambição de nos estabelecermos como uma produtora de ouro significativa no Brasil com a meta de ter uma taxa de produção anualizada de 100.000 onças nos próximos dois anos”, disse ele.

A mineradora disse na semana passada que concluiu a captação de US$ 8,6 milhões que serão usados no projeto Coringa, em Novo Progresso (PA), comprado da Anfield Gold em novembro de 2017, e se prepara para emitir novas ações e aumentar o dinheiro em caixa.

“Em 11 de maio de 2018, os acionistas da Companhia aprovaram a emissão de novas ações necessárias para concluir a colocação de ações organizadas através de nossos corretores Peel Hunt LLP conforme anunciado em 29 de março de 2018. Essa colocação de ações deve ser concluída e os fundos recebidos em 15 de maio de 2018. Juntamente com a colocação de ações da Greenstone Resources, concluída em abril, a Companhia terá captado recursos brutos de aproximadamente US$ 23,5 milhões”, disse o CEO, para quem a mineradora está bem financiada e preparada para acelerar o crescimento orgânico. (NMB)

COMENTAR COM FACEBOOK