Serabi obtém licença prévia para projeto Coringa e deve gerar 400 empregos diretos

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Representante da empresa Chapleau Extração Mineral expondo o projeto de mineração Foto: Divulgação

O Conselho Estadual de Meio Ambiente (Coema) aprovou, na tarde desta sexta-feira (25), a concessão de Licença Prévia (LP) para as atividades de extração e beneficiamento de ouro e prata do Projeto Coringa, empreendimento da Chapleau Extração Mineral LTDA., empresa que pertence à companhia de mineração Serabi Gold.

Para a concessão da Licença de Instalação (LI) será exigida a apresentação de um estudo de componente indígena. O empreendimento situa-se entre os municípios de Novo Progresso e Altamira, no sudoeste do Pará.

A decisão foi tomada durante a 72ª reunião extraordinária do Conselho, no Centro Integrado de Monitoramento Ambiental (Cimam), em Belém. O encontro foi aberto pelo secretário de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade e presidente do Coema, Mauro O’de Almeida. A reunião também contou com a presença do secretário adjunto de Regularidade Ambiental da Semas, Rodolpho Zahluth Bastos, e de membros do Conselho, formado por representantes de órgãos do Estado e de entidades da sociedade civil.

s representantes da Chapleau/Serabi defenderem a concessão da LP ao empreendimento. Após o debate a respeito do potencial de impacto socioambiental do empreendimento, acompanhado por manifestações das áreas técnicas, o Conselho chegou ao consenso de que, neste momento de concessão da LP, há viabilidade jurídica e técnica para liberação do projeto pelo Coema.

  Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos

Artur Alves, gerente Executivo de Sustentabilidade da Chapleau, afirmou que o empreendimento possui uma previsão de baixo impacto ambiental. “O impacto no meio ambiente de uma mina subterrânea é mínimo. Por ser uma atividade realizada embaixo da terra, não afeta as áreas de floresta. Além disso, todas as espécies de flora que forem suprimidas durante as atividades de supressão da área serão replantadas como compensação ambiental. As populações de fauna presentes na área do projeto serão acompanhadas e monitoradas”, garantiu.

Roney Sandrelli de Almeida, diretor de Operações da Chapleau, frisou os benefícios sociais para a região com o funcionamento da mina. “Nossa expectativa é trazer 400 empregos diretos, que geram, cada um, de 10 a 14 empregos indiretos. A ideia é, em um primeiro momento, gerar 80% de empregos locais, com 20% de mão de obra externa, que irão treinar pessoas internas. Mas a meta é ter 100% de funcionários da região. Além do benefício para a comunidade local, esta situação é positiva para a empresa, pois este perfil de funcionários apresenta um índice muito maior de permanência no emprego, já que trabalhadores de outros locais geralmente pedem demissão após certo tempo para retornar ao convívio de seus familiares”, argumentou.

  Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos

Em seguida, o Conselho manifestou-se a respeito de processos de infrações ambientais, procedendo com avaliações e julgamentos. Os processos foram objeto de análise da Câmara Técnica Permanente de Assuntos Jurídicos do Coema.

 

Deixe uma resposta

Leia mais