Mundiar: Para se ter resultados, precisamos de profissionais comprometidos com a educação


Uma turma de 24 alunos do Projeto Mundiar Ensino Médio participou da cerimônia de formatura na segunda- feira, dia 05 de março, de 2018 na Escola Luis Magno Araujo. Sinto a sensação de dever cumprido e do comprometimento com uma educação de qualidade e acessível a todos. Todos os profissionais, alunos e familiares sempre estiveram muito envolvidos nesse processo ao longo desses anos, e por isso alcançamos este importante resultado.

O projeto veio para traçar um novo ciclo na vida dos jovens, dando-lhes uma motivação a mais para seguir em frente, pois eles já estavam com os estudos atrasados. O Mundiar é uma forma mais rápida para terminar os estudos e alcançar os objetivos.

O Estudante Raimundo Junior, 22 anos concluiu o ensino médio e está feliz por dar este passo importante na vida. “Estava muito atrasado nos estudos, e com o Mundiar consegui me formar em 18 meses. Isso tudo foi muito importante para a minha vida. Tenho dificuldade de locomoção, por algumas vezes deixei de ir a escola, moro em um bairro periférico onde a lama atrapalha meu percurso. Cada vez que ia faltar aula avisava a professora. Hoje posso dizer que sou um estudante vitorioso, a professora Eva do Mundiar me fez acreditar que eu seria um aluno aprovado. Por dois anos fiquei reprovado no ensino regular devido eu não consegui acompanhar nas atividades. O Mundiar mudou minha vida. O professor atendo o aluno de forma individualizada. Consegue perceber a dificuldade de cada aluno e contribui com o desenvolvimento.”

O Projeto Mundiar vai além da Leitura e da Escrita. Prepara os jovens, com atividades que gera renda sustentável.
O Projeto Mundiar vai além da Leitura e da Escrita. Prepara os jovens, com atividades que gera renda sustentável.

Tenho orgulho de falar desse Projeto. Não são as letras MUNDIAR que fazem a diferença na vida do educando, o que leva o desenvolvimento de qualidade são os profissionais comprometidos com a educação. Esse é um Projeto desenvolvido pela Secretaria de Estado de Educação (Seduc) em parceria com a Fundação Roberto Marinho. O objetivo é acelerar a aprendizagem e corrigir o fluxo escolar dos estudantes em distorção idade e ano, possibilitando que terminem o ensino fundamental em 24 meses e o médio, em 18.

Iniciado em 2014, o projeto faz parte das ações do Pacto pela Educação do Pará. Quase 20 mil alunos são atendidos pelo Mundiar, o qual conta com a participação de 709 professores. É considerado importante instrumento educacional, pois contribui para corrigir a distorção de idade e ano.

O Mundiar usa a metodologia telessala, proposta pedagógica voltada para a formação da cidadania e desenvolvimento de competências e para o mundo do trabalho, com objetivo de fortalecer o desenvolvimento pessoal, social e cognitivo dos estudantes, além de contribuir para o desenvolvimento dos educadores, com a proposta metodológica de formação continuada e acompanhamento pedagógico.

Os professores se dedicam exclusivamente a uma única turma. Eles ministram aulas em todas as disciplinas, em módulos, em que 15 minutos diários são de videoaulas elaboradas pela Fundação Roberto Marinho, seguidos de atividades em sala de aula. O uso dessa metodologia favorece a adequação aos diferentes contextos, com um desenho que garante, ao mesmo tempo, estrutura, flexibilidade e inovação nas práticas docentes, com significativos resultados na aprendizagem e na permanência dos estudantes nas salas de aula. As práticas em salas de aula são também aplicadas de acordo as necessidades específicas de cada aluno.

Meu nome é Eva Monteiro, educadora por convicção, acredito que através da educação possamos ter um Brasil melhor. Há 29 anos exerço a profissão e, pretendo não melhorar a educação de todos, mas contribuir com uma grande parte.

COMENTAR COM FACEBOOK