Educação

Sem acordo com o governo sobre o Piso da Educação, SINTEPP caminha para mais uma greve

Depois de ficarem sem pisar nas escolas por um ano e meio, devido a pandemia da COVID-19, os professores voltaram a lecionar há 3 semanas e agora o SINTEPP anuncia que pode deflagrar mais uma greve a partir de amanhã.

Em um ato público em frente à Secretaria de Estado de Planejamento e Administração do governo do Estado, sindicalistas e professores ligados ao SINTEPP realizaram uma paralisação para acompanhar a mesa de negociação com o governo, realizada nesta quinta-feira, 23.

O resultado foi frustrante para os educadores e sindicalistas presentes. Segundo o SINTEPP, o governo do estado não avançou em suas propostas para a negociação em relação ao pagamento do piso do magistério dos profissionais da educação e uma greve por tempo indeterminado pode ser deflagada amanhã, 24, em uma assembleia geral feita de forma híbrida, ou seja, presencial e online.

Segundo o sindicato, o governo propõe a retirada de algumas vantagens adquiridas pela categoria durante governos anteriores, para poder pagar o valor que seria compatível com o piso salarial nacional.

“Além de protelar para cumprir a promessa que nos fez, ele (governador) quer pagar o piso com o dinheiro que vai tirar dos professores com os cortes. A Assembleia amanhã terá como indicativo a greve como instrumento de luta e pressão para que não tenhamos nenhuma perda de nossos direitos já conquistados”, disse um sindicalista que prefere não ser identificado.

A proposta do governo, em comparação com o praticado atualmente, eleva a remuneração do magistério estadual, mas ao mesmo tempo propõe suprimir a gratificação do magistério, exceto dos professores da Educação Especial, e desvincular as aulas suplementares do vencimento base, além de fixar as gratificações de titularidade e do SOME, sendo esses reajustáveis pelos índices de reajustes gerais dos servidores.

SINTEPP.

 

Compartilhar
Por
Diógenes Brandão