Siderúrgicas e Vale avançam com confiança em acordo entre EUA e China

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Foto: Marcelo Coelho/Vale

O otimismo com a proximidade da assinatura de um acordo comercial entre Estados Unidos e China faz com que as ações da Vale e das principais siderúrgicas operem com ganhos nesta segunda-feira, apesar de a esperança não trazer impacto para os preços do minério de ferro.

Por volta das 11h55, as ações da CSN  operam com ganhos de 2,53% a R$ 13,88, com as da Vale avançando 1,89% a R$ 6,90. No caso da Gerdau, a alta é de R$ 0,68% a 13,25, com Usiminas somando 0,53% a R$ 7,62.

A sessão que abre a semana foi marcada por leve valorização nos contratos futuros do minério de ferro, que são negociados na bolsa de mercadorias da cidade chinesa de Dalian. O ativo com o maior volume de negócios, com data de vencimento em janeiro do próximo ano, encerrou com ganhos de 0,41%, a 611,50 iuanes por tonelada, em relação ao valor de liquidação de sexta-feira, que foi de 609,00 iuanes/t. Assim, a variação diária foi de 2,50 iuanes.

Em sentido oposto, a segunda-feira teve recuo nas principais cotações dos papéis futuros do vergalhão de aço, que são transacionados na bolsa de mercadorias de Xangai, também na China. O contrato mais líquido, de janeiro de 2020, perdeu 3 iuanes a 3.290 iuanes por tonelada, enquanto o de maio, segundo mais negociado, cedeu 6 iuanes para 3.174 iuanes/t.

  Websérie mostra avanço da participação feminina na mineração

Os mercados de ações da Ásia fecharam a segunda-feira com valorização na espera que a China e os Estados Unidos possam assinar um acordo comercial e que Pequim continue com seu apoio político à economia.

Mais cedo, o secretário de Comércio dos EUA, mesmo após o presidente norte-americano, Donald Trump, ter dito que gostaria de assiná-lo quando encontrar seu colega chinês na cúpula da Apec, disse que o acordo não precisa ser assinado no próximo mês.

“Tem que ser o acordo certo, e não em novembro”, disse Wilbur Ross à Fox Business Network em entrevista. “É mais importante que seja um acordo adequado do que exatamente quando vais ocorrer.”

Trump anunciou a “primeira fase” de um acordo comercial na Casa Branca em 11 de outubro, ao lado do vice-primeiro-ministro chinês, Liu He, após dois dias de negociações em Washington com representantes chineses.

O movimento suspendeu um aumento de tarifas planejado para este mês, mas poucos detalhes finais surgiram sobre o pacto, que Trump disse que pode levar até cinco semanas para ser redigido.

O presidente disse que provavelmente assinará o acordo quando se reunir com o presidente chinês, Xi Jinping, na cúpula de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, que será realizada em meados de novembro em Santiago, no Chile.

  Websérie mostra avanço da participação feminina na mineração

Perguntado se ele se importaria de adiar a assinatura na Apec, Ross disse: “O principal pensamento é acertar tudo do que de fato assinarmos. Esse é o elemento importante. É com isso que o presidente está comprometido.”

“Seja neste dia ou naquele dia, pode ser interessante para a mídia, mas não é o jogo real”, disse ele à rede Fox Business Network.

Fonte: Investing

Deixe uma resposta

Leia mais