Fique por dentro de 5 principais notícias do mercado nesta terça-feira, 10/09

Dinheiro - Foto: Jorge Clésio

Investing.com – O espectro da deflação na China mostra sua cara feia e a desaceleração da produção não dá sinais de acabar no Japão e na Europa. Além disso, há problemas no mundo do IPO, já que os planos da WeWork estão sob pressão. Confira as cinco principais notícias desta terça-feira, 10 de setembro, sobre os mercados financeiros.

1. Dados sombrios e barulho na China

O risco da China exportar deflação para o resto do mundo está aumentando. Os números divulgados durante a noite mostraram que os preços ao produtor chinês caíram com a taxa mais rápida em três anos em agosto, sublinhando os problemas enfrentados por um setor industrial amplamente dependente do acesso ao mercado dos EUA.

Além disso, o Japão disse que os pedidos aos fabricantes de máquinas pesadas caíram 37% no ano, mínimas desde 2009, em outro reflexo de como a incerteza predominante em torno do comércio e do Brexit está prejudicando o investimento das empresas. Os dados da produção industrial francesa e italiana de julho, divulgados anteriormente, também ficaram aquém das previsões.

Às 11h00 (horário de Brasília), a Secretaria de Estatísticas Trabalhistas dos EUA divulgará sua pesquisa de vagas de emprego da JOLTS em julho, o que acrescentará algumas informações adicionais sobre um mercado de trabalho que parecia estar ficando sem trabalhadores no relatório oficial do governo de agosto da semana passada.

2. Ações devem abrir em baixa

Depois que os dados bastante sombrios da Ásia e da Europa lembraram aos mercados que a desaceleração global ainda é muito importante, Wall Street deve abrir em baixa na sessão desta terça-feira.

Às 8h20, os contratos futuros da Dow caíam 14 pontos ou 0,05%, enquanto os contratos futuros do S&P 500 caíam 0,11%. Os futuros da Nasdaq perdiam 0,13%. A baixa também é influenciada por um cenário de crescente escrutínio regulatório nos EUA sobre empresas tecnológicas, como Google (NASDAQ:GOOGL) e Facebook.

No entanto, outros ativos não estão se saindo melhor. Os títulos públicos e o ouro estão em liquidação, depois dos ralis explosivos nas últimas semanas. O rendimento do Tesouro em 30 anos ficou em 2,11%, enquanto os futuros de ouro perderam terreno pelo quarto dia consecutivo, para US$ 1.502,65 a onça.

O Citigroup e outras instituições financeiras estarão em foco mais tarde, depois que a empresa anunciou na segunda-feira que esperava uma queda nas receitas comerciais no terceiro trimestre.

3. IPO da WeWork sob ameaça; Aramco avança

Um dos maiores IPOs do ano pode estar prestes a ser cancelado. A We Company, controladora do provedor de espaço para escritórios WeWork, está sob pressão do Softbank, seu maior financiador externo, para adiar uma oferta pública inicial que deveria ocorrer este mês.

Reportagens indicaram que o marketing para o IPO deveria começar nesta semana, mas foram impedidos por preocupações de avaliação e governança.

No entanto, outra oferta muito aguardada parece estar a um grande passo mais perto, depois que o presidente-executivo da Saudi Aramco, Amin Nasser, disse em uma conferência que os bancos para liderar a oferta serão escolhidos “em breve”. A má notícia para os investidores americanos é que a Aramco, a empresa mais lucrativa do mundo , deve ser listado apenas em Riyadh, seguido por uma listagem internacional – provavelmente em Tóquio – em uma data posterior não especificada.

4. Boris se frustrou, novamente

A libra esterlina consolidou ganhos recentes depois que a Câmara dos Comuns do Reino Unido frustrou os planos do primeiro-ministro Boris Johnson de realizar uma eleição geral antes da separação programada do país da UE em 31 de outubro.

A derrota – a sexta de Johnson no Parlamento em pouco mais de uma semana – reduz ainda mais a chance de um Brexit desordenado em 31 de outubro, embora o descontentamento popular pelas manobras no Parlamento ainda signifique que Johnson poderia sair vencedor de uma eleição quando finalmente acontecer.

O projeto liderado pela oposição exigindo que Johnson solicitasse à UE uma extensão do prazo do Brexit entrou em vigor na segunda-feira. Os dados divulgados anteriormente mostraram que o mercado de trabalho do Reino Unido está surpreendentemente bem, sugerindo que o Reino Unido evitará entrar em recessão no terceiro trimestre.

5. PG&E propõe plano de reorganização

A PG&E, da Califórnia, apresentou um plano para liquidar bilhões de dólares em ações relacionadas a incêndios florestais e sair da falência no próximo ano e escapar de seus credores.

A proposta preliminar prevê o aumento de bilhões em dívidas e patrimônio para cobrir danos causados ​​por incêndio e emergir do tribunal de falências até junho de 2020, segundo o The Wall Street Journal. Mas o passivo da PG&E por anos de demissões ainda é incerto e a empresa ainda não decidiu exatamente como irá arrecadar o dinheiro, segundo o WSJ, citando documentos relevantes arquivados no tribunal.

COMENTE VIA FACEBOOK

Deixe uma resposta