Como e Por Que Investir no Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Dinheiro - Foto: Portal Canaa

O Brasil é um país em transição. Segundo os dados do Fundo Monetário Internacional (FMI) de finais de 2020, classifica-se como a décima segunda maior economia do mundo, com um PIB de $1,363 trilhões, e continua a se recuperar de uma recessão devastadora alimentada pela incerteza política, as altas taxas de desemprego e a inflação, para não mencionar os efeitos contínuos da pandemia global da COVID19.

O FMI prevê que a economia do Brasil se contraia cerca de 3,7% em 2021. Depois de ser eleito em 2018, o presidente Jair Bolsonaro priorizou a reforma da previdência, mas em 2019 a consultoria Kearney removeu o Brasil da sua lista dos 25 países mais confiáveis ​​para investimento estrangeiro —Lista na que tinha estado desde seu início em 1998. No entanto, voltou a integrar a lista em 2020.

Em 2015, segundo a consultoria Deloitte, durante o pico da sua recessão, o investimento estrangeiro no Brasil caiu um terrível 23% em relação a 2014. Em 2016, aumentou ligeiramente, só para cair novamente em 2017. O entusiasmo dos investidores tem melhorado desde então , e os investimentos têm crescido constantemente desde 2018, embora permaneça significativamente abaixo do seu pico recente de $101,2 bilhões em 2011, e tenha experimentado uma queda vertiginosa em 2020 em comparação com 2019, devido em grande medida à pandemia global.

Benefícios

Como no caso da maioria dos mercados emergentes, investir no Brasil envolve uma compensação entre risco e recompensa porque a instabilidade política e a dependência dos produtos básicos o tornam mais arriscado do que os mercados desenvolvidos. Os investidores internacionais conhecem melhor o Brasil por seus ricos recursos naturais. Segundo o Observatório da Complexidade Econômica (OEC), a exportação número um do Brasil é a soja, e é responsável por quase 14% de todas as exportações do país, totalizando $33,2 bilhões em setembro de 2020. Além dos seus extensos campos de petróleo, o país é o segundo maior produtor de ferro do mundo, atrás da Austrália, exportando $20,5 bilhões e produzindo mais etanol do que a Ásia e a Europa juntas.

Esses recursos lhe ajudam a produzir com baixo custo uma ampla variedade de bens industriais e de consumo, ao mesmo tempo em que atua como um fornecedor-chave de matérias-primas para países como China, EUA e Argentina, que são os seus três principais destinos de exportação, liderados pela China que recebe $64,3 bilhões das exportações do Brasil, enquanto os EUA e a Argentina são concorrentes distantes com $29,3 bilhões e $15,0 bilhões, respectivamente.

O país também tem uma economia relativamente estável. Depois de ir a caminho da estabilidade fiscal e liberalizar sua economia na década de 1990, o Brasil tornou-se uma economia de primeira linha, com um setor tecnológico em crescimento e focado em si mesmo, para reduzir a dependência dos produtos básicos.

O setor da tecnologia em crescimento, e o aumento dos gastos do governo para melhorar a infraestrutura, devem ser um sinal encorajador para os investidores de longo prazo.

Riscos

Um dos riscos principais de investir no Brasil é a sua instabilidade política; têm uma história política um tanto volátil que persiste até hoje. Em 2015 e 2016, muitos funcionários estiveram vinculados às atividades criminosas conjuntamente com a Petrobras, a gigante petrolífera parcialmente do estado.

Estes escândalos levaram a que a então presidente Dilma Rousseff, fosse acusada e condenada em agosto de 2016. As punições contra as empresas envolvidas nestes escândalos limitaram algumas das oportunidades de negócios, o que gerou oportunidades para empresas estrangeiras entrarem e retomarem onde tinham ficado.3

O Brasil também é mais dependente das exportações do que países desenvolvidos como os EUA, embora também dependa fortemente do financiamento externo. Como resultado, a desaceleração dos produtos básicos afetou a economia.

Melhores Maneiras de Investir

As oportunidades de investir no Brasil variam de fundos negociados na bolsa (ETFs) listados nos EUA a títulos listados na sua própria bolsa de valores, Brasil Bolsa Balcão S.A. (B3). Segundo a plataforma de negociação Deriv, os ETFs brasileiros mais populares incluem:

  • iShares MSCI Brazil Index ETF (NYSE: EWZ)
  • VanEck Vectors Brazil Small-Cap Index ETF (NYSE: BRF)
  • Global X Brazil Consumer ETF (NYSE: BRAQ)

Outra forma de investir em ações brasileiras é comprando ações da American Depository Receipts (ADRs), que são cotadas em dólares e vendidas nas bolsas de valores americanas, mas representam ações de empresas estrangeiras. Os ADRs mais populares do Brasil incluem:

  • Petroleo Brasileiro SA ADR (NYSE: PBR)
  • Vale SA ADR (NYSE: VALE)
  • Itaú Unibanco Holding SA ADR (NYSE: ITUB)

Os investidores internacionais que procuram exposição direta podem comprar títulos brasileiros diretamente por meio de muitas plataformas de negociação global com acesso ao B3. Aqueles que querem investir diretamente precisam contratar entidades locais para atuar como custodiantes de contas de corretagem e se registrar no Banco Central do Brasil e em outros órgãos reguladores e fiscais.

O índice mais popular do B3 é o Índice Bovespa (IBovespa), que representa a maior parte da capitalização do mercado total da bolsa.

O Resultado Final

É bom para qualquer investidor diversificar o seu portfólio, e uma das principais formas de fazê-lo é investindo em ações internacionais. Com sua economia em crescimento, e se recuperando de uma recessão, o Brasil é um país de interesse para muitos investidores em potencial. Mas antes de investir nas empresas brasileiras, é importante observar o estado do seu clima político e as perspectivas da sua indústria exportadora.

Deixe uma resposta

Leia mais