“Na contramão da crise”: S11D é destaque em publicação nacional

A jornalista Paula Bezerra foi quem escreveu a reportagem que foi destaque na revista Isto É Dinheiro. No texto, ela destaca a estabilidade no Produto Interno Bruto (PIB), em 2015, como fator importante para atrair empresas e investimentos neste novo ano. Especialistas ouvidos pela Revista também disseram que o Pará deve seguir neste ritmo de crescimento neste ano.

Na reportagem foram mencionadas as empresas Vale, por meio do projeto S11D, que gerou 2.600 postos de empregos permanentes nos últimos três anos. A empresa de arames Sinobras, do Grupo Aço Cearense, também enxergou um leque de oportunidades no local e investe R$ 760 milhões para ampliar sua capacidade de produção.

Confira em primeira mão a reportagem completa da revista Isto É Dinheiro:

A primeira jazida de minério de ferro descoberta pela Vale na região de Carajás, no sudoeste do Pará, em 1967, mudou a história da empresa e colocou o Brasil no mapa da mineração mundial. Passados quase 50 anos, a mineradora está prestes a dar um novo passo histórico com a conclusão do projeto Ferro Carajás S11D, prevista para o segundo semestre deste ano. Ao todo, serão US$ 17 bilhões (cerca de R$ 67 bilhões) em investimentos, um dos maiores da história da Vale.

Na primeira fase, que teve início em 2013, foram aportados US$ 6,8 bilhões para aumentar o complexo minerador, que teve sua capacidade mais que dobrada para 230 milhões de toneladas métricas anuais. Na fase atual, os US$ 10,2 bilhões estão sendo utilizados para melhorar a logística da região, com a expansão da Estrada de Ferro de Carajás e a remodelação das linhas já existentes. A Vale, que enfrenta desafios como a revisão de todos os seus investimentos, a catástrofe ambiental da controlada Samarco e o prejuízo de R$ 44,2 bilhões no ano passado – o primeiro resultado negativo desde a sua privatização, em 1997 –, vê no Pará uma chance de mudar a sua realidade.

Assim como a mineradora, outras empresas olham o potencial paraense. O estado se tornou um importante pólo de atração de novos negócios. Nos últimos três anos, esse interesse da iniciativa privada ajudou o Estado andar na contramão do Brasil. No ano passado, por exemplo, foi o único a não ter recessão no Produto Interno Bruto (PIB) entre os 26 estados e o Distrito Federal. A estabilidade de 0,05% do PIB é um contraste à queda de 3,8% do País (leia reportagem completa AQUI). Esse resultado é fruto da vasta gama de recursos naturais que o Estado possui, o que atrai companhias.

Estudo feito pela Federação das Indústrias do Pará identificou um potencial de R$ 200 bilhões em investimentos até 2020. Essa é a base de um plano estratégico chamado de “Pará 2030”, elaborado pela consultoria McKinsey. O projeto avaliou 23 oportunidades de negócios que a região oferece, como logística, agricultura familiar, fomento da cadeia de açaí, a enorme possibilidade de geração de energia, com as hidrelétricas, e a extração de minério de ferro. “O objetivo foi elencar ações de Estado que devem ser tomadas para potencializar a economia local”, diz Arlindo Eira, sócio da McKinsey, responsável pelo trabalho. “O Pará tem uma aspiração agressiva de crescimento.”

A multinacional americana Cargill deu início à sua atuação no Estado em 1995, com a compra de amêndoas e cacau no município de Altamira. Com os anos, a empresa expandiu suas operações para cinco cidades, mas a falta de infraestrutura apareceu como um entrave. Sem tempo para esperar as iniciativas do setor público, a Cargill investiu na ampliação de terminais portuários, como o de Santarém. Em 2015, foram injetados R$ 240 milhões na obra para elevar a capacidade do local de dois milhões de toneladas anuais para cinco milhões. A ampliação do negócio acontecerá, também, após os R$ 180 milhões em investimentos na estação de transbordo de Miritituba, que teve início em 2014.

“O Pará é uma região extremamente estratégica para a Cargill”, diz Clythio Buggenhout, diretor de portos da companhia. “Acreditamos que esses investimentos vão contribuir de forma significativa para nossas operações.” A empresa de arames Sinobras, do Grupo Aço Cearense, também enxergou um leque de oportunidades no local e investe R$ 760 milhões para ampliar sua capacidade de produção. Na avaliação de especialistas consultados pela DINHEIRO, o Pará deve apresentar neste ano o mesmo ritmo de 2015.

Isso porque a composição da economia paraense é voltada principalmente às atividades extrativistas e à indústria de minério de ferro, fazendo com que o desempenho do estado se mantenha aquecido mesmo em tempos de recessão da economia nacional. No projeto da Vale, por exemplo, 2.600 postos de empregos permanentes foram gerados nos últimos três anos. Durante o pico das obras, em 2014, a companhia contratou cerca de 30 mil pessoas.

Investimentos como esse também têm impacto positivo na produção industrial local, que encerrou 2015 com crescimento de 5,7%, o maior do País. “Em termos relativos, o Estado está muito melhor que a média da economia nacional”, diz Rodolfo Margato, economista do banco Santander. “A estimativa é que o Pará continue atraindo novos aportes.” Embora o desempenho econômico tenha melhorado, o Pará ainda lida com a difícil missão de conseguir transformar sua realidade social.

No último censo realizado pelo IBGE, obteve o lamentável 25º Índice de Desenvolvimento Humano Médio (IDH-M) do País, à frente apenas do Maranhão e Alagoas. Em educação, os números são ainda mais desanimadores: 26ª posição, antes de Alagoas. O PIB per capita do Estado de R$ 16.475 é muito inferior à média nacional, de R$ 26.500. “Para contribuirmos para o desenvolvimento do Brasil, ainda precisamos nos desenvolver internamente”, diz o governador Simão Jatene. A economia tem tudo para ajudar.

“Queremos ser uma alternativa para as empresas”

Confira abaixo, a entrevista com o governador Simão Jatene (PSDB).

Por que o Pará não apresentou recessão no ano passado?
Nos últimos anos, houve uma redescoberta do estado. Não mais fundada numa ação do estado nacional, mas determinado em ações de mercado. A chamada integração do Pará ao padrão brasileiro foi muito positiva ao País e o estado se transformou no segundo maior saldo da balança comercial brasileira.

O que o sr. está fazendo para estimular o desenvolvimento local? 
Garantir segurança jurídica e passar credibilidade. Somos um estado que é cada vez maior na produção de energia e de minério. Não podemos continuar com a renda e os indicadores sociais que temos. Para isso, buscamos parcerias estratégicas com o setor privado e instituições internacionais, como o Banco Interamericano de Desenvolvimento. Não quero defender a crise, mas ao menos ela tira as pessoas da zona de conforto.

Qual é a importância dessas parcerias?

O estado sozinho tem resultados menores sem as parcerias com o setor produtivo. Temos um projeto no modelo de PPP para uma ferrovia no trecho Norte, que irá de Marabá a Barcarena, com investimentos de R$ 9 bilhões. Queremos ser uma alternativa para as empresas e mostrar nosso potencial em recursos naturais e minerais e de sol, terra e água.

Um dos maiores problemas que o Brasil enfrenta é relacionado à infraestrutura. Como o Pará pode avançar nesse quesito? 
O vetor da logística pode reduzir custo e elevar a produtividade do País. O trecho Norte, de Marabá a Barcarena, é um ótimo exemplo. As parcerias com empresas privadas, também. Isso só vai reforçar o que o resto do País já percebeu. Temos o porto mais próximo da Europa, dos Estados Unidos e, com o canal do Panamá seremos uma boa alternativa para a Ásia. O legado de infraestrutura é importante, principalmente porque não nos interessa ser apenas um corredor de passagem.

O sr. está à frente do projeto Pará 2030. Qual o objetivo do programa?

O Programa Pará 2030 avalia os principais focos de oportunidade que o estado possui para seu crescimento econômico. Avaliamos 23 setores, entre eles, agronegócio, turismo, gastronomia, mineração. Todos com grande possibilidade de crescimento e muito atrativos ao setor privado. São investimentos que contribuirão para elevar o nosso PIB construído em algo sustentável e harmônico.

Quais desses setores têm mais possibilidade de crescimento para os próximos anos? 

O agronegócio e a pecuária. Nossa estimativa é que, se aprimorarmos os recursos utilizados nas terras paraenses, cresceremos um pouco mais que a metade nos próximos anos. Há um enorme potencial de liberação de áreas para desenvolver de fato o agronegócio no Pará e estamos trabalhando para isso. Contamos, também, com o turismo e com a gastronomia.

Os índices sociais do estado estão bem abaixo da média nacional, como, por exemplo, os de educação.

A educação é fundamental para o progresso do Pará. Pensando nisso, elaboramos o programa Pacto pela educação. Ele está sendo formatado há algum tempo e busca elevar os números do Instituto de Divulgação Educacional Brasileiro (INDEB). No projeto, garantimos a permanência das crianças e jovens em escolas. Em 2015, investimos R$ 2,3 bilhões. O retorno vem gradualmente. Sem a educação não seremos capaz de superar os desafios expostos a economias globais.

Equipe de Redação do Portal Canaã

 

Deixe uma resposta