Médico envolvido com fraude e violação sexual é pego em Canaã dos Carajás

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

O médico com carteira suspensa, Homero Reinaldo Ordenez Ramos, de 55 anos, foi preso na tarde de sábado (4) na Delegacia de Polícia Civil em Canaã dos Carajás (PA), após ser pego de surpresa portando o termo referente ao Conselho Regional de Medicina (CRM), falsificado.

Homero Reinaldo teve sua farsa descoberta quando um funcionário da rede de saúde privada, local em que o mesmo trabalhava normalmente aqui em Canaã, desconfiou da conduta e o denunciou para a Policia Civil, que rapidamente se encaminhou para o local que ele estava agindo. Chegando ao hospital, a policia pediu a sua carteira de autorização para está trabalhando na área (CRM), mas assim que ele mostrou aos policiais, foi notado ilegalidade e descobriram que o medico tinha mais 5 CRMs suspensos pela justiça.

Em 2012, Homero Reinaldo Ordenez Ramos , contratado pela Prefeitura de Analândia (RO) foi condenado pela Juíza da 1ª Vara Criminal de Buritis de Rondônia a 3 anos de reclusão por crime de violação sexual mediante fraude. Houve recurso contra a decisão para o Tribunal de Justiça de Rondônia, ainda pendente de julgamento.

Acusado por crime de violação sexual, a denuncia narra que “a vítima procurou um posto de saúde devido a dores no peito e cólicas abdominais, acompanhada por uma menor de idade. Durante a consulta, o acusado determinou que a vítima retirasse toda sua roupa para a realização de um exame. Relutante, a vitima se despiu, deitou-se na maca, e, então, o medico introduziu o dedo indicador em suas partes intimas. Ainda no consultório, a menor foi submetida a ultrassonografia, sendo que, durante o exame, o médico passou a “gemer” tendo ainda, dito a vitima que seu canal vaginal era “apertadinho”, no intuito de satisfazer sua libido. Em razão desse mesmo fato, em 2014, a Juíza de Direito Michiely Aparecida Cabrera Valezi Benedeti, da 2ª Vara Civel da Comarca de Buritis (RO) condenou o médico e a Prefeitura de Buritis a pagarem R$ 15 mil de indenização por danos morais a vitima.

Ele nasceu em uma cidade do Peru, mas está registrado como brasileiro. Passou pelo estado do Amazonas, Mato Grosso, Rondônia, Rio de Janeiro, São Paulo e no estado do Pará, que teve novamente sua “novelinha” protagonizada por irregularidades e escândalos “desmascarada”. O médico peruano, com sua autorização falsificada, agora responde processo em liberdade.

Deixe uma resposta

+ Sobre