ENTREVISTA: Cleverson ‘abre o jogo’ e quer ser prefeito de Canaã dos Carajás

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Aos 39 anos, Cleverson Zajac falou sobre o futuro do município ao Portal Canaã, não escondeu o sonho de ser prefeito, mas reafirmou a sua posição: ‘Sou grupo e estou à disposição do governo’

Foto: Acervo Pessoal

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Cleverson Zajac mora em Canaã dos Carajás há quase 18 anos, município que chegou ainda jovem para prestar serviços de comunicação e acabou ficando. Quase duas décadas depois, conhecedor da cidade de antes e da cidade de agora, com experiência no setor público e privado, Cleverson não esconde o desejo de ser prefeito e revelou, em entrevista exclusiva ao Portal, o sonho de ver Canaã se transformar em uma cidade universitária.

Reconhecido como um dos maiores comunicadores do município e habilidoso articulador político, Zajac sabe dos desafios que terá pela frente, afirma que a cidade avançou muito e caminha para se tornar uma referência na região. Apesar do desejo de ingressar na política, Cleverson foi categórico ao afirmar. “Faço parte de um grupo político que mudou essa cidade e tenho muito orgulho disso. Estou à disposição do governo para ser candidato ou trabalhar o nome de outro. O que não podemos é deixar o trabalho parar” explicou.

Ainda na entrevista, Cleverson falou de polêmicas envolvendo seu nome, apresentou suas ideias, fez críticas e expôs sua visão polícia.

Confira abaixo:

Portal Canaã: Como foi sua chegada em Canaã dos Carajás e há quanto tempo está aqui?

Cleverson Zajac: Cheguei em Canaã em 2001. Vim pra cá pra fazer um trabalho esporádico, quando me deparei com o projeto de implantação de mineração do Sossego. Comecei a apresentar alguns trabalhos para a Vale e, depois, ingressei no serviço público, onde a Prefeitura me contratou para fazer alguns trabalhos de eventos e cerimonial, na época. A partir daí, iniciei uma rádio comunitária, desenvolvemos um trabalho de comunicação independente e ao longo deste ano eu tenho trabalhado praticamente dentro da comunicação; comunicação e cultura. Vim pra Canaã já com uma certa experiência. E, também dentro desse período, em uma época de alta do desenvolvimento na construção civil aqui, eu passei a trabalhar com obras, construindo casas. Construí 55 residências dentro de Canaã, entre outras obras de construção civil.

Portal: Você passou quanto tempo trabalhando na construção civil?

CZ: Comecei em 2010 e, até 2016, atuei em parceria com algumas empresas na cidade.

Portal: E no setor público, quando e como foi sua entrada diretamente?

CZ: Diretamente, entrei no ano de 2009, onde fiquei por um período na Assessoria de Comunicação. Mas, antes disso, fui prestador de serviços. Eu tive empresa de comunicação, prestei serviços para o poder público e privado na região e, em 2009, entrei diretamente com o cargo de assessor de Comunicação da Prefeitura, na gestão do Anuar. Fiquei por um período, me afastei e retornei em 2014, já dentro do governo do Jeová, na comunicação da Secretaria de Saúde. No segundo mandato do Jeová, a convite dele, assumi a comunicação oficial do governo, onde estou até hoje.

Portal: Seu trabalho na Ascom te fez enxergar algo a mais em Canaã?

CZ: Com certeza. Aqui é um canal onde você consegue ter ampla visão. Dá pra ver Canaã de baixo e de cima. É possível visualizar as problemáticas do dia-a-dia através do serviço público que é prestado no município. E também nas demandas de fora do serviço público a gente consegue ver Canaã com uma visão mais ampla, clara e, consequentemente, consegue encontrar as qualidade e as dificuldades da cidade.

Portal: Então, esse teu trabalho foi o pivô desse desejo de ser candidato a prefeito?

CZ: Na verdade, eu…. Posso entrar um pouquinho na minha infância? Aos 9 anos de idade eu já tinha vocação e desejo de ingressar na vida pública. Nem sabia direito do que se tratava a política, mas eu já tinha essa vocação de ser comunicador e, também, político. Houve uma época em que tive problemas de saúde (pneumonia) e enxerguei a necessidade do poder público cuidar de pessoas; e eu fui cuidado pelo poder público. Dalí então eu comecei a pensar muito nessa questão.

Portal: Você já se candidatou a algum cargo político?

CZ: Sim, uma vez. Em 2004, aos 24 anos, recém-chegado em Canaã me candidatei ao cargo de vereador. Tive uma votação bem expressiva, fiquei na suplência. Mas, o desejo já vem de muitos anos. Com o passar do tempo, com as experiências que a gente acumula no caminho, dentro da vida pública, sendo assessor, prestador de serviços, participando de grupos políticos… Eu fui presidente de partido em Canaã por muito tempo. Isso aí vai trazendo muita experiência, vivência e faz com que eu sinta desejo, realmente, de ingressar nesse caminho pra trilhar um projeto.

Portal: Por que esse desejo de ser prefeito de Canaã dos Carajás agora?

CZ: Esse desejo nasce pelo anseio de querer realizar as coisas e é natural. Você pode ser assessor, secretário, participar de uma gestão toda, mas você não é a pessoa que toma a decisão final. Então, acredito que essa seja uma experiência importante para um homem que tem o desejo de escrever uma história na vida pública. O desejo é de realizar o que eu sempre quis: transformar a vida das pessoas através do serviço público.

Portal: Então, você já está decidido sobre 2020?

CZ: Eu estou decidido a compor um grupo que vai vencer as eleições. Isso aí eu tenho certeza absoluta: nós vamos compor um grupo que vai vencer! Pretendo ser candidato, tenho isso em mente, sim, mas é a conjuntura política que vai dizer, pois não se vence uma eleição sozinho. Eleição se faz com grupo e hoje eu tenho um grupo de grandes amigos, grandes aliados que têm o propósito de transformar realmente nossa cidade, dar sequência no projeto de desenvolvimento de Canaã. Isso que é importante. Então, hoje nós temos aí o Gesiel Ribeiro do PHS, Dra. Josemira, que compõe o mesmo partido que eu, o MDB, temos o Zito Augusto que é um cara que tem uma história política grande em Canaã, o vice-prefeito Alexandre Pereira, que é um homem absolutamente dedicado a essa cidade e tem o desejo de vê-la melhor a cada dia, temos o presidente da Câmara, Wilson Leite e o vereador Walter Diniz. Eu acredito que a gente consegue fazer uma composição grande, única, pra poder vencer as eleições e dar sequência a um projeto grandioso para Canaã dos Carajás.

Portal: Você estando como prefeito, quais as medidas você tomaria como primordiais?

CZ: Dando certo e sendo eu a pessoa indicada pelo grupo e vencendo, claro, as eleições, o nosso objetivo é transformar a vida de Canaã dos Carajás. Nós entendemos que Canaã passou por alguns estágios e esse que está, que é o governo atual, do qual eu, inclusive, faço parte, é um governo que está trabalhando visando a infraestrutura, fazendo com que a cidade melhore a qualidade de vida com estruturas melhores, escolas melhores. Então, eu vejo esse momento como de construção nesse sentido: estrutura. Já em um processo seguinte, que é o mandato que virá a partir de 2020, tenho um pensamento de inovação e tecnologia. Eu vejo que Canaã já passa da fase de infraestrutura básica e passa a pensar mais alto, na infraestrutura de desenvolvimento econômico de fato.

Hoje já temos alguns programas que estão em curso, que irão gerar benefícios nos próximos anos, entre eles o distrito empresarial. Ele requer uma atenção especial por parte do poder público, incentivos maiores para que agregue mais empresas com real potencial de gerar empregos em Canaã. Na educação, acho que nós temos que melhorar o índice de desenvolvimento dos nosso alunos da rede pública do ensino médio, básico, fundamental, mas, sobretudo, eu vejo Canaã dos Carajás crescendo a partir de 2020 no Polo Educacional. Transformar Canaã em uma cidade universitária é um caminho. Para tanto, é necessário utilizar as receitas do Cfem e transformar isso tudo em potência econômica duradoura. Assim, a longo prazo, mesmo que a mineração deixe de existir, nós teremos uma cidade ativa economicamente falando. Essa é a principal pretensão: fazer Canaã dos Carajás uma cidade universitária e também reforçar o desenvolvimento econômico rural.

Portal: Quantos nomes você acha que Canaã terá nas próximas eleições?

CZ: Eu acredito que no máximo cinco nomes. Mas eu defendo muito o grupo: meu nome à disposição é em defesa deste grupo. A favor da união de pessoas bem intencionadas. Se o grupo entender que eu sou o nome correto para disputar as eleições, estou à disposição, preparado. Estudei para isso, dediquei minha vida. Ao longo dos meus 39 anos, me debrucei sobre a questão pública, portanto, tenho capacidade. Repito: Em 2020, o meu desejo é ser prefeito, mas esse desejo se torna menor diante do que for melhor para o grupo.

Portal: Qual a sua situação político partidária hoje?

CZ: Hoje eu estou no MDB. A minha vida se resumiu a apenas dois partidos, o PP – Partido Progressista, e ao MDB, que ingressei em 2014.

Portal: O partido da atual gestão…

CZ: Exatamente. Tanto do estado como daqui de Canaã.

Portal: Pode haver mudanças nesse cenário para realizar seu desejo de ser candidato?

CZ: Pode acontecer, tudo depende do grupo político. Hoje eu faço parte de um grupo desde as eleições de 2016. Com exceção ao Wilson Leite, todo viemos de uma campanha vitoriosa. Hoje o ingresso do Wilson leite é pelo fato dele ser um nome forte e ser presidente da Câmara também. Acredito que ele será parte dessa composição do governo pra poder tocar um projeto em 2020. Então, eu posso sim mudar de partido se o grupo entender que seja interessante, se houver necessidade.

Portal: Há um desejo seu de ser o escolhido pela gestão municipal?
CZ: Olha! Quem não queria ser? (risos) O maior opositor da gestão, com certeza, teria esse desejo de ser indicado pelo prefeito. Embora alguns critiquem ou elogiem, o apoio de Jeová Andrade, uma figura tão conhecida, competente e importante para a história de Canaã, reforça qualquer nome que venha se lançar no ano que vem. Então, com certeza, uma ajuda do Jeová é fundamental.

POLÊMICA

Portal: Como você falou, sempre esteve ligado ao entretenimento/rádio. Você teve um programa recente dentro de um grupo de comunicação e, repentinamente, ele foi finalizado. Como foi isso?

CZ: Pois é. O ingresso foi interessante, tive uma conversa com a direção da emissora. Há um bom tempo já vinha tratando sobre isso, de apresentar um projeto inovador, dinâmico que é a nossa veia. E ingressamos. Infelizmente, não sei por que razões, o período em que colocamos esse programa no ar ele não foi um dos melhores devido a questões políticas mesmo. Então, embora eu não tenha utilizado em nenhum momento do programa para benefício político, que não era o objetivo de fato do programa, ele foi encerrado. Acredito que no cenário político a popularidade e fama do programa acabou tendo certo peso, por isso se criou certa dificuldade de sequência: devido a um grupo político que faz parte da base de apoio da direção. Então o “comandante”, de forma cordial, pediu para que eu suspendesse o programa. Por questões políticas mesmo. Então, o encerramento se deu por isso, nada mais. Paciência. Acredito que a gente volte depois das eleições, independentemente dos resultados.

Portal: Após a saída desse programa, surgiu rumores que você estaria voltando por outro meio de comunicação. Em que pé está esse diálogo?

CZ: Após a saída da rádio, nós criamos uma proposta de ingressar na televisão local para darmos sequência a esse projeto e, também, em uma rádio online. Então, nós ainda estamos em construção, acredito que retornaremos em breve para dar continuação, pois isso não tem nada a ver com política, tem a ver com entretenimento mesmo pra fazer a vida das pessoas mais feliz. A nossa ideia era levar alegria aos lares das famílias. Em nenhum momento o programa foi pensado em política, foi só no entretenimento. Prova disso é que eu não era o destaque do programa, mas sim os personagens. O programa carregava o meu nome, mas todo o conteúdo era totalmente de entretenimento.

Portal: Há possibilidade de o Cleverson voltar por ar?

CZ: Há essa possibilidade em outra plataforma, pela internet. Na TV aberta há de se estudar. Já na rádio, é impossível antes do período eleitoral, haja visto que o programa foi encerrado por questões políticas. O próprio grupo sinalizou isso, que podemos retornar após as eleições.

Portal: Ao seu ver, nos bastidores, existe algum trabalho de desmobilização dos seus trabalhos?

CZ: Com certeza. Porque quando você passa a ter um destaque seja ele pequeno, médio ou grande, é um risco político e é natural que quem quer estar à frente desse processo, se ele tiver condições de ti desconstruir ele vai fazer. E já fizeram isso comigo, como a saída da rádio, por questões políticas que não era o nosso objetivo. E, consequentemente, em alguns projetos que a gente tem tentado levar a diante, dá pra ver que há interesses políticos por trás que acabam impedindo. Mas, isso não vai impedir de dar continuidade do programa que nós começamos lá no rádio.

Portal: Então, você enxerga que politicamente o nome Cleverson já causa algum tipo de impacto ou medo nos adversários?

CZ: Eu acho. Sou bastante conhecido na cidade. Resido aqui há quase 18 anos e sempre estive ativo na vida política do município, nas campanhas eleitorais, dentro do processo administrativo. Acho que, pra quem está na frente, os veteranos na política acabam sentindo que o novo pode ser um risco. Então, eu tenho uma identidade veterana em Canaã, mas sou novo na política. Como eu despertei o interesse em ser candidato em 2020, sou tido como o novo e isso, geralmente, causa espanto. Talvez isso pode ter ocasionado alguns cortes. Fui tolhido de alguns direitos que eu poderia estar executando na comunicação e acaba que isso atrapalha um pouco.

Portal: Você acha que o próximo gestor de Canaã dos Carajás vai receber uma cidade com a infraestrutura pronta?

CZ: É, ele vai pegar uma cidade muito bem estruturada. Há de se concordar que muito ainda há de ser feito, porém muito já foi executado. Eu acredito que o próximo gestor vai ter menos dificuldades na questão de infraestrutura, por isso que eu penso que ele já deve pensar e criar novos mecanismo, efetivos, de grandeza para Canaã dos Carajás. Pensar Canaã grande, na indústria, na educação de nível superior e na economia rural.

EDUCAÇÃO / POLO UNIVERSITÁRIO

Portal: Você falou que o foco é inovação e educação. O Polo Universitário é possível em Canaã?

CZ: É possível e está se tornando real. Mas eu acredito muito que nós devemos ter foco e objetivo, ou seja, concentrar toda a nossa potencialidade econômica para dentro dele, fomentar o máximo a educação de nível superior. Ela é importante, está sendo dado o real valor, mas eu acredito que nós temos que direcionar com muito mais intensidade esse setor, que ele é quem vai mover Canaã dos Carajás nos próximos anos.

Portal: O que leva Canaã nunca ter avançado na educação superior ou tem avançado, no seu ponto de vista?

CZ: Canaã demorou muito em se pensar em nível superior, muito, muito mesmo. Acho que faltou um pouco mais de agilidade lá no passado para se pensar em desenvolvimento educacional. Mas, de uns tempos pra cá, o foco da administração atual tem sido na educação de nível superior e isso é positivo. Dar importância ao ensino superior é um dos maiores acertos da atual gestão.

Portal: Então, Canaã tem avançado neste quesito de educação ou tem algo a mais a ser feito?

CZ: Tem dado início, né? O Polo é prova disso; já tem algumas universidade se instalando em Canaã, alguns polos educacionais de ensino superior. Eu acredito que nos próximos anos, Canaã deve, e, deve ser mesmo, uma cidade universitária, se a gente se debruçar sobre isso. Não tem outra alternativa econômica para Canaã se não a Educação. Com as universidades, você vai trazer a juventude, vai eliminar a evasão de alunos que saem de Canaã para fora, que passam de 600. Essa evasão é, inclusive, financeira. Cada aluno que sai é dois, três mil reais pra fora. Então, a gente que trazer essa juventude pra Canaã e inverter esse tipo de investimento. Inclusive, com os campus universitários, a gente consegue trazer indústrias. Além de preparar pessoas para os próprio projetos de mineração, que hoje não fazemos. Ciência e Tecnologia é o que nós temos que ter aqui hoje.

Portal: Agora, pensar em Polo Educacional tem a demanda de mão de obra educacional… De onde vem essas pessoas para manter esse polo?

CZ: Hoje, por exemplo, já está se trabalhando nisso. Os cursos que estão sendo dados aqui são de pós-graduação, já preparando algumas pessoas para poder ingressar no corpo docente das universidades. Com certeza nós temos essa deficiência ainda aqui em Canaã. Temos que qualificar alguns profissionais de nível superior, prepará-los para que eles possam fazer parte do grupo de educadores. Os que faltarem, o município deve procurar e fazer parcerias e trazer esses profissionais. O que não podemos é aceitar que Canaã dos Carajás fique para trás na educação. Temos que transformar essa cidade em um polo regional de educação, transformar Canaã dos Carajás em referência em nível superior, inclusive com cursos de medicina. Temos capacidade e condições pra isso.

Portal: Em se tratando da educação básica, como você a avalia hoje no município?

CZ: Olha, os índices por si só já falam: Canaã ainda tem um déficit no desenvolvimento educacional. Nós temos grande escolas, professores muito bons, todas as estrutura no município são de alto padrão de qualidade, mas ainda temos essa dificuldade de sair desse patamar do índice de desenvolvimento. Eu acredito que o governo tem se empenhado nisso aí e resultados virão. Acredito que Canaã tem tudo para poder potencializar mais na qualidade de educação de nível básico. Nós temos que melhorar! Como? Trazendo mais formação para os professores e os qualificando ainda mais para que eles estejam, verdadeiramente, cada dia mais preparados e com metodologias mais inovadoras para poder colocar esse alunos mais preparados para ingressar no nível superior. Nosso sonho é que o alunos comecem o pré-escolar, passem pelo básico, médio, se formem no nível superior e façam mestrado em Canaã dos Carajás.

EMPREGO E RENDA

Portal: Canaã sofre muito, hoje, com a falta de mão de obra qualificada e, as pessoas penalizam muito a mineradora que detém maior poder no município, mas, no seu ponto de vista, enquanto gestão, a quem cabe essa responsabilidade de qualificar o cidadão?

CZ: Com certeza o poder público é o responsável direto. Ele tem que trabalhar pra trazer, realmente, essa qualificação para os munícipes. Sabemos da implantação que foi gigantesca, Canaã não estava preparada, o Pará não estava preparado, nem o Brasil. Por que a maior parte da estrutura física e pessoal que veio para a implantação, veio de outros países. Então, o próprio Brasil não estava preparado para uma expansão e implantação tão grandiosa como o S11D. Mas agora, na parte de operação, nós temos condições de qualificar esse pessoal para trabalhar e começar a sair pessoas formadas aqui de Canaã para dentro do projeto de mineração. Assim também, como no projeto agrícola. Nós podemos criar aqui a faculdade que vai criar novos profissionais da área rural, como novos engenheiros florestais, ambientais, além de agrônomos, veterinários. Isso tudo nós temos e podemos construir aqui em Canaã dos Carajás. Vale lembrar que Canaã já vai ter, a partir de agosto, o primeiro curso de Agronomia, o que será um importante passo para o município.

Portal: Como resolver a questão da empregabilidade no município, o desemprego notório?

CZ: Qualificar a mão de obra local é um dos primeiros passos para que a sociedade consiga compreender que Canaã dos Carajás vive da mineração. Então, se aqui nós não temos qualificação pra isso, daí nós temos uma montanha de pessoas desempregadas. O que eu entendo, é que o município tem que ter duas coisas: qualificação e serviço. A abertura do mercado de trabalho. Como eu venho pensando que Canaã dos Carajás tende a caminhar pela infraestrutura atual, o que nós vamos precisar? De mão de obra qualificada na área da construção civil. Então nós temos que preparar a mão de obra que está desempregada para isso, que é o grande momento.

Portal: Sim, mas você enquanto gestor, como agir para diminuir o desemprego, de forma prática?

CZ: Canaã caminha agora para o desenvolvimento na área de infraestrutura, com o anúncio do pacotes de obras. A forma que a Prefeitura tem para diminuir o desemprego é com obras públicas. O município ainda tem muitas a serem realizadas e o governo do futuro tem que pensar nisso.

Mas, paralelo isso, é preciso buscar incentivos, buscar empresas para se instalarem aqui para gerar emprego, elas precisam ser incentivadas. E fortalecer o homem do campo, para que ele também gere emprego. Hoje, o campo também gera emprego no Brasil, mas é preciso rever essa questão, pois já não funciona mais através da foice e enxada. É hora de mecanizar a área rural.

Portal: E como seria a participação do governo nesse processo de mecanização do homem do campo, assistencialista ou incentivadora?

CZ: Hoje nós temos o Fundo de Desenvolvimento Econômico, que atende os pequenos produtores e empreendedores locais e já se estendeu para área rural. Nós podemos potencializar esse investimento para o setor agrícola, dando condições de mecanizar a terra, comprando equipamentos, estrutura, patrulhas mecanizadas de alta tecnologia.

Portal: É possível criar uma nova matriz, que outrora era o agronegócio ou fortalecer esta que praticamente sumiu para dar espaço à mineração?

CZ: Eu entendo que se nós focarmos, repito mais uma vez, na educação de nível superior, não esquecendo o princípio que é o básico, fundamental e médio, e também focarmos de volta na cadeia produtiva rural, temos tudo pra ter uma grande matriz econômica, mas agora com muito mais tecnologia. Acho que nós temos que tirar a enxada da mão do produtor e colocar ele na mecanização rural. Assim, nós podemos levar pra ele a condição de que ele não precisa utilizar mais as mãos para tirar o leite e sim a ordenha, que não precisar plantar com a matraquinha, mas utilizar uma máquina até para realizar a colheita. Nós temos um espaço de terra não muito grande, mas suficiente para atender não só a agricultura familiar, mas também o agronegócio. Nós temos condições, sim, de fazer de Canaã dos Carajás uma matriz econômica na área rural, sem dúvida nenhuma.

ECONOMIA / DESENVOLVIMENTO

Portal: Com a receita crescente de Canaã, o município tem aproveitado ou é possível fazer mais com esse aglomerado de riquezas?

CZ: É, a riqueza de Canaã é extraordinária, tanto em solo quanto também em pessoas. Hoje nós temos uma comunidade muito dedicada para querer ver, realmente, o desenvolvimento do município, isso é fundamental, não basta só ter dinheiro tem que ter vontade também.

Desde 2004, o município recebe compensação de receita que é a Cfem. Canaã utilizou dentro das condições tinha e que precisava atender, caminhou até razoavelmente bem, mas entendo que daqui pra frente nós temos que aplicar esses recursos de uma forma que ele tem que voltar como benefício permanente para o município: ou seja, a criação de novas matrizes econômicas. É isso que eu sempre tenho pensado. É usar o dinheiro do minério para se investir em outro seguimento, em outra matriz e que ela tenha sustentabilidade para que a roda da economia aja naturalmente. Como eu sempre falo, o minério é previsível de findar e quando isso acontecer ou tiver algum colapso mundial, Canaã não pode parar. Hoje, se parar a exploração mineral por 30 ou 60 dias, Canaã entra em crise total, pois ainda não temos outra matriz.

Portal: Você que está dentro do governo, esse dinheiro, ao seu ver, está sendo bem gerido?

CZ: Sim. O governo tem aplicado na infraestrutura. Então, o governo entendeu isso, planejou e colocou no PPA o investimento em infraestrutura. A gestão entende que está caminhando de forma correta e no planejamento dele.

Portal: Pra você, essa prioridade [infraestrutura], é o correto para Canaã?

CZ: Olha, o principal para você atrair grandes empresas, investimento de fora é ter uma energia de qualidade para atender a todos. Para trazer o ensino, você tem que ter a estrutura para receber. Eu acredito que o município tem feito a lição de casa de forma correta e organizada para poder receber o próximo passo. O que é necessário a gestão tem feito.

Portal: E como seria a relação do governo Cleverson com as empresas de mineração? Sabendo que além da Vale Canaã pode ter outras, pois são vários projetos de pesquisa mineral no município.

CZ: Canaã é uma cidade dependente do ciclo mineral. Nós estamos em ascensão nessa área. É natural que o poder público tenha uma boa relação com essa empresas. Uma boa relação quando eu digo não é entregar tudo pra elas de mão beijadas. É exigir delas o que é de direito da sociedade, direito do cidadão. Mas não impedir de exercerem seus trabalhos aqui, é dar condições de das empresas trabalharem e exigir tudo que é de direito do município. Para mim, isso é uma grande parceria.

Portal: Você acha que até hoje a postura do município com a mineradora Vale tem sido positiva?

CZ: Olha, a Vale é uma parceria importante, isso é óbvio. É uma empresa gigantesca e fundamental para a nossa economia No entanto, empresas privadas, ainda que tenham toda atenção ambiental e social, pensam no seu lucro; o que é natural. Por isso, entendo que Canaã precisa de uma secretaria específica, com pessoas especializadas para tratar somente desta questão.

HABITAÇÃO

Portal: Outra questão de Canaã, além da empregabilidade é a moradia, nós temos a cidade repleta de invasões, ocupações nas margens da cidade, qual a forma de ser resolver isso?

CZ: Há quem diga que uma cidade só cresce através das invasões. Eu não concordo com isso. Uma cidade mais organizada tem condições de crescer. Às vezes as invasões acontecem pela falta de planejamento da própria cidade e também pelo excesso da exploração imobiliária que existe. E Canaã dos Carajás viveu isso, passou por um grande problema de ‘inflacionamento’ imobiliário, onde quase ninguém da classe baixa, assalariados, daria conta de comprar um terreno e construir. Por isso surgiram invasões. Isso aí é um problema que tem condições de ser solucionado…

Portal: Como?

CZ: Criando uma forma de habitação na área urbana colocando essas pessoas em locais apropriados. Porque hoje você vê Canaã dos Carajás, nas extremidades, pessoas vivendo com dificuldade. Temos que tratar isso com muito carinho e colocar essa população em condição de moradia melhor. O poder público, sobretudo, tem essa responsabilidade.

SEGURANÇA

Portal: Um ponto bastante crítico e criticado em Canaã dos Carajás é a onda de criminalidade, alguns até que colocam a segurança pública do município em cheque, como você enxerga essa questão da segurança?

CZ: Canaã teve muito mais problemas nos anos anteriores com a instalação do projeto S11D, e o índice de criminalidade era muito assustador. Depois, acalmou, e nos últimos anos não tem tido tão grande índice, mas pelo tamanho da cidade ainda é um índice muito alarmante. Já foi fortalecida a Polícia Militar. O prefeito, inclusive, tem ido constantemente a Belém para tratar disso e tem o sonho de que Canaã tenha uma companhia independente da PM, o que seria um importante reforço na nossa segurança.

Acredito que nós temos que pensar em Canaã um monitoramento eletrônico, já vai ser aplicado em alguns lugares. Temos que ter essa preocupação, também, nos bairros mais distantes do centro, aí é onde moram realmente o perigo.

Portal: Você vê a necessidade da cidade ter um policiamento municipal, a guarda? O que impede isso hoje?

CZ: Sim, é necessário. Hoje o que impede é a quantidade de habitantes, pois a lei não permite. Mas temos condição de criar mecanismos pra trazer isso, pois nós somos uma cidade totalmente atípica. Hoje nós temos uma população de 36 mil habitantes e 39 mil eleitores. Acredito que Canaã tenha 60 mil habitantes e é uma população flutuante, varia de mês a mês. É um efeito sanfona.

Portal: Pra finalizar, como seria um município ideal em uma possível gestão de Cleverson Zajac, do início ao fim?

CZ: O primeiro ponto, na minha cabeça, é, de fato, trabalhar incansavelmente na geração de emprego e renda. Esse é um ponto que a atual gestão começou a trabalhar e é preciso dar continuidade a isso, pois temos pessoas em dificuldade financeira e que precisam de emprego. Canaã dos Carajás é uma cidade rica e o povo precisa ser beneficiado por isso; este trabalho precisa ser continuado.

Segundo, melhorar ainda mais a nossa saúde. Canaã é referência em saúde pública em toda a região, mas é de conhecimento geral que nós podemos avançar nesse setor. E vamos, sem sombra de dúvidas, fazer um trabalho ainda melhor.

E, claro, quero ver Canaã dos Carajás uma cidade grande, estruturada, preparada para crescer ainda mais nos próximos anos. Mas, confesso que o meu maior sonho, caso fosse eleito prefeito, seria entregar os quatro anos de mandato com o curso de medicina funcionando em Canaã dos Carajás, além de outros cursos, com universidades atuando no município.

Se não for eu o escolhido do grupo, sem sombra de dúvidas, quero ajudar no trabalho para que o próximo gestor leve adiante as mesmas ideias que eu tenho. Canaã é uma boa cidade e o que eu quero, de coração, é trabalhar incansavelmente para fazer ela ficar ainda melhor.


Aviso: Assessores, ou pretensos candidatos que queiram realizar entrevista, entrem em contato com o Portal Canaã para agenda.

COMENTE VIA FACEBOOK

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: