Em período de Pandemia, abuso sexual contra crianças aumenta 250% em Canaã dos Carajás

No período de isolamento social, casos aumentaram cerca de 250% em relação ao mesmo período no ano passado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin

Os números assustam, preocupam e escancaram uma dura realidade em Canaã dos Carajás: a de crianças que correm perigo dentro de seus próprios lares. O Conselho Municipal da Criança e do Adolescente de Canaã dos Carajás (CMDCA) divulgou, nesta semana, números alarmantes.

No período de isolamento social, em que as aulas da rede municipal estão suspensas por conta do novo coronavírus, os casos de abuso sexual infantil aumentaram cerca de 250% em relação ao mesmo período no ano passado. O aumento exponencial e repentino dos casos reforça a ideia de que o abuso e a exploração infantil acontecem principalmente dentro de casa e pessoas mais próximas costumam ser os responsáveis pelo crime.

Presidente do CMDCA em Canaã, Euricélia Duarte falou sobre o problema.

“A violência sexual contra crianças e adolescentes é uma triste realidade. Ela atinge todas as classes sociais e religiões e não está relacionada ao nível de escolaridade. Além de ser crime e violar os direitos humanos, causa danos irreparáveis no desenvolvimento físico, psíquico, social e moral. O nosso trabalho é alertar a sociedade e trabalhar para que isso não aconteça.”

De acordo com a gestora do órgão, o momento é delicado e a atenção precisa ser redobrada. “Os casos aumentaram muito e é fato que as crianças estão mais vulneráveis neste período de quarentena. Portanto, é necessário ficar atento ao comportamento das crianças e procurar saber o que está acontecendo; essa demanda é urgente.”

Vale lembrar que maio é, tradicionalmente, o mês de combate ao abuso e exploração sexual de crianças. Em 2020, em virtude da pandemia do novo coronavírus, não haverá caminhada em alusão à luta, realizada sempre no dia 18 de maio.

“Estamos impedidos de reunir pessoas para reforçar a luta nas ruas, mas vamos combater este crime orientando e fiscalizando os lares. Essa é uma luta de toda a nossa sociedade” finalizou Euricélia.

Deixe uma resposta

+ Sobre