Coração de Eloá, morta há 10 anos, bate no peito de moradora de Canaã dos Carajás

Maria Augusta carrega órgão de Eloá Pimentel desde outubro de 2008, quando estudante de 15 anos foi morta por Lindemberg Fernandes.

Foto: Reprodução/Arquivo pessoal

O coração de Eloá Cristina da Silva Pimentel, adolescente morta a tiros pelo ex-namorado em outubro de 2008 durante emblemático sequestro em Santo André, ABC, bate há dez anos no peito de uma simpática vendedora de roupas em Canaã dos Carajás, interior do Pará.

Maria Augusta da Silva dos Anjos, de 48 anos, tinha um grave problema cardíaco: o ventrículo direito dela funcionava, mas o esquerdo não bombeava sangue corretamente e, por isso, precisava de um transplante. A comerciante recebeu o coração de Eloá, doado pela família da jovem de 15 anos, no dia em que completou 39 anos.

Homenagem dos empregados da Vale pelos 24 anos de Canaã dos Carajás

“Agradeço à mãe de Eloá [a recepcionista Ana Cristina Pimentel da Silva] por ter permitido a doação dos órgãos da garota”, disse Augusta, por telefone ao G1. “Após o transplante, às 8h do dia 20 de outubro, data do meu aniversário… amanheci com o presente novo, com o coração novo”.

Aposta simples de R$ 3,50 levou R$ 27,3 milhões de concurso da Mega-Sena em Marabá

Ana Cristina, mãe de Eloá, disse à época que não pensou duas vezes para decidir doar os órgãos da filha. “Não tive dúvida. Quando os médicos vieram falar comigo, eu já estava decidida”, comentou a recepcionista numa entrevista em 2009. A reportagem não conseguiu localizá-la nesta semana para falar do caso. (G1)

Reprodução/Acervo pessoal
COMENTAR COM FACEBOOK