Justiça barra MST no julgamento de Lula

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

O juiz Osorio Avila Neto, da Justiça Federal do Rio Grande do Sul, decidiu proibir o acampamento de manifestantes no parque Maurício Sirotski Sobrinho (Parque Harmonia), em Porto Alegre. O local é vizinho ao prédio do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem julgamento marcado para o dia 24 de janeiro.

Neste dia, Lula deve ser julgado no chamado processo do tríplex, da Operação Lava Jato, no qual já foi condenado em primeira instância. Se a condenação for confirmada, Lula pode ficar impedido de disputar as eleições presidenciais de 2018 e até mesmo ser preso.

A decisão foi tomada na noite de quinta-feira (28) em processo aberto quatro dias antes pelo MPF-RS (Ministério Público Federal no Rio Grande do Sul). A ação do MPF-RS foi movida contra o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra), que anunciou no dia 15 a instalação de um acampamento na capital gaúcha em paralelo ao julgamento de Lula para apoiar o ex-presidente.

Apesar de o MPF ter entrado com a ação contra o MST, a proibição determinada pelo juiz não mira um movimento social específico. Avila Neto proibiu a “formação de acampamento no interior do Parque Maurício Sirotski Sobrinho [também conhecido como Parque Harmonia], e em seus terrenos e estacionamentos lindeiros”, assim como nos arredores do TRF-4 e dos demais prédios públicos da região. A proibição já está valendo e fica em vigor, segundo a decisão, até três dias depois do julgamento. Com informações do UOL.

Veja também:  Bolsonaro sanciona orçamento com 51.391 vagas para concursos em 2020

 

+ Sobre