Sem consenso, votação do novo Estatuto do Desarmamento é adiada

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

O presidente da Comissão Especial que analisa mudanças no Estatuto do Desarmamento (PL 3722/12 e apensados), deputado Marcos Montes (PSD-MG), decidiu nesta quinta-feira (8) adiar para o dia 20, às 14 horas, a votação do substitutivo proposto pelo deputado Laudivio Carvalho (PMDB-MG), relator da proposta.

“Esse novo estatuto não desarma o cidadão, mas estabelece requisitos objetivos de controle para a aquisição de armas de fogo e para a concessão do porte”, diz Carvalho no parecer.

Adiamento

Por sugestão de diversos deputados, o parecer de Carvalho, que já está na sétima versão, não será mais alterado, cabendo apenas modificações de redação e a apresentação de destaques para a votação em separado.

Alguns deputados questionaram o excesso de boa vontade do relator em acolher novas sugestões, o que, segundo eles, estaria dificultando o consenso em torno de um texto final. A última versão do substitutivo foi apresentada nesta quarta (7).

A ideia de duas semanas para ter mais tempo para análise do texto foi do deputado Claudio Cajado (DEM-BA). Ele sugeriu que os deputados utilizem a próxima semana para buscar um entendimento que permita a votação de um texto mais consensual na semana seguinte.

“Eu mesmo apresentei destaque, porque não concordo com a previsão de porte de arma para maiores de 21 anos. Acho que é muito cedo”, disse Cajado, que também criticou a inclusão no relatório de novas sugestões de parlamentares.

O texto do relator mantém praticamente todos os requisitos previstos pela lei atual para que o cidadão possa adquirir uma arma de fogo, apenas reduzindo a idade mínima para a compra e a posse (dentro da residência) para 21 anos. Entretanto, para a obtenção do porte (carregar fora da residência) de arma de fogo, foi mantida a idade de 25 anos.

O novo estatuto também garante, entre outras mudanças, a ampliação da lista de autoridades as quais será permitido o porte institucional de armas de fogo, mantendo as atuais categorias, mas com alguns acréscimos, como o porte de armas para deputados e senadores, para integrantes da Advocacia Geral da União (AGU), para auditores-fiscais e analistas tributários da Receita Federal do Brasil, para auditores-fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego, fiscais do IBAMA e agentes de segurança socioeducativos, entre outros.

Licença permanente 

O substitutivo cria ainda o Certificado de Registro e Licenciamento de Arma de Fogo, reforçando o caráter de licença e não de autorização. “É um título de propriedade e, por essa razão, não faz sentido sua periódica renovação. Por isso atribui-se a ele validade permanente em todo o território nacional”, disse Laudivio Carvalho em seu relatório.

Em relação ao porte de arma de fogo, são criadas ainda as figuras da licença pessoal; da licença funcional; da licença para o porte rural; e da licença de atirador e caçador.

Durante a discussão sobre o adiamento da votação, o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) defendeu uma proposta mais simples de revisão do Estatuto do Desarmamento. Segundo ele, a comissão especial não deve perder o foco que, segundo ele, é a vontade da maioria da sociedade de ter o direito de se defender.

“A principal demanda da sociedade brasileira é ter o direito à posse e ao porte de arma de forma responsável”, disse Lorenzoni. Para ele, nenhum governo pode dar ao bandido a garantia de que o cidadão não tem como se defender. “É isso que acontece no Brasil. O governo diz que o cidadão não pode defender sua família, seu patrimônio”, completou Lorenzoni.

Por sua vez, o deputado Alessandro Molon (REDE-RJ) defendeu o direito do relator de fazer alterações na proposta e sugeriu à comissão um prazo maior para analisar as alterações.

O deputado Major Olímpio (PDT-SP) pontuou o que considera avanços previstos no texto do relator, como a abertura de um caminho para permitir a legítima defesa e a ampliação do porte de arma para outras categorias profissionais.

Também favorável ao texto, o deputado Alberto Fraga (DEM-DF) criticou as mudanças de última hora e disse que é mais sensato votar a proposta em uma semana com mais tranquilidade.

Por discordarem do último texto do relator, os deputados Ivan Valente (Psol-RJ) e Guilherme Mussi (PP-SP) já apresentaram ontem (7), cada um, voto em separado. Ao todo, foram apresentados 9 votos em separados.

Redação do Portal Canaã com Informações do Jornal do Brasil

 



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas