Visitas alcançam 72,62% dos domicílios Paraenses

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

A primeira fase da mobilização nacional para o combate ao mosquito Aedes aegypti alcançou 88,8% dos domicílios e prédios públicos, comerciais e industriais brasileiros. As equipes para identificação de focos e orientação da população sobre medidas de proteção ao vetor foram a 59,6 milhões de estabelecimentos, entre os primeiros dias de janeiro e 29 de fevereiro. Os números fazem parte do balanço do primeiro ciclo divulgado pela Sala Nacional de Coordenação e Controle para o Enfrentamento da Dengue, Chikungunya e Zika (SNCC). Do total de imóveis visitados, 48,2 milhões foram efetivamente vistoriados e 11,3 milhões estavam fechados ou houve recusa para o acesso. O segundo ciclo da mobilização começou em primeiro de março.

Nesse primeiro ciclo, as visitas contaram com a presença diária de cerca de 266 mil agentes comunitários de saúde e 46 mil agentes de controle de endemias, e com o apoio de militares. Houve ainda a realização de ações especiais, como a participação de 220 mil militares em 13 de fevereiro, e de 55 mil militares de 15 a 18 de fevereiro, além do Dia de Mobilização Nacional da Educação Zika Zero, realizada em 19 de fevereiro, nas escolas de todo o país em parceria com os estados e municípios, envolvendo 60 milhões de pessoas, entre estudantes, professores e servidores técnicos administrativos e da educação superior em todo o país.

O número de vistorias para o combate ao Aedes aegypti realizadas em todo o país seguiu ritmo crescente durante todo o ciclo de mobilização. Na comparação com o último balanço da Sala, divulgado em 26/2, houve um aumento de 16,1% nas visitas. Foram 6,7 milhões de unidades a mais do que na semana anterior, quando o balançou registrou 41,5 milhões. Do total realizado no ciclo, 1,4 milhão foram de domicílios e prédios recuperados, ou seja, houve sucesso no ingresso de agentes e militares após recusa ou fechamento do local.

“A presença constante dos agentes e o destacamento de um número expressivo de militares, além da realização de ações envolvendo contingente especial, têm possibilitado o alcance de mais imóveis e municípios, convergindo para o nosso objetivo maior: a eliminação de focos do Aedes aegypti e a maior proteção da nossa população”, analisa o coordenador da Sala Nacional, do Ministério da Saúde, Marcus Quito.

Durante as visitas, 1,6 milhão de imóveis foram identificados com focos do mosquito, o que representa 3,36% do total de vistoriados. A meta é reduzir esse índice de infestação para menos de 1% de imóveis com foco.

Dez estados superaram as suas metas de visitação. Entre eles, Pernambuco foi a unidade que mais realizou idas a imóveis proporcionalmente, 187,2%, alcançando 5,3 milhões de estabelecimentos, além de 1,3 milhão de locais fechados ou com recusa de acesso. Rondônia vem logo atrás, com 166,3%, ou 789 mil. O estado contabilizou 56,2 mil imóveis fechados ou com recusa de acesso. Mato Grosso do Sul foi o terceiro em alcance percentual de imóveis, 121%, atingindo 1 milhão de unidades, com mais 231,5 mil fechadas ou com entradas impedidas.

Minas Gerais manteve-se na liderança dos estados com número absoluto de visitas. Durante esse primeiro ciclo, foram 7,9 milhões de locais com ingresso de equipes, com cumprimento de 110,8% da meta estadual. Depois, São Paulo aparece com 6,2 milhões de estabelecimentos vistoriados (38,3%), e 2,7 milhões de fechados ou recusados. Pernambuco foi o terceiro em números absolutos.

NOTIFICAÇÃO DOS MUNICÍPIOS – Ao todo, 93% das cidades, ou seja, 5.164 dos 5.570 existentes em todos os estados do Brasil notificaram as visitas no Sistema Informatizado de Monitoramento da Presidência da República (SIM-PR). Os dados são gerenciados pela Sala Nacional com base nas informações transmitidas pelas salas estaduais, a partir da mobilização para realização de visitas pelos municípios.

A base de imóveis a serem visitados considera os dados do Censo 2010, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atualizado com informações de outras pesquisas periódicas do mesmo instituto de pesquisa. Verificou-se que vários municípios possuem quantitativo superior de imóveis, principalmente em municípios pequenos, novos e com empreendimentos do Programa Minha Casa Minha Vida. Além disso, com a intensificação das ações de combate ao mosquito e a integração de vários agentes além dos órgãos de saúde, como Defesa Civil, bombeiros, policiais militares e voluntários, alguns municípios estão realizando e registrando no sistema mais de uma visita aos imóveis.

MOBILIZAÇÃO – A melhor forma de combater o Aedes aegypti é não deixar o mosquito nascer. Por isso, o governo federal convocou um esforço nacional para que todas as casas do país sejam visitadas para eliminação dos criadouros. As visitas domiciliares são essenciais para o combate ao vetor. No contato constante com a população, os agentes de saúde desenvolvem ações com os moradores, relativas aos cuidados permanentes para evitar depósitos de água nas residências.

Vale lembrar que, desde o dia 1º, o Governo Federal autoriza a entrada forçada de agentes públicos de combate ao Aedes em imóveis públicos ou particulares que estejam abandonados, ou em locais com potencial existência de focos, no caso de ausência de pessoa que possa permitir o acesso ao local. Para ficar comprovada a ausência de quem autorize a vistoria, é necessário que o agente realize duas notificações prévias, em dias e horários alternados e marcados, num intervalo de dez dias.

SALA DE SITUAÇÃO – O Governo Federal instalou a Sala Nacional de Coordenação e Controle do Aedes aegypti e para o Enfrentamento à Microcefalia para gerenciar e monitorar a intensificação das ações de mobilização e combate ao mosquito. A sala faz parte do Plano Nacional de Enfrentamento à Microcefalia, em resposta à declaração Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional.

A estratégia do governo federal é intensificar a mobilização nos diversos setores da sociedade. Coordenada pelo Ministério da Saúde, a Sala Nacional é composta pelos ministérios da Integração, da Defesa, do Desenvolvimento Social, da Educação, da Casa Civil e da Secretaria de Governo da Presidência da República, além de outros órgãos convidados. Todos os estados e o Distrito Federal instalaram suas salas de situação e estão desenvolvendo ações de mobilização e combate ao mosquito.

MICROCEFALIA – Entre 2015 e 27 de fevereiro de 2016, foram notificados 5.909 casos suspeitos de microcefalia, sendo que 4.222 permanecem em investigação, 1.046 foram descartados e 641 receberam confirmação. A associação entre a microcefalia confirmada e o vírus Zika está presente em 82 casos. Até o momento, 139 óbitos foram registrados associados à microcefalia.

UF Total de Imóveis Municípios com registro de visitas Imóveis vistoriados Imóveis recuperados Total de imóveis vistoriados Percentual de imóveis vistoriados Imóveis fechados e recusados
Total 67.097.881 5.164 46.878.489 1.412.714 48.291.203 71,97% 11.326.228
PE 2.833.053 176 5.228.626 75.955 5.304.581 187,24% 1.317.778
RO 474.400 52 779.287 9.737 789.024 166,32% 56.296
MS 892.480 70 1.058.548 21.256 1.079.804 120,99% 231.505
PI 841.957 223 953.052 7.821 960.873 114,12% 88.730
MG 7.189.307 845 7.593.113 373.708 7.966.821 110,81% 1.781.677
SE 611.386 75 658.223 19.218 677.441 110,80% 172.585
TO 447.460 83 468.120 10.861 478.981 107,04% 79.312
PB 1.177.843 222 1.194.538 37.704 1.232.242 104,62% 238.550
MT 1.047.747 136 1.003.891 42.921 1.046.812 99,91% 102.489
DF 930.622 1 831.150 8.076 839.226 90,18% 103.515
MA 1.477.966 193 1.300.744 14.243 1.314.987 88,97% 130.679
GO 2.343.397 246 1.989.685 22.898 2.012.583 85,88% 540.755
CE 2.495.573 184 1.863.856 55.544 1.919.400 76,91% 158.475
BA 4.440.393 417 3.178.230 139.168 3.317.398 74,71% 698.222
PA 1.840.433 137 1.302.575 33.901 1.336.476 72,62% 327.700
AC 213.679 13 140.388 1.922 142.310 66,60% 12.774
RJ 6.738.009 90 4.249.414 80.731 4.330.145 64,26% 964.466
PR 3.734.729 388 2.352.941 43.283 2.396.224 64,16% 532.260
AL 890.930 102 546.711 14.702 561.413 63,01% 129.861
RR 135.171 15 75.765 3.897 79.662 58,93% 17.743
RN 1.030.466 167 578.427 22.067 600.494 58,27% 145.577
AM 886.361 53 499.641 1.402 501.043 56,53% 84.119
ES 1.348.991 73 531.290 21.759 553.049 41,00% 181.737
RS 4.136.361 427 1.653.506 20.747 1.674.253 40,48% 346.920
SP 16.328.957 616 5.949.951 312.077 6.262.028 38,35% 2.771.017
SC 2.416.910 147 487.051 16.427 503.478 20,83% 74.258
AP* 193.300 13 409.766 689 410.455 212,34% 37.228

*Dados submetidos à reavaliação do estado.

 

>> combateaedes.saude.gov.br



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas