Canaã dos Carajás é o 5º Município com maior índice de casos de dengue, chikungunya e zika no Pará

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

A Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) divulgou nesta segunda-feira (21) o 13º Informe Epidemiológico sobre a situação da dengue no Pará. São 4.780 casos confirmados até o dia 18 de dezembro deste ano, um aumento de 48,35% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram registradas 3.222 ocorrências.

Dos 13 municípios paraenses com maior ocorrência da dengue, Belém lidera no ranking, com 1.156 casos confirmados, seguido por Parauapebas (369), Altamira (257), Senador José Porfírio (184), Canaã dos Carajás (148), Alenquer (128), Ananindeua (118), Breves (115), Marabá (72) e Santarém (32).

Chikungunya – O vírus da febre chikungunya também está controlado, e não há registros de transmissões ocorridas dentro do Estado. Em 2015, 14 casos importados da doença foram confirmados no Pará por critério laboratorial adotado pelo Instituto Evandro Chagas.

Os vírus da dengue, chikungunya e zika são transmitidos pelo mesmo vetor, o Aedes aegypti, e levam a sintomas parecidos, como febre e dores musculares, mas as doenças têm gravidades diferentes, sendo a primeira a mais perigosa. A dengue, que pode ser provocada por quatro sorotipos diferentes do vírus, é caracterizada por febre repentina, dores musculares, falta de ar e moleza. A forma mais grave da doença é caracterizada por hemorragias e pode levar à morte.

O chikungunya caracteriza-se principalmente pelas intensas dores nas articulações. Os sintomas duram entre dez e 15 dias, mas as dores articulares podem permanecer por meses e até anos. Complicações sérias e morte são muito raras. Já a febre por zika vírus leva a sintomas que se limitam a, no máximo, sete dias e não deixa sequelas. Não há registro de casos de morte provocados pela doença no Pará.

Zika – A Sespa também deixa claro que a preocupação com a zika segue os mesmos procedimentos em relação à dengue e chikungunya. Só em 2015, foram registrados 42 casos da doença no Estado. Todas as ocorrências foram confirmadas pelo IEC como autócones – quando a doença é contraída dentro do município. O tratamento para a zika é apenas paliativo, de suporte e de correção de sequelas. Logo, é preciso diminuir a incidência do mosquito transmissor.

Edna  Lima – Secretaria de Estado de Saúde Pública



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

4 respostas em “Canaã dos Carajás é o 5º Município com maior índice de casos de dengue, chikungunya e zika no Pará”

Achei super importante esse assunto. Mano da hora chegou meu colchão novo. Comprei aquele famoso colchão inteligente. Usei esse colchão teurapetico http://ocolchaointeligente.com.br Aí se me ajudou deve diminuir o nervosismo de alguém. Vê ai se fiz certo o endereço por favor. Alguém de vocês já ouviu falar? Disseram que melhora até insonia.

Muito interessante o conteúdo. Mas minha reclamação são essas dores. Quando tive uma crise de lombalgia, o médico me indicou desse colchão magnético . Alguém aqui conhece? Disseram que cuida até insonia.

Deixe uma resposta

Ofertas