Com tecnologia avançada 86% da água captada nas instalações do projeto S11D será reutilizada

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

A Vale desenvolveu uma tecnologia para beneficiamento a seco do minério de ferro no projeto S11D, em Canaã dos Carajás, no Pará, que dispensa a construção de barragens de rejeitos e reduz o impacto ao meio ambiente, disse no dia 26, Rodrigo Dutra Amaral, gerente-geral de Meio Ambiente da companhia, que participou de evento sobre gestão de água, realizado em Minas Gerais.

Amaral afirmou que, com a técnica, 86% da água captada nas instalações do projeto será reutilizada. Segundo ele, além do reúso da água, a tecnologia, chamada de beneficiamento a umidade natural ou a seco, reduz em 93% o consumo de água em relação ao processo convencional e permite uma economia anual de 18 mil MW de eletricidade.

O executivo esteve presente na quarta edição do LatAm Mine Water Conference, realizada no dia 26 e 27 no Ouro Minas Palace Hotel, em Belo Horizonte (MG). Ele falou sobre a gestão de recursos hídricos na Vale, que inclui o gerenciamento do recurso e as iniciativas de redução e reutilização da água em mineração e as áreas de conservação que a mineração possui.

Ele afirmou, durante a apresentação, que no sistema Norte existem cerca de 870 mil hectares de florestas protegidas, sendo que 400 mil hectares estão na Floresta Nacional de Carajás.

“Olhando o mapa da Floresta Nacional de Carajás, vemos que as áreas onde há mineração, não estão desmatadas, porque preservamos o local. Se não tivesse atividade minerária lá, provavelmente a área desmatada seria maior”, disse Amaral.

No Sistema Centro-Oeste, no Mato Grosso do Sul, são protegidos cerca de 202 mil hectares de vegetação nativa; em Linhares (ES), mais de 23 mil hectares são protegidos pela Reserva Natural Vale; e no Sistema Sudeste e Sul, a mineradora possui 18 Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) em áreas de operação de seus complexos e em bacias hidrográficas onde há nascentes e mananciais de abastecimento de água de municípios e comunidades.

O executivo afirmou que, segundo dados de um estudo realizado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), que foi publicado no fim do ano passado, o quadrilátero ferrífero tem uma área de 780 mil hectares, dos quais a mineração ocupa 2,7%.

“Desse total, a Vale ocupa 16 mil hectares, o que corresponde a 2% do total do quadrilátero.A Vale preserva 40 mil hectares, ou seja, três vezes mais do que ocupamos”, disse ele.

Por meio de suas RPPNs, a mineradora protege 409 nascentes da região, sendo 218 estão na bacia do rio das Velhas; 138 na bacia do Rio Piracicaba; 41 na bacia do Rio Paraopeba; e 12 na bacia do Rio Santo Antônio. “Nós reconhecemos os impactos inerentes da nossa atividade nos recursos hídricos e trabalhamos para garantir sua conservação, proteção e qualidade”, afirmou o executivo.

Redação do Portal Canaã com noticias da mineração.



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas