Polícia Federal afirma que esquema fraudulento no transporte escolar rural de Parauapebas pode passar de R$ 7 milhões

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram
Reprodução/PF

A Polícia Federal (PF) cumpriu na manhã desta terça-feira (18) sete mandados de busca e apreensão nos municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás que resultaram na prisão de autoridades e empresários.

Eles são acusados de fazer parte de um esquema de desvio de recursos do transporte escolar dos municípios, que envolve as empresas Canaã Transportes e Pavinorte.

De acordo com as investigações da Polícia Federal, funcionários públicos da prefeitura de Parauapebas e empresários se uniram com o propósito deliberado de desviar recursos, por meio de contratos fraudulentos e licitações fantasmas do transporte escolar rural.

A afirmação é do delegado da Polícia Federal de Marabá Antônio Carlos Cunha Sá, que coordenou a operação “Desfecho”, deflagrada na manhã desta terça-feira (18) nos municípios de Parauapebas e Canaã dos Carajás.

A operação “Desfecho”, como o nome sugere é desdobramento da operação “Terra Prometida” deflagrada em setembro de 2014 na sede da Prefeitura de Parauapebas.

Naquela ocasião, agentes da PF apreenderam computadores e documentos, cujos objetos foram periciados e aparentemente se constatou uma denúncia que a PF recebeu que aponta para um orquestrado esquema de desvio de recursos do transporte escolar rural.

A Polícia Federal cumpriu vinte mandados expedidos pela Justiça Federal de Marabá, sendo sete de prisão preventiva, nove de busca e apreensão e quatro de condução coercitiva.

  Onça-pintada: Parque Zoobotânico Vale tem novo residente

Segundo o delegado da PF, desde 2013 que o esquema estava em andamento e contabiliza-se pelo menos R$ 7 milhões desviados.

Basicamente o esquema funcionou por meio de contratos de supostas empresas prestadoras de serviço voltado ao transporte escolar de alunos da zona rural, entretanto a PF detectou que neste esquema, duas empresas se revezaram nesta suposta prestação de serviço com o objetivo deliberado de desviar recursos.

Os presos são: Gilson Silva Pinheiro; empresário dono da Canaã Transportes, Shirlean Rodrigues Costa, que à época do esquema era secretário adjunto de educação, a atual secretária, Juliana Sousa Santos, Sebastião Luís de Assis, coordenador de transportes, Ivan Viana Sobrinho, presidente da Comissão de Licitação.

O empresário Valdemar, dono da Pavinorte, bem como um sétimo suspeito são considerados foragidos já que têm mandados de prisões preventivas decretadas e podem ser presos a qualquer momento.

Todos os presos foram encaminhados para o Centro de Triagem de Marabá (CTM).

CONTRATO

Ainda segundo a investigação, no dia 28 de maio de 2013 a prefeitura de Parauapebas celebrou contrato com a empresa Canaã Transportes, cujo dono é o empresário Gilson Silva Pinheiro, preso, se propunha em transportar as crianças e por um ano iria fazê-lo.

  Surto de Coceira atinge escola de Canaã e alunos vão parar no hospital

Contudo, ainda de acordo com o que foi investigado pela PF, a primeira parcela deste contrato venceria com trinta dias e o empresário receberia algo em torno de R$ 650 mil no final do mês de junho, mas, por beneplácito, ou benevolência de um dos investigados, que a PF ainda não identificou, a empresa Canaã Transportes recebeu a primeira parcela na ordem de R$ 1,3 milhão e com antecipação de vinte dias.

Misteriosamente, ou de maneira deliberada esse contrato foi celebrado com a dispensa de licitação, ainda de acordo com a investigação e informações do delegado Antônio Sá.

“O que é mais grave de tudo isso é que estamos tratando de um setor importantíssimo para a sociedade, a educação das crianças”, comenta.

O policial vai mais além quando comentou que assim que expirou o contrato com a empresa Canaã Transportes, novamente a Prefeitura de Parauapebas, por meio da Secretaria de Educação, celebrou, ou fechou novo contrato de suposta prestação de serviço no transporte escolar rural, desta vez com a empresa Pavinorte.

Os acusados, em princípio devem responder pelos crimes de associação criminosa e fraudes.

Reportagem: DOL, com informações de Edinaldo Sousa de Marabá
Foto: Divulgação / PF

Divulgação: www.pebinhadeacucar.com.br

  Onça-pintada: Parque Zoobotânico Vale tem novo residente



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas