Parauapebas: Câmara autoriza crédito adicional de R$ 128,9 milhões para Prefeitura

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Quatro projetos de lei, de autoria do Poder Executivo Municipal, que autorizam o prefeito Valmir Mariano a fazer abertura de crédito adicional no orçamento vigente, no valor total de R$ 128,9 milhões, foram aprovados em segunda e última discussão, durante sessão extraordinária da Câmara Municipal, realizada nesta sexta-feira (23).

O primeiro projeto a ser apreciado foi o de nº 041/2015, que dispõe sobre a abertura de crédito adicional especial ao orçamento no valor de R$ 400 mil para a implantação e manutenção do Instituto Legislativo Parauapebense. Todos os vereadores presentes votaram a favor.

Outro projeto aprovado por unanimidade foi o de nº 046/2015, que trata da abertura de crédito adicional especial ao orçamento no valor de R$ 64 mil, a serem destinados ao Fundo Municipal de Saúde. O montante será utilizado como ajuda de custo para arcar com as despesas de aluguel e alimentação do programa “Mais Médicos”.

Já os projetos de lei nº 044/2015 e nº 045/2015 foram aprovados com votos contrários dos vereadores Antônio Massud (PTB), Joelma Leite (PT) e Charles Borges (SDD).

O Projeto de Lei nº 044/2015 trata da abertura de crédito adicional suplementar no orçamento vigente, totalizando R$ 53,7 milhões para atender às despesas com pessoal e encargos sociais.

  Onça-pintada: Parque Zoobotânico Vale tem novo residente

Por sua vez, o Projeto de Lei nº 045/2015 que dispõe sobre a abertura de crédito adicional suplementar no orçamento, totalizando R$ 74,6 milhões para custear despesas com investimentos em obras estruturais, equipamentos e materiais permanentes, bem como para acudir outras despesas correntes.

Para o vereador Massud, faltaram informações que justificassem a suplementação. Ele chegou a fazer um pedido de vistas aos projetos, mas a solicitação foi reprovada pela maioria. “Os projetos tinham que vir acompanhados dos empenhos. Antes de aprovar precisávamos saber o que foi feito com o orçamento. Aqui não diz o que pagou, onde gastou”.

Charles Borges também disse que faltaram transparência e clareza nos projetos. “Tínhamos um planejamento, um orçamento para zerar todos os encargos trabalhistas. Como é que gasta R$ 53 milhões a mais onde já tinha orçamento previsto?”, questionou, referindo-se ao Projeto de Lei nº 044/2015.

O parlamentar questionou ainda a falta de previsão de orçamento para a manutenção dos guardas municipais. Segundo Charles, a secretária de Fazenda, Maria Mendes, garantiu que haveria remanejamento de verba para o salário dos guardas. Entretanto, este ponto não foi especificado no projeto.

Joelma Leite manteve os votos contrários, assim como na primeira votação, por não concordar com o modo como foi feito o remanejamento.

  Onça-pintada: Parque Zoobotânico Vale tem novo residente

A análise das proposições foi realizada em conjunto pelas comissões de Justiça e Redação e de Finanças e Orçamento. O relator dos projetos, Euzébio Rodrigues (PT), informou que não faltaram documentos e explicou que antes das proposições serem encaminhadas para as comissões elas passam por análise da procuradoria legislativa.

“Se tivesse faltado documentos nem mandariam para a comissão. A suplementação anula rubrica de uma secretaria que não vai utilizar o recurso e aloca em outra que precisa”, justificou.

Euzébio Rodrigues enfatizou também que se o recurso ficar parado ele será alocado no orçamento do ano seguinte. Assim sendo, a abertura de crédito adicional é uma forma de não deixar o recurso parado e utilizá-lo no ano corrente em outras áreas que necessitem.

Os projetos serão encaminhados para a sanção do prefeito Valmir Mariano e entram em vigor a partir da data de publicação.

Texto: Nayara Cristina/Ascom-CMP



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas