Robótica será tema de mesa redonda e oficinas na 10ª Feira Estadual de Ciência

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

Tecnologia a serviço da educação de crianças e jovens será a tônica da mesa redonda “Robótica Educacional” que será realizada na programação da 10ª Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (Fecti), promovida pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Profissional e Tecnológica (Sectet), no período de 23 a 25 de outubro, na Estação das Docas, em Belém.

“Temos iniciativas realizadas no estado em que estudantes e professores utilizam a robótica no processo educacional de forma eficiente, inovadora e muito instigante. São ações que demonstram como a tecnologia é fundamental nesse novo tempo em que se aprende fazendo. Tempo em que estudantes e professores são estimulados a dividir o protagonismo na construção do conhecimento”, ressalta o titular da Sectet, Carlos Maneschy.

Exemplos – Rafael Callins, da coordenação da 10ª Fecti, destaca que é esse o espírito da mesa redonda. “Na Feira, reunimos algumas dessas ações em escolas e organizações civis que se utilizam da tecnologia para envolver crianças e adolescentes num processo educacional bem interessante que vai além da transmissão de conhecimento. Queremos que essas iniciativas contagiem os participantes da Feira e sejam seguidas como exemplo”, enfatiza Rafael.

A mesa vai reunir representantes de quatro projetos que são desenvolvidos em Belém e região metropolitana: Reusetech, projeto da Escola Estadual Tiradentes I; o projeto de robótica da Escola Estadual Dilma Cattete, Robomind Pará e Projeto Social Gileade. A mesa redonda será realizada no dia 24/10, às 16h, no teatro Maria Sylvia Nunes.

  Pesquisas divergem sobre quem lidera a disputa pelo senado no Pará

Reusetech – O projeto é desenvolvido desde 2017 por professores e estudantes da Escola Estadual Tiradentes I, em Belém, e utiliza resíduos sólidos recicláveis na construção de robôs. O Reusetech será apresentado na mesa redonda também pelos alunos. “Quando as pessoas escutam os alunos e veem o que são capazes de construir, mesmo sendo especiais e de escola pública, elas criam coragem de ir além”, conta a professora Mariana Menezes, uma das coordenadoras do projeto, que tem alunos com deficiência no grupo. Ela ressalta que o objetivo maior do Reusetech é criar uma cultura de ciência no estado. “O que importa para nós é que as crianças, especiais ou não, sintam que são capazes de transformar o futuro delas para melhor”, finaliza a professora.

Reconhecimento – Na Escola Estadual Dilma Cattete, no bairro do Coqueiro, em Belém, os alunos são estimulados a utilizar lixo eletrônico na construção de robôs. As peças de equipamentos eletrônicos descartados são recicladas e transformadas em protótipos de robôs sob a orientação da professora Keila Cattete, que levou o projeto este ano para a escola pública. Ela se interessou pela robótica quando ainda era estudante do curso de licenciatura em Matemática, no início dos anos 2000. A professora conta que seu objetivo é fazer com que o Pará seja reconhecido nacionalmente pela produção científica.

  Pesquisas divergem sobre quem lidera a disputa pelo senado no Pará

Robomind – A Robomind Pará trabalha com robótica educacional no estado há mais de dois anos e essa trajetória será apresentada pelo responsável pela empresa, Marcos Douglas Gomes.  Ele explica que o projeto não envolve conteúdo, pois o objetivo é desenvolver e estimular habilidades tecnológicas e sociais, privilegiando o conhecimento científico. “Trabalhamos para desenvolver uma educação mais mão na massa, com foco na aprendizagem criativa. Acreditamos que esse é um tema que precisa ser debatido e desenvolvido a fim de colocarmos nosso estado em alinhamento com um contexto cada vez mais presente”, afirma Marcos Douglas.

Gileade – O Projeto Social Gileade é desenvolvido no bairro das Águas Lindas, em Ananindeua. Uma das ações é o projeto de educação científica, tecnológica e digital por meio da programação e da robótica educacional sustentável, desenvolvido há mais de três anos. “Usamos material de baixo custo, sucata eletrônica e softwares livres para inserir crianças e adolescentes da periferia no mundo da tecnologia. Na Feira vamos levantar essa discussão de como incluir nesse mundo tecnológico e digital as crianças da periferia, já que as escolas ainda não estão oferecendo um modelo de educação 4.0”, destaca Bruno Ricardo, professor de robótica do Gilead.

  Pesquisas divergem sobre quem lidera a disputa pelo senado no Pará



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas