Em audiência pública, comunidade acadêmica da Unifesspa debate sobre mobilidade urbana em Marabá

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on telegram

O transporte público do município de Marabá foi pauta da audiência pública que aconteceu na manhã desta quinta-feira (5), na Câmara de Vereadores. A iniciativa partiu da comunidade acadêmica da Unifesspa, que ganhou ainda mais força nesta luta com a participação de moradores de conjuntos residenciais e instituições do entorno da universidade e de outros bairros da cidade.

Na mesa do plenário estiveram presentes o reitor da Unifesspa, Francisco Ribeiro; o presidente da subseção da OAB de Marabá, Rodrigo Alburqueque; o secretário de segurança institucional, Jair Guimarães; o presidente da comissão de transporte coletivo de Marabá, Silva Neto; os representantes do Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Unifesspa, Carlos Eduardo Alves e Maisa Carvalho, e o presidente interino da Câmara, Eloi Ribeiro.

A abertura da audiência pública foi feita pelo reitor da Unifesspa. Durante a solenidade,  Fracisco Ribeiro frizou que muitos pontos devem ser discutidos, mas que na ocasião fosse definido pelo menos dois pontos principais: “Queremos sair daqui com, pelo menos, duas coisas: Priorizar a frota de ônibus, maior quantidade de veículos e em mais horários. Isso é urgente”! Outro ponto destacado é o desenvolvimento do aplicativo que monitora o serviço de transporte público no município. “A universidade tem quase pronto um sistema para o aplicativo: cadê o busão, que, se a empresa e a prefeitura toparem, vai nos ajudar muito a não perder a hora e a chegar no tempo certo na sala de aula. Que isso tudo seja informado e manifestando nos sites oficiais a ação para ficarmos a par de tudo”, frizou.

  2,9 milhões de brasileiros se declaram homossexuais ou bisexuais, aponta IBGE

Francisco Ribeiro pontuou ainda como a má qualidade do serviço ofertado tem afetado diretamente o ensino. “Tem aluno reprovando por falta porque nem sempre consegue pegar ônibus, também tem alunos desistindo das aulas por conta de toda a dificuldade que existe em torno do transporte coletivo. Sem contar que o rendimento do aluno em sala de aula cai bastante porque ele demora horas dentro do ônibus para chegar na universidade, e na hora de assistir as aulas, estão muito cansados. Por conta de tudo o que já falamos aqui, é necessário melhorar a qualidade do transporte público”, considerou.

Para o representante estudantil, Carlos Eduardo, é de extrema importância que toda a comunidade entenda que a pauta debatida hoje não se trata apenas de uma “rota universitária”, mas de uma demanda que deve atender a toda a cidade de Marabá. “Esse não é um problema só dos estudantes, mas é uma questão de mobilidade urbana, de todos os que dependem no transporte público. Não há circulação de ônibus suficiente para todo mundo e isso prejudica todos os usuários”, informou.

Outro ponto que foi destacado pela representação estudantil, por meio da estudante Maisa, é que é necessário investir em um portal da transparência e um sistema de monitoramento do serviço do transporte público para que todos possam acompanhar a real situação sobre a circulação dos ônibus.

  Cobrando reajuste de 20%, servidores do IFPA de Parauapebas declaram greve

Encaminhamentos

Reitor Audiência PublicaEntre as mais de 20 falas, de representantes do movimento estudantil, da gestão da Unifesspa, de outras instituições e do poder público, diversas manifestações de protestos também foram registradas. Sugestões de estudos, formação de comissões, realizões de eventos também foram propostas.

Entre as demandas apresentadas pela representação estudantil estão: representação estudantil no Conselho Municipal de Transporte; passe livre, seja por subsídio, seja por isenção fiscal; ampliação da rota universitária; aumento da frota, da qualidade e dos horários dos ônibus; melhoria de vias e da segurança pública; integração entre as rotas para contemplar todos os públicos e instituições; disponibilização de pontos de atendimentos aos estudantes dentro da Unifesspa; site de transparência sobre os investimentos em transporte público; criação de novas rotas para os bairros que não são atendidos; ônibus com acessibilidade de fato para pessoas com deficiência.

E, como pedido de urgência, como ação emergencial, foi solicitada maior quantidade de veículos e em mais horários para o atendimento aos estudantes.

Para finalizar a audiência o reitor agradeceu a participação de todos e da mobilização estudantil. Destacou ainda que o problema com a má qualidade do serviço de transporte público na cidade está trazendo prejuízos para a sociedade e inclusive na qualidade do ensino já que o rendimento estudantil em sala de aula é prejudicado. “O desenvolvimento do conhecimento e de mão de obra de qualidade é o que vão garantir o bom desenvolvimento da região sul e sudeste do Pará então é preciso dar uma atenção especial a tudo o que está sendo discutido aqui”, salientou.

  Posto mais barato da região de Carajás vende gasolina a R$7,18

Todos os representantes participantes da audiência também devem compor uma Comissão, que discutirá o transporte em Marabá e as novas providências junto à Prefeitura.

A Unifesspa também está comprometida em continuar o diálogo e as negociações para o aprimoramento do serviço e colaborar no fornecimento de conhecimento científico, por meio de estudos, sistemas, aplicativos e informações sobre as demandas da comunidade universitária.

A ata da audiência será enviada a todos os vereadores e ao prefeito de Marabá, Tião Miranda.



 

 

Já sabe quem são os candidatos do seu estado pra eleições 2022?

AC AL  AM  AP  BA  BRASIL  CE  DF  ES  GO  MA  MG  MS  MT  PA  PB  PE  PI  PR  RJ  RN  RO  RR  RS  SC  SE  SP  TO 

Deixe uma resposta

Ofertas